Home‎ > ‎Caminho da Fé‎ > ‎CAMINHO DA FÉ - XIII‎ > ‎

FINAL


FINAL


Nem todos os teus caminhos serão flores, mas desejo flores para todos os teus caminhos.” (J. Carvas Abir) 


CONSELHOS...

(Por Calixto de Inhamuns, via Facebook)




Quando o caminho for longo, não corra na saída, não se apresse.

Deixe seu corpo ir se se acostumando com o ritmo das estradas, sua cabeça mapear as distâncias e o coração se acertar com os seus pés.

Os caminhos, projetos, que estavam na sua imaginação, vão ficar reais, existirem.

Com os passos certos caminhe na velocidade necessária, se precisar vá além, às vezes, é preciso. 


Com o Vinícius, momento de descontração no Mirante do Pau Arcado.

Tem momentos que você quer desistir, não se sente capaz, resista.

Não sinta medo, tristeza e nem raiva, são emoções que nos tornam incapazes, nos amarram às pedras do caminho.

Se precisar, se agarre na melancolia dos bois que olham o seu caminhar, nas paisagens bonitas e pense nos amigos, nas pessoas que gostam de você, mesmo as que você não gosta.

O amor não é sempre uma pista de duas mãos, mas é sempre o amor. 


Em algum lugar do caminho, no trecho localizado entre Paraisópolis e Luminosa.

Busque força nas boas memórias que você guarda no coração, toque em frente, mas guarde folego para ter os olhos descansados para olhar a paisagem e perceber os encontros que sempre acontecem nas longas caminhadas.

Ou recupere o folego buscando o que é bonito e confortante dentro e fora de você.

Tenha objetivos, tenha prazos, mas nunca deixe de viver as belezas da natureza e olhar com carinho àqueles que você encontrar.

Mesmo não cruzando com ninguém sempre haverá uma pessoa no seu coração caminhando com você, converse com ela, amorosamente.

Aproveite, são prazeres que vão deixar sua alma leve e seus pés mais ligeiros.

E quando, mesmo cansado, chegar ao seu destino, sossegue e entre lentamente, não há pressa, você chegou, comemorar e saborear o seu feito é um direito, uma nova aventura.

Calma, sossegue, olhe em volta, você não veio para vencer ou ganhar, mas buscar lembranças que vão lhe ajudar a viver, não se apresse.

Calma, calma, aproveite. 


Gratidão, Mãe Aparecida, por todas as graças alcançadas durante a minha caminhada de FÉ.


EPÍLOGO


Há algumas coisas que marcam a nossa vida. São fatos simples, normalmente ignorados no momento em que ocorrem, mas que, a longo prazo, farão uma grande diferença. São acontecimentos que se apossam do nosso coração e invadem nossa alma quando menos esperamos. Coisas que nos perseguirão para o resto da vida! São pessoas que nos querem ver bem, que só querem nossa felicidade. São elas que nos acrescentam, compartilham e partilham a nossa vida. Pessoas, que cederam tempo, nos deram atenção, palavras, carinho quando mais precisávamos dela, Nos deram a mão e o coração, doaram e nos fizeram crescer em sabedoria e sentimentos. Gente muito especial que transforma pequenos detalhes em grandes momentos.” (Marilina Baccarat de Almeida Leão no livro " Pelos caminhos do viver")


O texto acima espelha, com claritude solar, o desvelo que encontramos ao longo do Caminho da Fé, seja nas pessoas com quem eventualmente cruzamos no roteiro, ou, com maior propriedade, naquelas que nos acolhem nos pernoites.

Impossível, descrever a hospitalidade que nos é oferecida pelos anjos que tomam conta das pousadas.

A eles, sem exceção, minha gratidão eterna. 

Momento de imensa alegria, na chegada ao Santuário de Aparecida, com Vinícius e Calixto.

Para finalizar, um agradecimento especial pela valorosa companhia dos amigos Calixto de Inhamuns e Vinícius, peregrinos fantásticos que, com indelével bom humor e contagiante otimismo, concorreram, decisivamente, para tornar o meu Caminho mais leve e prazeroso.

Nesse sentido, tenho a mais absoluta certeza, de que o Criador franqueará o beneplácito de nos reunir em outra trilha, um dia, novamente, para gáudio de meu coração.


BOM CAMINHO A TODOS! 

Dezembro/2017