Home‎ > ‎Caminho de Nhá Chica‎ > ‎

07º dia: HELIODORA a CONCEIÇÃO DAS PEDRAS – 24 quilômetros


07º dia: HELIODORA a CONCEIÇÃO DAS PEDRAS – 24 quilômetros

Com a nossa autoridade apostólica, concedemos que a Venerável Serva de Deus Francisca de Paula de Jesus, conhecida como 'Nhá Chica', leiga, virgem, mulher de assídua oração, perspicaz testemunha da misericórdia de Cristo para com os necessitados do corpo e do espírito, doravante seja chamada Beata e que se possa celebrar sua festa, todos os anos, no dia 14 de junho, dia de seu nascimento ao céu, nos lugares e segundo as regras estabelecidas pelo direito. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.” (Cardeal Ângelo Amato, Prefeito da Congregação para a Causa dos Santos.)




O trajeto, eu sabia, seria altamente desafiador e a Sônia se encontrava extremamente gripada, contudo, ainda assim, integralmente focada em nosso objetivo.

De comum acordo resolvemos sair bem cedo e assim, depois de ingerir o saudável café da manhã que a dona Sheila nos preparara, deixamos o local de pernoite às 5 h 30 min, debaixo de intenso frio e forte cerração, temperatura beirando os 6°C.

Partimos em forte ascenso, por ruas citadinas vazias, silenciosas e, mais acima, num leve planalto, acessamos uma estrada de terra larga e acidentada, por onde prosseguimos sempre em perene aclividade.

O percurso sequente mesclou íngremes aclives com rápidos planaltos, onde podíamos desacelerar nossa respiração, sempre entre imensos cafezais, bananais e mata nativa.

Com o dia clareando, percorridos 5 quilômetros, atingimos o topo da serra do Lobo, situado a 1.202 m de altura, o ponto de maior altimetria dessa jornada.

De lá detínhamos ampla visão do entorno, inclusive, podíamos visualizar abaixo e distante, situada numa planície, a cidade de Natércia, nosso próximo destino.

O descenso pelo lado oposto da montanha foi acidentado e técnico, vez que um simples escorregão poderia redundar numa queda espetacular.

Nesse trecho cruzamos com vários trabalhadores rurais, alguns subindo o morro a pé, outros em motocicletas, todos rumando para os imensos cafezais que nos ladeavam, pois estávamos em época de colheita desse fruto.

Já no plano, acessamos a rodovia que provinha de Heliodora e logo estávamos caminhando em zona urbana, na direção da praça central da cidade, onde fotografamos e visitamos a igreja matriz, cuja padroeira é Santa Catarina de Alexandria.

Ali, fizemos uma pausa para orações, utilização de sanitários e ingestão de água e carboidratos.

Na sequência, enfrentamos fortíssimo ascenso sobre piso duro, por um bairro periférico; o descenso pelo lado oposto foi extremamente difícil e técnico, mas superado a bom termo.

O trecho sequente, nos levou a caminhar por uma estrada larga e plana, sempre ao lado de um riacho que, mais à frente, nos propiciou visualizar a espetacular “Cachoeira da Usina” de impressionante beleza.

Depois, seguimos em forte ascenso pela montanha para, na sequência, prosseguirmos um bom tempo por estradas arejadas, depois, sob frescas matas nativas e desertas, num percurso extremamente agradável.

Quase no final da jornada, precisamos superar outro outeiro que, pelo adiantado da hora, foi sobrepujado passo a passo, face ao cansaço acumulado na dura jornada.

Depois, já em forte descenso, logo acessamos a zona urbana, transitamos pelo centro de Conceição das Pedras e ainda caminhamos mais 1.000 metros, para nos alojarmos na Pousada Por do Sol, de dona Maria (Fininha), localizada junto ao Posto de Combustíveis Avenida, onde pernoitamos nesse dia.

Depois de farto almoço e após nos recuperarmos fisicamente do exigente trajeto, ainda reunimos força para retornar ao centro da simpática localidade, onde pudemos fotografar e visitar a igreja matriz da cidade, cuja padroeira é Nossa Senhora da Conceição.

