Home‎ > ‎Caminho de Aparecida II‎ > ‎

8ª Etapa: WENCESLAU BRAZ à PEDRINHAS (GUARATINGUETÁ) – 44 quilômetros


8ª Etapa: WENCESLAU BRAZ à PEDRINHAS (GUARATINGUETÁ) – 44 quilômetros



Este sim, um percurso temível, porquanto eu me encontrava sozinho no roteiro.

Ademais, estava pressionado pelo tempo, pois tinha prazo para retornar ao meu lar, por conta de compromissos adredemente assumidos.

Além disso, eu estava com algumas bolhas nos pés, que incomodavam bastante, e a jornada se afigurava longa e perigosa.

Assim, após conversar com duas pessoas em Wenceslau Brás, optei por contratar o Toninho taxista, para me levar até o bairro do Charco, como forma de agilizar a transposição da tormentosa Serra da Mantiqueira.

Então, conforme combinado, às 5 h 15 min, depois de ingerir o café da manhã que a Patrícia gentilmente já deixara preparado, embarquei num velho fusca, que subiu o morro tossindo e rangendo, mas me deixou no local combinado, exatamente às 6 horas.

Imediatamente, após os acertos monetários, iniciei minha odisseia.


Km 14,0 – Chegada ao Bairro do Charco, cuja sede é Delfim Moreira/MG.


Km 15,0 – O dia principiando a clarear por trás da serra.


Km 15,0 – Bifurcação dos Caminhos: eu segui à esquerda, pela Trilha dos Carneiros.


Km 17,0 – Trilha silenciosa, com muito frio e geada no entorno. A sensação térmica que eu sentia era de 6º graus.


Km 18,0 – A trilha prosseguiu alternando trechos arejados com outros em meio a mata nativa.


Km 19,0 – A partir dessa árvore, iniciou-se o primeiro e difícil aclive.


Km 19,5 – Do topo da primeira elevação, vista da paisagem circundante.


Km 21,0 – A Mantiqueira bruta, com suas matas integralmente preservadas.


Km 21,2 - Outra trilha alocada em meio à mata fechada. O encontro com uma cobra aí, poria tudo a perder, pois não haveria como passar.


Km 21,5 – Ao transpor essa porteira, situada a 2000 m de altitude, eu deixei o Estado de Minas Gerais, para retornar ao de São Paulo.


Km 22,0 - Vista da última elevação a ser vencida, talvez a mais temível de todas.


Km 23,0 – Finalmente, acesso à Estrada de Pedrinhas e pausa para descanso.


Km 25,0 – Passagem pela Fazenda onde existe uma grande criação de carneiros.


Km 25,0 – Aqui habitam mais de 500 carneiros.


Km 32,0 – Ponto de Encontro, pois aqui se unem os dois ramais que partiram do Charco.


Km 33,0 – Pousada Santa Maria da Serra


Km 35,0 – Bairro Gomeral abaixo, bem como o vale por onde eu prosseguiria minha jornada em direção à Aparecida.


Km 37,0 – Bairro Gomeral, agora já mais próximo.


Km 38,0 – Restaurante Tao, no Bairro Gomeral.


Km 40,0 - Vista do Vale do Paraíba, ao fundo, para onde eu me dirigia.


Km 44,0 – Pousada do Sr. Agenor.


Um pé de ipê florido, situado no quintal da Pousada do Sr. Agenor.


 O Sr. Agenor, uma pessoa especialíssima!


RESUMO DO DIA: Tempo gasto: 09 h – Clima: frio, ventoso e, depois, ensolarado, com temperatura variando entre 6 e 21 graus.

Pernoite na Pousada do Sr. Agenor: Atendimento excelente! – Apartamento simples, com café da manhã e mais 2 refeições – Preço: R$50,00

IMPRESSÃO PESSOAL: Uma jornada longa, cansativa e com extremas variações altimétricas. No entanto, com trânsito pelo “coração” da serra da Mantiqueira, um trecho excepcionalmente belo, e onde a natureza se encontra integralmente preservada. No global, necessário vencer forte altimetria ascendente até aportar à Estrada de Pedrinhas. E, depois da Pousada Santa Maria da Serra, o perfil se inverte, sendo necessário muito cuidado e atenção para enfrentar o brusco descenso em direção ao distrito de Pedrinhas.


9ª Etapa: PEDRINHAS (GUARATINGUETÁ) à APARECIDA – 21 quilômetros 

VOLTAR‎