Home‎ > ‎Cam Monsenhor Alderigi‎ > ‎

1º dia: JACUTINGA/MG a BARRA (ANDRADAS)/MG – 23.300 metros


1º dia: JACUTINGA/MG a BARRA (ANDRADAS)/MG – 23.300 metros

Vale a pena vivermos a vida como vivemos: monótona ou aventurosa, realizadora ou difícil, fiéis na luta de sermos cada dia melhores, exigentes na paciência conosco mesmo e com os outros; fortes em suportar as contradições; sábios em aprender com elas. Foi nessa humanidade concreta que Deus realizou o seu plano.” (Monsenhor Alderigi Torriani)




A jornada seria de pequena extensão e escassa dificuldade altimétrica, assim, ingeri o café que, gentilmente, o porteiro da noite preparou e parti às 5 h, com o dia já claro.

Sem maiores novidades, transitei por alguns bairros periféricos e percorridos 1.700 metros, abandonei de vez a zona urbana e adentrei em larga e ascendente estrada de terra.

Vencidos 3 quilômetros, por uma ponte metálica eu transpus o rio Moji-Guaçu, depois passei a caminhar entre extensos cafezais e imensas pastagens, a tônica nessa etapa.

Embora o caminho não esteja com a sinalização perfeita, percorridos 15 quilômetros sem grandes dificuldades, pois o dia se mantinha nublado, eu transitei pelo distrito de São Sebastião dos Robertos, popularmente chamado de “Ribeirão”, cuja sede é Jacutinga.

Ali fiz uma pausa na praça principal para ingerir uma banana e fotografar a igrejinha que há no local, cujo padroeiro é São Sebastião.

Na pequena povoação há bares e um supermercado, contudo, por estarmos num feriado e face ao horário extemporâneo, encontrei todos os estabelecimentos comerciais fechados.

Prosseguindo, eu fleti à direita e prossegui margeando o belo ribeirão da Barra, que corria pelo meu lado esquerdo.

Nesse trecho eu transitei um bom tempo sob a mata nativa, num percurso fresco, ermo e silencioso.

Esse trajeto final, todo plano e bastante arborizado, me levou, depois de eu caminhar mais 8 quilômetros, à pequena São Pedro da Barra, mais conhecida por Barra, um povoado simples e hospitaleiro, cuja vila situa-se parte no município de Andradas e parte em Ouro Fino, encravada a 922 m de altitude e, curiosamente, fazendo divisa, também, num pequeno vértice, com o município de Jacutinga.

Possui atualmente próximo de 400 habitantes, e tem na cultura cafeeira sua principal atividade econômica.

Ali me hospedei na Pousada João e Joelma, onde fui muito bem recebido e do local só tenho elogios a fazer.

Após ingerir um lauto almoço e descansar um pouco, retornei ao centro da pequena vila para fotografar sua igrejinha, cujo padroeiro é São Pedro.

Depois, passei algum tempo conversando com o simpático Tiago, que é o proprietário do Constantino Bar, um local asseado e agradável, que oferece produtos sofisticados e de qualidade aos seus frequentadores.

À noite, eu jantei com a família do João/Joelma e, em seguida, me recolhi, pois o dia seguinte seria bastante exigente em termos físicos.

Algumas fotos dessa etapa:


Natureza exuberante!


Ponte sobre o rio Moji-Guaçu.


Sinalização do Caminho, à direita.


Entre pastagens...


Início de grande descenso..


Entre cafezais.


Trecho aberto...


Igrejinha no distrito de São Sebastião dos Robertos.


Trecho agradável e sombreado.


Caminhando ao lado do ribeirão da Barra.


Paisagens belíssimas!


Tudo verde...um colírio para os olhos.


A igrejinha da Barra, cujo padroeiro é São Pedro.


Chegando à Pousada do João e Joelma.

RESUMO DO DIA - Clima: Nublado e ventoso no início, depois, ensolarado, variando a temperatura entre 16 e 24 graus.

Pernoite: Pousada João e Joelma – Apartamento individual: Ótimo! Preço: R$100,00, incluindo almoço, jantar e café da manhã.


A igrejinha da Barra, vista de outro ângulo.


Com o amigo Tiago, proprietário do Constantino Bar, localizado na Barra (Andradas/MG).




AVALIAÇÃO PESSOAL – Uma jornada de pequena extensão e, praticamente, toda plana, que perpassa por locais de rara beleza. O distrito de São Sebastião dos Robertos, localizado a 15 quilômetros do “marco zero” desse roteiro, pode ser um bom ponto de apoio para o peregrino, por contar com bares e supermercado. No global, trajeto fácil, agradável e de grande beleza paisagística.