Home‎ > ‎Caminho dos Milagres / SC‎ > ‎

4º dia: SÃO JOÃO BATISTA a NOVA TRENTO (VÍGOLO) a NOVA TRENTO – 24 quilômetros


4º dia: SÃO JOÃO BATISTA a NOVA TRENTO (VÍGOLO) a NOVA TRENTO – 24 quilômetros

Agora é o tempo da felicidade. Cada novo dia é um milagre de graça, uma taça de prazer que deve ser bebida até o fim, sem deixar para amanhã. – “Tempus Fugit”! – Portanto, carpe diem – colha o que se inicia como quem colhe uma flor que nunca mais se repetirá.” (Rubem Alves)




Saída às 6 h, porque a jornada seria relativamente curta e fácil, mas como o café da manhã somente seria servido às 7 horas, ingeri apenas uma banana e uma barra de cereal que havia adquirido no dia anterior.

O clima se apresentava fresco e hidratado, me proporcionando muita disposição para essa jornada final.

Inicialmente, eu transitei por vários bairros periféricos que pertencem a São João Batista, sobre piso duro, porém, depois de percorrer uns 4 quilômetros, voltei a atravessar locais bucólicos e silenciosos.

O dia lentamente despontou, o sol apareceu e tudo ficou mais nítido e radioso.

Logo acessei ruas periféricas de Nova Trento e depois de atravessar o rio do Braço por uma ponte, fiz uma pausa na Pousada e Cantina Italiana, onde me hospedaria nesse dia.

Ali deixei guardada a minha mochila, bem como troquei as botas por um par de tênis, visto que o trecho restante seria percorrido, integralmente, sobre piso duro.

Aproveitando a ocasião, ingeri um supimpa café da manhã, depois, reanimado, prossegui minha jornada.

Esse trecho final, já meu conhecido, segue por ruas, avenidas e rodovias, com expressivo tráfego de veículos.

Num local situado à direita da rodovia, pude visitar o lugar onde existia a casa de Santa Paulina.

Lá ela viveu com seus pais, de 1875 a 1890, antes de fundar a Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, em 12/07/1890.

Ali existem inúmeros painéis desenhados com figuras representando suas visões, sonhos e milagres.

Prossegui adiante e, depois de transitar diante da casa que alberga o “Lar de Apoio ao Peregrino de Santa Paulina” cheguei, finalmente, diante de seu Santuário.

Uma das maneiras de adentrar ao templo é subir 113 degraus pelas escadarias situadas em sua parte frontal.

Porém, eu optei por acessar uma passarela existente no lado esquerdo da igreja, com 170 metros de extensão, e por ali segui até a porta do Santuário, onde há uma estátua em tamanho natural de Santa Paulina.

Naquele local sagrado fiz fotos, em seguida, emocionado e agradecido, adentrei à Basílica para orações e agradecimentos.

Em seguida, assisti à missa que é celebrada naquele Santuário, diariamente, às 10 h, onde pude comungar e agradecer as graças recebidas.

Finda a cerimônia, com o coração em júbilo, retornei a pé ao local de pernoite, em Nova Trento.

Algumas fotos do percurso desse dia:


Trajeto fresco e plano, como de praxe nesse caminho.


O sol, finalmente, apareceu...


Trecho bucólico, situado pouco antes de adentrar em zona urbana.

Nova Trento está situada a uma altitude de 30 metros e sua população estimada em 2014, era de 13.379 habitantes.

Espalhada pelos bairros, Nova Trento conta ainda com mais de 40 oratórios de capelinhas.

A infraestrutura hoteleira de Nova Trento ainda é tímida, mas está em franco crescimento, especialmente depois da canonização de Santa Paulina, nascida em Vígolo Vattaro com o nome Amabile Visintainer (Wiesenteiner).

No ano de 1875, período da grande imigração europeia para o Brasil, muitos imigrantes, entre eles italianos, alemães, austríacos e poloneses, desembarcaram no Brasil.

Entre os imigrantes austríacos, saídos do antigo Império Austro-Húngaro, chegaram à região as famílias da região trentina do Tirol.

Os tiroleses de língua italiana (trentinos) encontravam-se em dificuldades na terra de origem, por causa das crises no setor agrário, ocasionadas pelas guerras da unificação italiana que enfraqueceram o comércio local.

Os imigrantes tiroleses entraram no Vale do Itajaí juntamente com os colonos alemães, e também foram incentivados por Dr. Blumenau.


A maravilhosa igreja matriz de Nova Trento/SC.

Eram todos trentinos, isto é, de língua italiana.

Em 1892, batizaram a nova colônia como Nova Trento em homenagem à sua região de origem, e ali se formou uma comunidade agrícola e profundamente católica.

A região tirolesa permaneceu unida à Áustria do século XV até 1918 (Primeira Guerra Mundial), quando a porção sul do antigo condado (incluindo o atual Trentino) foi anexada à Itália.

Nova Trento constituía, até aquela data, a maior colônia austríaca do Brasil e, após a guerra, passou a ser uma das maiores colônias italianas de Santa Catarina.

