Home‎ > ‎80 LIVROS QUE LI E GOSTEI‎ > ‎

NÃO HÁ ATALHOS PARA CHEGAR AO TOPO – Autor: Ed Viesturs

VOLTAR

NÃO HÁ ATALHOS PARA CHEGAR AO TOPO – Autor: Ed Viesturs



Então, por volta de 2 da tarde, Veikka e eu pisamos no cume! Nós nos abraçamos com força. Eu não conseguia falar, estava engasgado. Mas não sentia a onda de emoção que esperava. Eu pensei que explodiria em lágrimas, mas não explodi. Veikka e eu nos sentamos lá por um longo momento, enquanto eu tentava compreender que meu sonho de dezoito anos havia finalmente se tornado realidade. Eu gostaria de poder ficar lá por horas...”

Não Há Atalhos Para Chegar Ao Topo é um relato inédito e completo de um dos grandes nomes de nosso tempo: Ed Viesturs, o primeiro norte-americano a escalar todas as catorze montanhas com mais de 8.000 metros do mundo.

Nesta obra, o alpinista descreve com detalhes os erros fatais cometidos por seus amigos escaladores, bem como os riscos que correu e dos quais escapou por um triz. A obra – que conta com um pós-escrito do autor, fotos pessoais e um rico glossário – é o retrato de um corajoso e devotado pai de família e as crenças que o levaram a essa busca perigosa e admirável.

Viesturs narra de maneira surpreendente as aventuras e riscos que ele e seus colegas passaram rumo ao topo de renomadas montanhas como o K2 e o Everest. Embora guiado pela filosofia de que “chegar ao cume é opcional, descer é obrigatório”, Ed expõe também os tristes e emocionantes momentos em que amigos se despedem da vida durante o trajeto.

Sinopse: Ed Viesturs, o primeiro norte-americano a escalar todas as 14 montanhas com mais de oito mil metros do mundo, descreve no livro Não há atalhos para chegar ao topo – Escalando as catorze maiores montanhas do mundo (Gaia/Global; 320 pp; R$ 49), assinado em parceria com David Roberts, os erros fatais cometidos por seus amigos escaladores, bem como os riscos que correu e dos quais escapou por um triz. Viesturs narra as aventuras e riscos que ele e seus colegas passaram rumo ao topo de renomadas montanhas como o K2 e o Everest. Embora guiado pela filosofia de que “chegar ao cume é opcional, descer é obrigatório”, Ed expõe também os tristes e emocionantes momentos em que amigos se despedem da vida durante o trajeto.


Opinião Pessoal: Um livro envolvente, de excelente lavra, que cativa o leitor desde seu início. Gostei demais, embora não me veja escalando nada. Ocorre que admiro o profissionalismo, a disciplina e a força motivadora que impulsiona os alpinistas rumo ao cume.


Minha Avaliação: Excelente! Imperdível!


VOLTAR