Home‎ > ‎Artigos Peregrinos‎ > ‎

A ENERGIA DO CAMINHO DE SANTIAGO


A ENERGIA DO CAMINHO DE SANTIAGO

Autor: Alexandre Maia



Qual é o seu encanto? Que força você tem, que nos traz de todos os cantos do mundo para vive-lo? Por que você nos chama? Como consegue em seu silêncio nos dizer tantas coisas? Quem é você? 

Assim iniciei meus primeiros passos no Caminho. Aberto, desprovido de qualquer ideia preconcebida e fazendo muito esforço para não criar expectativas, pois estas poderiam desviar minha atenção das experiências que realmente importavam. Estava disposto a saber o que é o Caminho de Santiago. 

Então o Caminho começou a falar... 

Primeiro, foi me deixando conhecer parte de sua história. De pedaços em pedaços, aos poucos, pessoas que vivem o Caminho foram me contando. Estas partes a princípio não faziam muito sentido, não tinham uma seqüência 'lógica', simplesmente nada era conclusivo. Diria até que a maneira de me contar sua história era um pouco confusa, mas era a linguagem do Caminho e aceitei sem questionar. 

O Caminho de Santiago é feito há mais de 12.000 anos, por pessoas que naquela época queriam conhecer o final do mundo (Finisterre, a parte mais a ocidente do continente europeu) - e ver o último 'raio verde', um fenômeno meteorológico que ocorria naquela época em Finisterre, parecido com a aurora boreal, de coloração verde. 

Os antigos sábios usavam sua sensibilidade e sua espiritualidade para conhecer o sentido da vida, não procuravam entender a vida e sim senti-la. Se orientavam pelas energia do Universo, era ela quem indicava seus caminhos, seus propósitos e suas missões. Seguiam a natureza, sem tentar interferir, faziam parte dela e sabiam que nela estavam as respostas para suas questões. Estes homens também faziam o Caminho da Via Láctea; não para ver o último raio, nem o final do mundo, mas para sua evolução espiritual. Tinham o propósito de atingir a 'Iluminação'. Estes sábios possuíam grande conhecimento da energia vital, sabiam que ela está presente em tudo e que sem ela nada é possível. Ciente da força que possuía este caminho, era comum encontrar estes homens percorrendo o Caminho da Via Láctea e muitas são as lendas a este respeito. Uma em particular me chamou atenção... 



Os Druidas eram grandes curadores, homens de espiritualidade muito evoluída para sua época e que possuíam um enorme conhecimento a cerca da energia do Universo. Detinham o poder de identificar e localizar pontos energéticos que a terra possui. Podemos dizer que também a terra ,como o ser humano, possui os seus centros energéticos, que os orientais chamam de Chakras. Estes sábios conheciam esta força, sabiam que neste caminho havia uma grande concentração de Chakras energéticos e que estes, eram capazes de alterar e acelerar a evolução espiritual do ser humano; era com este propósito que faziam o Caminho. Devido a grande distância a ser percorrida e as dificuldades a serem enfrentadas, os Druidas foram construindo Templos, abrigos e hospitais para acolher os que enfrentavam este desafio (muitos destes locais, hoje em dia, são Igrejas Católicas e albergues para peregrinos) usavam seu conhecimento a cerca dos Chakras energéticos para construir seus Templos e hospitais, colocando-os exatamente em cima desses pontos, desta forma a energia era concentrada no Templo trazendo uma atmosfera de paz, harmonia, Amor, Proteção e Poder. Fazendo deste, um local Sagrado, um local de ligação direta com o Divino. Não é à toa que muitos peregrinos de hoje, conseguem perceber esta força em determinadas Igrejas do Caminho. Nos hospitais e albergues não era diferente, a concentração desta mesma energia trazia aos antigos peregrinos a cura rápida de suas enfermidades e alívio 'quase' que milagroso para seu cansaço, recompondo suas energias em uma simples noite de sono. Também até hoje os peregrinos sentem que, ao dormir em determinados albergues e/ou cidades, acordam impressionados com sua disposição, é como se estivessem novos e cheios de energia, a única coisa que querem, é caminhar. 

Segundo a lenda, os sábios que percorriam o caminho e atingiam a Iluminação ao chegarem em Finisterre - último ponto energético do caminho - tiravam toda sua roupa e a queimavam, para que nada de sua energia ficasse presa a terra - daí vem o ritual de se queimar as roupas em Finisterre - e se jogavam 'nus' no penhasco. Porém, antes que seu corpo batesse nas pedras junto ao mar, seu espírito se desprendia do corpo e se transformava em mais uma estrela na via láctea. 

