Home‎ > ‎Circuito CostaVerde & Mar‎ > ‎

2º dia: BOMBINHAS a ITAPEMA – 38 quilômetros


2º dia: BOMBINHAS - PORTO BELO – ITAPEMA - 38 quilômetros


"O que nos salva é dar um passo. Depois, outro passo. É sempre o mesmo passo, mas você tem que aceitar isso." (Antoine de Saint-Exupéry)




O percurso seria longo e a primeira parte do trajeto, integralmente sobre piso asfáltico, assim, parti às 5 h, com o dia ainda escuro, mas sob o conforto da iluminação urbana.

Sem maiores problemas e transitando por ruas vazias e silenciosas, caminhei, primeiramente, pela praia de Morrinhos, depois, pela praia do Canto Grande, até o acesso à trilha do Morro do Macaco.

Ali eu girei à esquerda e já do outro lado península, retornei caminhando pela praia de Mariscal, enquanto o dia raiava.

A maior dentre as 39 praias de Bombinhas,a praia de Mariscal possui cerca de 4 quilômetros de extensão e conta com uma paisagem encantadora. Seu nome tem relação com a grande quantidade de mariscos presentes em quase toda a sua orla, que é emoldurada pela vegetação de restinga, muito presente na região. A água do mar – que recentemente foi considerada uma das mais limpas do litoral de Santa Catarina – é cristalina e pode ser apreciada por banhistas de todas as idades devido à sua tranquilidade e, em alguns pontos, maior concentração de ondas. Ao redor da praia quase não há comércio, sendo a região um local mais residencial, perfeito para quem quer relaxar com a família e curtir um pouquinho desse paraíso catarinense."


Depois de suplantar um pequeno ascenso, descendi em direção à Prainha, onde girei à esquerda e voltei a caminhar junto à orla marítima.

Seguindo em frente, passei pela praia de Bombinhas, depois por Bombas.

Considerada uma das praias mais famosas da cidade, Bombas costuma receber um grande número de turistas todos os anos. É uma boa opção para os que preferem praias mais movimentadas, que não abrem mão do conforto de estar próximo a tudo. Conta com uma espaçosa faixa de areia clara, o mar é levemente agitada, com pequenas ondas, principalmente quando venta. É propícia para o banho e para a prática de esportes náuticos. No verão, costuma ficar muito movimentada, com jovens praticando exercícios enquanto outros preferem fazer uma caminhada. Com ótima infraestrutura, o turista não precisa se preocupar com nada. Hotéis, pousadas, bares e restaurantes estão dispostos ao longo dessa praia, servindo o que há de melhor. É uma agradável opção para passar uns dias de férias.

Na sequência, novamente, utilizei um percurso interior, para deixar a Ponta do Estaleiro à minha direita.

Esse trajeto que me levou, novamente, a Porto Belo foi feito por uma rodovia extremamente movimentada e sem acostamento, um perigo para ciclistas e pedestres.

Mais à frente, ao invés de seguir pela orla, observando à sinalização do roteiro, entrei à esquerda na Avenida Governador Celso Ramos e por ela segui até a rodovia BR-101, num trajeto barulhento, movimentado e totalmente urbano.

Diria que foi o trecho menos interessante e mais estressante de todo o Circuito.

Já do outro lado da movimentada via, depois de caminhar 25 quilômetros sobre piso duro, finalmente, fleti à direita, e prossegui por terra, num percurso campestre, plano, situado entre campos de pastagem e imensos arrozais.

Mais 5 quilômetros vencidos, transitei pelo bairro Sertão dos Trombudos, e ali, num supermercado, comprei água e uma barra de chocolate, que ingeri de imediato, face à violência do sol e a fome que me grassava.

Os quilômetros derradeiros foram trilhados por uma estrada larga e arborizada, que me levou de volta à zona urbana de Itapema, onde me hospedei nesse dia.

Algumas fotos dessa etapa:


Transitando pela praia de Mariscal.


O dia nascendo na praia de Mariscal.


Calçadão e ciclovia no final da praia de Mariscal.


Chegando à praia de Bombas.


Calçadão na praia de Bombas.


Passando por Porto Belo, novamente, desta vez, no sentido contrário.


Finalmente, caminhando sobre terra...


Grandes arrozais...


Retorno à orla de Itapema/SC.


Praia Central de Itapema/SC.

Localizada em um cenário litorâneo, com belas paisagens e com a natureza exuberante da Mata Atlântica, Itapema divide seu charme natural com a efervescência de uma cidade com construções modernas e vida própria, onde não faltam opções de lazer o ano todo.

Banhada por um mar que varia do azul turquesa nas praias ao norte ao verde esmeralda nas demais, Itapema desfruta de 14 km de orla marítima, com praias para todos os públicos: dos que buscam sofisticação aos que buscam aventura em meio a natureza intocada ou descanso e sossego em família.

Além das praias, Itapema possui excelentes restaurantes de frutos do mar, bares com música ao vivo, comércio variado, shoppings centers, com produtos provindos diretamente de fábrica, Mirante do Encanto, no Morro do Cabeço, que proporciona uma visão belíssima de Itapema e da Costa Esmeralda, Mercado Público Municipal no Centro da cidade.

Tem ainda o Parque Calçadão, um lugar agradável e seguro, à beira mar, que conta com passeio público, ciclovia, postos salva-vidas, internet wireless gratuita, academia de ginástica pública, rampas de acesso à praia, decks em madeira de reflorestamento, e bancos para relaxar e sentir a gostosa brisa do mar.

E quem curte o turismo ecológico e de aventura pode conhecer trilhas, cachoeiras e gastronomia, em meio a Mata Atlântica, situadas na área rural da comunidade do Sertão do Trombudo, que fica do outro lado da rodovia BR 101.

População: 65 mil habitantes.



A Praça da Paz em Itapema/SC.

RESUMO DO DIA - Clima: Ensolarado, variando a temperatura entre 16 e 23 graus.


Pernoite: Hotel Recanto Natural – Apartamento individual: Excelente! - Preço: R$90,00

Almoço: Restaurante Ponto Certo – Ótimo! Preço: Por R$20,00 pode-se comer à vontade no sistema self-service.


AVALIAÇÃO PESSOAL – Uma jornada de grande extensão, com poucas atrações em seu percurso. O trecho inicial, através da península de Bombinhas é bastante interessante, contudo, o trajeto sequente, até a transposição da rodovia BR-101, é sofrido, barulhento, movimentado e desgracioso. O percurso final, com a passagem pelo bairro Sertão dos Trombudos, propiciou alguns momentos de introspecção, mas logo voltei à urbe. No global, eu recomendaria ao caminhante utilizar a orla marítima para retornar a Itapema pois, em minha opinião, o grande giro a ser feito pelo interior, nada acrescenta.