A Sônia, afônica e gripada, me avisou que não caminharia no dia sequente, de maneira que ali mesmo contratamos um táxi para levá-la com nossas mochilas, em direção à cidade de Cristina, nosso próximo destino, onde ela pretendia passar o dia descansando.

Algumas fotos do percurso desse dia:


Subindo a serra ainda no lusco-fusco do dia.


No topo do morro, visão da cidade de Natércia, abaixo e ao longe.


Descendendo o morro, paisagens fantásticas.


Abaixo, a cidade de Natércia, agora mais próxima.


Estátua existente na entrada da cidade, homenageando sua padroeira.


A igreja matriz da cidade de Natércia/MG.


O interior da linda igreja matriz da cidade de Natércia/MG.


De volta às paisagens campestres.


A belíssima Cachoeira da Usina.


Caminho arejado, sol forte, clima ameno...


Em ascenso, rumo a uma velha capelinha...


O derradeiro ascenso, sob sol forte..


Faixa de boas-vindas aos peregrinos!

O município de Conceição das Pedras está situado no sul do Estado de Minas Gerais, nos contrafortes da serra da Mantiqueira, sob uma cadeia montanhosa e rochosa denominada serra das Pedras.

O município apresenta ótimas oportunidades para empreendimentos na área hoteleira e turística pelos seus destaques naturais e pelo excelente grau de qualidade de vida de quem reside neste pacato município.

De solo essencialmente montanhoso (65%), tem como cume, no alto da serra das Pedras, a altitude de 1820 metros e como ponto menos elevado, na foz do ribeirão das Pedras, a altitude de 958 metros em relação ao nível do mar.

A cidade está localizada no centro do território a 1050 m de altitude.

É abastada por diversas fontes naturais de grande beleza como a serra das Pedras (Pedra Branca), as cachoeiras da Usina, dos Bandeirantes e várias outras.

O município de Conceição das Pedras passa por um processo de reurbanização e modernização nos meios de produção e administrativos, visando sua adequação ao Selo Turístico que foi conferido ao município.

A escassez de terras planas (são apenas 2% da área total), a baixa temperatura média (15°C) e a intensidade das chuvas (cerca de 1650 mm/ano), tornam a região propícia à produção de café, banana, batata, tomate, milho, frutas cítricas e hortigranjeiros em geral.

A soma desses aspectos faz com que o gado de leite tenha uma boa produção e qualidade reconhecida nos mercados de São Paulo e em todo o Sul de Minas.

A agropecuária predomina como atividade econômica de maior destaque pela alta fertilidade do solo e outros fatores.

O leite é classificado como um dos melhores da região por causa dos aspectos do relevo e, atualmente, grande parte é vendida para a indústria láctea.

Contando com uma grande variedade de espécies, a flora inclui araucárias, jacarandás, ipês, cedros, candeias e outras madeiras nobres.

Há também eucaliptos e pinus a título de reflorestamento e para o corte.

O município integra o circuito turístico Caminhos do Sul de Minas.

População: 2800 pessoas.

Fonte: Wikipédia


A igreja matriz da cidade de Conceição das Pedras/MG.


O interior da igreja matriz de Conceição das Pedras/MG.


Placa explicativa, dirigida aos cicloturistas.


RESUMO DO DIA - Clima: Nebuloso no início, depois, ensolarado, variando a temperatura entre 6 e 18 graus.

Pernoite: Pousada Por do Sol (dona Fininha) – Apartamento individual excelente - Preço: R$50,00;

Almoço: Restaurante e bar do Pardal – Ótimo! Preço: por R$15,00 pode-se comer à vontade no sistema self-service.


AVALIAÇÃO PESSOAL – Uma jornada de média extensão, mas que apresenta alguns entraves altimétricos importantes, sendo o primeiro deles e o mais íngreme, o cume da serra do Lobo, situado no 5º quilômetro. Há, pelo menos, 3 descensos técnicos, onde a atenção deve ser redobrada. Contudo, no geral, uma etapa belíssima, coroada pela passagem diante da fantástica Cachoeira da Usina. No global, um percurso desafiador e, em minha opinião, o terceiro mais exigente do Caminho de Nhá Chica, em termos de dificuldades.