FINAL


FINAL


"Nossa Senhora, me dê a mão. Cuida do meu coração. Da minha vida. Do meu destino. Do meu caminho, cuida de mim!" (Roberto Carlos)


Mãe Aparecida, peço a vossa benção e proteção, sempre!

DE ACORDO COM MÉDICOS, CAMINHADAS PODEM MUDAR NOSSOS CÉREBROS! 

(Luiza Fletcher)


“A paz da natureza fluirá em você como a luz solar flui em árvores. Os ventos soprarão seu próprio frescor em você, e as tempestades, sua energia, enquanto as preocupações vão cair como folhas de outono”, escreveu John Muir. Claramente, John Muir compreendia o valor intrínseco de passar tempo na natureza.

Junto com Muir, muitos de nós reconhecemos que caminhadas na natureza são boas para o corpo, mente e alma. Andar em matas, observar pássaros coloridos e folhagem, sentir o aroma das flores, e ouvir um riacho calmante simplesmente limpa nossa mente e nos faz sentir bem. Para a nossa sorte, os médicos concordam. Estudo após estudo mostra que há muitos benefícios para a saúde mental em passar tempo caminhando na natureza.

Aqueles que ruminam ou se concentram demais em pensamentos negativos sobre si mesmos podem apresentar ansiedade, depressão e outros problemas, como compulsão alimentar ou transtorno de estresse pós-traumático. Em um estudo recente, os pesquisadores investigaram se passar tempo na natureza afeta a ruminação, e descobriram que caminhadas diminuem esses pensamentos obsessivos, negativas. 




Neste estudo, os pesquisadores compararam a ruminação de participantes que caminharam em um ambiente urbano e um ambiente de natureza. Eles descobriram que aqueles que caminharam por 90 minutos em um ambiente natural relataram níveis mais baixos de ruminação e também reduziram a atividade neural no córtex pré-frontal subgenual, que está associado com a doença mental. Aqueles que andaram através de um ambiente urbano não sentiram esses benefícios.

Esses pesquisadores indicam que o nosso mundo está cada vez mais urbano e que a urbanização está ligada à depressão e outras formas de doença mental. Visivelmente, passarmos um tempo ao ar livre onde há menos estresse mental, menos ruído e menos distrações pode ser vantajoso para a nossa saúde mental.

De acordo com um estudo realizado por Ruth Ann Atchley e David L. Strayer, a criativa solução de problemas pode ser melhorada através da desconexão da tecnologia e reconexão com a natureza. Neste estudo, os participantes caminharam na natureza por aproximadamente quatro dias e foram proibidos de usar a tecnologia. Eles foram convidados a executar tarefas que exigem criatividade e resolução de problemas complexos. Foi descoberto que aqueles imersos nas excursões aumentaram seu desempenho em tarefas de resolução de problemas em 50 por cento.

Os investigadores indicam que a tecnologia e o barulho das áreas urbanas constantemente exigem a nossa atenção e afastam do foco. Assim, quando estamos sentindo-nos sobrecarregados dos estressores da vida urbana e conexão, caminhadas pela natureza podem ser um ótimo remédio. Elas reduzem a nossa fadiga mental, acalmam nossas mentes e nos ajudam a pensar criativamente.





EPÍLOGO

Não sou turista. Sou peregrino. Coleciono “sellos” e sonhos!


Nossa Senhora Aparecida, rogai por nós!

Peregrinar é empreender uma viagem como forma de procurar, avançar, enfim, observar o horizonte, essa linha onde a terra e o céu se tocam.

Na realidade, peregrinar é uma prática tão antiga quanto a existência do homem.

Tanto isso é verdade que todas as grandes religiões consideram a peregrinação como uma via de conversão, desde que empreendida com inquietação e espírito de busca.

E a caminhada, solitária ou em grupos, desde os tempos remotos, era a forma mais comum de peregrinar para os menos afortunados, por ser a mais econômica e acessível.

Atualmente, cada vez mais se peregrina, pelo simples e profundo desejo de percorrer um caminho iniciático, com algum esforço físico e psíquico, superando dificuldades, aproximando-se do lugar almejado.

E sempre mergulhado no silêncio, pelos campos, olhando para longe e para dentro de si mesmo. 


Vista da Basílica e da cidade de Aparecida, desde o Morro do Cruzeiro.

Dentro desse elenco de preposições, o Caminho da Fé é o local ideal para os devotos cuja intenção é visitar a Basílica de Nossa Senhora, em Aparecida, utilizando como meio de locomoção as próprias pernas.

Porquanto, discorre, quase sempre, por caminhos silenciosos, paisagens bucólicas, povoados hospitaleiros, enfim, é um roteiro seguro e eficiente, haja vista o número de pessoas que por ele têm passado, desde sua implementação, 13 anos atrás.

Dessa forma, eu me sinto uma pessoa privilegiada por conseguir encerrar minha peregrinação iniciada em Sertãozinho, sem percalços ou maiores intercorrências, ungido pela proteção da Mãe Maior. 


Mais um momentos inesquecível em minha vida de peregrino..

Nesse sentido, faço uma sugestão aos amigos peregrinos: Deixe a Luz brilhar dentro de si, pois dessa forma conseguirá respirar e sentir a alma da Terra, e assim perceber a Sabedoria que existe neste pedacinho de céu que é o CAMINHO DA FÉ.


Bom Caminho a todos!


Agosto/2016 
VOLTAR