Tenho a intuição que o Apóstolo Tiago tinha conhecimento da força do Caminho da Via Láctea e quis levar sua fé e a palavra do Cristo para este Caminho de LUZ. Talvez ele nem soubesse que sua missão seria batizar com seu nome este Caminho e trazer para a religião Católica, hoje a maior religião do planeta, este pedaço do paraíso na terra, para que ele nunca fosse esquecido e nós peregrinos, pudéssemos saber onde fica este Caminho que nos chama. Seguindo a tradição de que os grandes Mestre atingem a Iluminação ao final do Caminho, o Apóstolo Tiago o fez , porém de uma forma diferente: ao invés de se jogar do penhasco, resolve voltar para Jerusalém onde é decapitado. Com certeza, tornando-se a estrela mais brilhante da Via Láctea. Transforma-se então em São Tiago ou Santiago, como conhecemos, deixando para nós, seu legado de fé, Amor, Sabedoria e Poder. 

Ao tomarmos ciência da história de Santiago contada pela Igreja Católica e de como foram feitas as primeiras peregrinações, encontramos diversas 'coincidências' com a antiga lenda dos Druidas, e percebemos como seus rituais foram mantidos, apenas ganharam novas interpretações.

A história de Santigo... 

Apóstolo Tiago ou Santiago, após a crucificação de Jesus Cristo, seguiu pregando o evangelho até a Galícia. Ao regressar a Jerusalém, foi decapitado pelo Rei Herodes. Seus restos mortais foram então, foram levados de volta à Espanha por dois dos seus discípulos, numa viagem de barco que durou 7 dias, sendo enterrado na Galícia. Em princípios deste milênio, segundo a lenda, um camponês chamado Pelayo, guiado por fenômeno parecido com uma chuva de estrelas, encontrou, em um grande campo, a sepultura do Apóstolo. 




Este fato se espalhou rapidamente, fazendo com que uma legião de pessoas começassem a peregrinar até Santiago de Compostela, cidade que se formou neste campo de estrela, a título de visitar o túmulo do Apóstolo. A palavra Compostela, significa segunda a lenda, campo de estrelas. Desde então, muitos católicos passaram a fazer a peregrinação ao túmulo do Apostolo. Uns pela fé, outros aconselhados pela Igreja a fazer o caminho como 'penitência' para redimir seus pecados. Diziam os padres, que o caminho tinha o poder de redimir os 'pecados' daqueles que o faziam, e que ao término da peregrinação a vida do caminhante estaria modificada. De fato como vimos na lenda dos antigos, o Caminho de Santiago possui uma forte energia que leva o caminhante a uma evolução espiritual e realmente, é difícil que alguém o faça sem que sua visão a cerca da vida não se modifique, pois seu padrão energético com certeza irá mudar, tornando sua 'visão' da vida bem diferente da que tinha anteriormente. Também nesta época, tornou-se tradição queimar as roupas da peregrinação ao final do caminho, como uma representação simbólica de estar queimando o passado. Sabemos hoje em dia, que nossos objetos pessoais ficam impregnados com nossa energia pessoal e de fato, com a mudança de padrão energético provocada pela força do caminho, é bom que você não mais mantenha contato com suas roupas antigas, as quais ainda permanecem com a energia de seu antigo padrão. Lembre-se que os antigos não tinham um guarda roupa farto como nosso, mas eu poderia dizer que pelo menos as roupas usadas durante o caminho deveriam ser queimadas, pois durante a caminhada passamos por diversas catarses de nossos antigos padrões, ou seja, passamos por um processo de 'limpeza' de nossas antigas formas de pensamento, antigas manias, antigos conceitos e preconceitos. A energia de uma catarse, geralmente é forte e por muitas vezes dolorosa. Não é muito aconselhável que você mantenha objetos que tiveram contato com esta energia, por isto, ainda hoje, eu aconselharia a todos os peregrinos a queimarem suas roupas de peregrinação, deixando que o fogo possa queimar e transmutar este energias. É bom queimar a roupa velha e começar 'a vida nova' ou, como eu diria, começar a viver a vida como um padrão energético novo. 

Uso estas lendas como alegorias de uma realidade que até hoje está presente no Caminho. Alegorias e metáforas são talvez a forma mais antiga usada pela humanidade para passar seus conhecimentos e formular sua cultura não importa a roupagem que cada alegoria use, importa sim, a mensagem que ela traz. 

Como percebemos, através desta energia podemos entender um pouco a mudança que nos acontece ao fazer o Caminho. Outro exemplo desta força está nos relacionamentos que fazemos durante a caminhada. Quem já fez esta peregrinação fica impressionado com a velocidade do nascimento de uma grande amizade e o nível amoroso das relações que mantemos com nossos irmãos peregrinos de todo mundo. É impressionante como flui a comunicação entre pessoas de culturas, valores, hábitos e línguas tão diferentes. Ao nível espiritual ou inconsciente, sabemos que todos somos irmãos, e que queremos viver socialmente com o amor e harmonia. Isto é uma realidade no caminho, todos se ajudam, se amam, todos querem se conhecer e trocar conhecimentos. Nos dias de hoje vivemos uma realidade muito dura, muito 'pesada' energicamente. A individualidade, o egoísmo, a raiva, a disputa pela sobrevivência e pelo poder, tornam cada vez mais complicada nossa existência. As pessoas mais sensíveis estão sentindo a necessidade cada vez maior de encontrar uma forma diferente de viver. O caminho de Santiago nos prova que existe um jeito, existe um caminho. 

