Home‎ > ‎Caminho de Aparecida II‎ > ‎

2ª Etapa: BAIRRO MATÃO (ALFENAS) à GUAIAPAVA (PARAGUAÇU) – 28 quilômetros


2ª Etapa: BAIRRO MATÃO (ALFENAS) à GUAIAPAVA (PARAGUAÇU) – 28 quilômetros



A etapa seria de média extensão e face ao calor reinante, combinamos sair o mais cedo possível.

Assim, às 5 h, nós tomamos o café da manhã na cozinha da residência de Dona Duína e, às 5 h 30 min, depois de fotos e despedidas, iniciamos nossa jornada do dia.

Havia uma forte cerração cobrindo toda a região, contudo com minha lanterna de mão ligada e a experiência adquirida após a passagem pelo local no ano anterior, não tivemos problemas em encontrar nosso rumo.

Assim, logo transitamos entre os enormes cafezais da fazenda Ipanema, depois passamos a descender e, nesse trecho, avistamos inúmeros tucanos.


Despedindo-nos de Dona Duína, uma pessoa especialíssima!


Km 05,0 – Trecho em descenso, com muita nebulosidade.


Km 07,0 – Caminhando entre grandes pastagens, em meio a muita cerração.


Km 09,0 – Ponte sobre o rio Machado.


Km 10,0 – Ao fundo, obscurecida pela nebulosidade, a igrejinha existente no bairro Chico dos Santos.


Km 10,5 – Transitando pelo bairro Chico dos Santos.


Km 11,0 – Um trecho bastante arborizado e hidratado.


Km 12,4 – Nessa bifurcação, o caminho segue à direita.


Km 15,0 – Logo à frente, cruzamos a rodovia BR-491, que segue em direção à Paraguaçu/MG.


Km 17,0 – Outro trecho bastante plano e com vegetação exuberante.


Km 17,5 – Trecho agradável, situado em meio a fazendas de gado leiteiro.


Km 19,0 – Bar Recanto dos Amigos, à esquerda, e que nesse dia, por ser uma segunda-feira, se encontrava fechado.


Km 19,5 – Caminho bucólico e arejado.


Km 20,0 – Um trecho onde a atividade principal é a fabricação de carvão vegetal.


Km 21,0 – Um entremeio bastante fresco, situado entre uma plantação de eucaliptos.


Km 23,0 – O descenso prossegue, ainda dentro de frondoso bosque de eucaliptos.


Km 23,5 - Caminho sombreado, uma benção, pois o sol já crestava com vigor!


Km 24,0 – Nesse pequeno bosque, logo depois da ponte, fizemos uma pausa para descanso, pois a Alessandra estava sentindo dores nos pés.


Km 26,0 – Trecho agradável, retilíneo e plano, já próximo à nossa meta do dia.


Km 28,0 – Aportando ao distrito de Guaipava, cuja sede é Paraguaçu/MG.


Igreja dedicada à Santa Isabel, no distrito de Guaipava.


Pôr do sol em Guaipava. Mais um dia se findando...


A Renata, nossa hospitaleira, que atende muito bem aos peregrinos.


RESUMO DO DIA: Tempo gasto: 7 h – Clima: frio e ensolarado, com temperatura variando entre 08 e 23 graus.

Pernoite no albergue existente em Guaipava: bastante simples, faltando ainda alguns ajustes, mas o local é extremamente acolhedor – Preço: R$45,00 - incluindo o café da manhã e as duas refeições: almoço e jantar.

IMPRESSÃO PESSOAL: Uma jornada sem grandes variações altimétricas, arborizada em quase toda extensão, e bastante agradável. O ponto negativo talvez seja o lugar de pernoite, pois ainda é feito em local improvisado, embora já exista planejamento para se construir um albergue nesse estratégico distrito. No entanto, a atenção, o calor humano e a prestatividade ali recebidos dos proprietários, o Petrônio e a Renata, acabaram por compensar e inibir maiores restrições a essa pacata localidade.


3ª Etapa: GUAIAPAVA (PARAGUAÇU) à TURVOLÂNDIA – 34 quilômetros 

VOLTAR‎