O Império Austro-Húngaro era conhecido por agregar diferentes povos, de diferentes idiomas e culturas, assim a região trentina se caracteriza por ser de língua italiana, mas com históricas influências germânicas.

Atualmente a Província Autônoma de Trento possui um estatuto de autonomia bastante amplo e que garante suas características sociais, econômicas e históricas na Itália atual.


O interior da maravilhosa igreja matriz de Nova Trento/SC.

Embora fosse inicialmente uma colônia austríaca (seus fundadores saíram do Império Austro-Húngaro e possuíam passaportes austríacos), seus fundadores trentinos eram todos de língua italiana, porque eram os "Italianos do Tirol".

A cidade de Nova Trento cultua até hoje as tradições, costumes e a religiosidade de seus antepassados.

Muitos italianos da Lombardia e do Vêneto também se estabeleceram em Nova Trento, de modo que em 1900 os descendentes de italianos saídos dessas regiões eram quase a metade da população da cidade.

Atualmente, Nova Trento é o segundo maior polo de Turismo Religioso do Brasil em virtude das peregrinações de fiéis que vão visitar a cidade onde morou Santa Paulina do Coração Agonizante de Jesus, a primeira Santa brasileira, embora nascida na Europa.

A bandeira de Nova Trento traz as cores da bandeira italiana (que são as mesmas do estado de Santa Catarina) e denota uma acentuada intenção de resgate das origens europeias da cidade ocorrida a partir de 1960, embora, como se sabe, a colônia tenha sido fundada quase 30 anos antes do território trentino pertencer à Itália.

Fonte: Wikipédia

Algumas fotos do percurso desse dia:


A casa onde viveu Santa Paulina.


Painéis decorativos existentes na casa onde viveu Santa Paulina.


Chegando ao Santuário.


O local de pernoite nesse dia. Recomendo!

O SANTUÁRIO DE SANTA PAULINA

O Santuário Santa Paulina é um parque ecológico, onde o visitante pode passear, orar, contemplar a natureza através do verde da paisagem, bem como pela beleza das flores, cachoeiras, animais, pássaros e belas trilhas.

Em cada espaço você sentirá a presença de Santa Paulina, através de cada marco histórico dedicado a ela e aos seus antepassados.

O Complexo oferece ao devoto uma estrutura de qualidade com restaurante próprio, hospedagem e loja de lembranças que possibilitam a todos aqueles que visitam o Santuário desfrutar de ricos momentos e ainda levar uma recordação.

Além da beleza arquitetônica do templo, o parque ecológico é um capricho da natureza.


A passarela segue em direção ao Santuário.

São Bosques sempre verdes, desde o alto da montanha, até a planície do vale estreito e perfeito.

Aqui as nascentes cristalinas e puras correm as matas, brincam com as pedras e cantam sem parar.

A glória de Deus é entoada também, pelo canto e encanto dos pássaros, sempre presentes e fascinantes.

Fauna e flora completam a beleza sem igual, que extasiam os sentidos e inebriam a alma dos visitantes.


Santa Paulina, rogai por todos nós! Amém!

A frase mais comum ouvida a partir da experiência dos visitantes é: “Aqui se respira paz e beleza”.

Daí, o status de santuário ecológico, porque fé, riqueza natural e beleza estão em harmonia e abundância, para serem contempladas.

A geometria do projeto remete ao formato de duas mãos em prece ou ainda de uma tenda, lembrando a itinerância dos peregrinos.

Este estilo permite a ventilação natural da nave central, por meio de uma lanternim, uma faixa contínua, localizada no eixo central da cobertura, direcionada ao céu.

Mediante sua forma ascendente, busca a criação de um espaço repleto de luz, como forma de inspiração à meditação e às preces, à busca da espiritualidade e ao encontro com do divino.

Fonte: www.santuariosantapaulina.org.br/


Momento da chegada. Sempre de muita emoção!

RESUMO DO DIA:

Tempo gasto, computado desde a Pousada Nona Lurdes/SC, até a Pousada e Cantina Italiana, localizada em Nova Trento/SC: 7 h 30 min.

Clima: frio e nublado de manhã; depois das 8 horas, com sol e clima ameno até o final da jornada.

Pernoite na Pousada e Cantina Italiana: Apartamento individual – Excelente! – Preço: R$120,00.

Almoço na Cantina da própria pousada: Excelente! – Preço: R$30,00, pode-se comer à vontade no self-service.


Para ver ou baixar essa etapa, salva no aplicativo Wikiloc, acesse: https://pt.wikiloc.com/trilhas-trekking/sao-joao-batista-a-vigolo-santa-paulina-27424624


AVALIAÇÃO PESSOAL – Uma jornada de pequena extensão, quase toda em zona urbana, integralmente plana e, salvo um pequeno trecho no início do trajeto, toda percorrida sobre piso duro, um tormento para os pés do peregrino. Porém, a alegria da chegada compensa o esforço dispendido. E o reencontro com Santa Paulina tem o dom de amenizar nossas querelas e oportuniza esperanças num amanhã mais aprazível.