Em nosso cotidiano sentimos inconscientemente a pressão exercida por esta densa energia e por uma simples questão de sobrevivência, automaticamente nos fechamos e criamos capas de defesa contra tudo e contra a todos. Devido a estas capas, porque não dizer 'armaduras', relacionamentos amorosos, cordiais, espontâneos e verdadeiros estão se tornando cada vez mais raros. O que então acontece no Caminho que torna os relacionamentos lá criados tão verdadeiros? O que faz as pessoas se abrirem com tanta facilidade, sem medo? Como é que conseguimos amar uns aos outros com tanta espontaneidade? 



Diria que da mesma forma inconsciente que sentimos a pressão de nosso dia a dia, sentimos no Caminho a proteção da energia, a presença da proteção Divina, 'sabemos' que lá estamos livres, não necessitamos de armaduras defensivas. É a ausência destas defesas que faz com que ao conhecermos uma pessoa há apenas alguns dias, tenhamos a nítida impressão de conhece-la há anos. Em nosso cotidiano necessitaríamos de anos de convivência e confiança para baixarmos nossas defesas e nos abrimos assim com um 'estranho'. Por este mesmo motivo o outro também demoraria para se revelar. A energia do amor quebra esta barreira, por isto todos que já fizeram o caminho querem voltar. Certa vez uma peregrina me disse: 'Aqui no Rio de Janeiro, tenho medo até de sair de carro, lá no Caminho, eu começava a andar de madrugada no escuro e sozinha, e impressionantemente não sentia o menor receio" então respondi: "você 'sabia' que estava protegida". 

Eu diria que o Caminho de Santiago é como um livro da vida, nele estão contidas todas as respostas que necessitamos, respostas estas provenientes da Sabedoria Universal ou Sabedoria Divina. A Sabedoria Divina tem sua forma de responder nossas questões e consegue que um mesmo livro possa responder a todos de formas tão diferentes. Poderíamos perceber com isto acontece da seguinte forma: se você hoje ler um livro que já tenha lido há cinco anos atrás, verá que sua interpretação será totalmente diferente da que foi no passado, isso é mágico! pois o livro é o mesmo, com as mesma palavras e é possível 'enxergarmos' coisas que no passado simplesmente não foram 'vistas'. Assim é o Caminho, você enxergará o que é para você enxergar neste momento de sua vida, provavelmente se você o fizer novamente, daqui a alguns anos, novas visões deste mesmo caminho virão. O caminho mudou? Não, você é quem passou a enxergar o que antes passava despercebido. Logo, o Caminho é individual, não crie expectativas com as experiências de outros, isto poderia ofuscar a visão do seu caminho. Caminhe livre, desprendido, aberto e receptivo; aproveite ao máximo este presente que o Universo te deu, com a emoção do seu coração, tenha Sabedoria para aprender. Quando queremos que o novo nasça, temos que criar espaço para ele. Uma mente que tudo sabe, não tem espaço para o novo. Eu sempre digo, a vida é uma viagem em direção a nós mesmo - há um infinito de caminhos. O Homem é como um rio, caminhando para o mar de si próprio. Deixe seu rio fluir e esteja atento para as paisagens, nelas estão os ensinamentos. 

Este relato, é uma parte muito pequena do que o caminho me ensinou, não tendo aqui espaço para descrever com maior clareza sua Sabedoria. Acho que esta é mais 'uma peça' que o Caminho está me pregando, pois sou escritor e durante todo o caminho pessoas me perguntaram seu iria escrever um livro sobre ele. Sempre respondi que achava que não, pois já existem bastante livros a seu respeito. Sempre pensei que não teria nada a dizer, que já não tivesse sido dito. Ao fazer meu relato na reunião da Associação dos Amigos do Caminho de Santiago do Rio de Janeiro, me pediram para transcrever meu depoimento para ser posto neste site, devido ao seu conteúdo. E aqui estou, escrevendo sobre O Caminho. Isto é mais uma forma de como o UNIVERSO nos ensina. Penso que talvez esteja em meu destino escrever um livro mais detalhado, com maior clareza acerca desta energia Universal. Peço então a vocês que me ajudem a decidir, se devo escrever um livro que aborde de forma mais ampla a Sabedoria do Caminho, a Sabedoria da energia Universal, e como podemos ter contato com esta energia em nosso dia a dia, e não só no Caminho de Santiago. Posso lhes afirmar que é possível viver a alegria, a felicidade do Caminho em nosso Caminhar diário. 


"MUITA LUZ PARA TODOS" 


(*) Texto Original publicado no Portal Peregrino: www.caminhodesantiago.com.br

 ‎VOLTAR