Home‎ > ‎Crer / MG - 2ª parte‎ > ‎

5º dia: LAGOA DOURADA a PRADOS – 27 quilômetros


5º dia: LAGOA DOURADA a PRADOS – 27 quilômetros


Quanto maiores são as dificuldades a vencer, maior será a satisfação.” (Cícero)




Partida às 5 h, depois de ingerir um maravilhoso café da manhã, especialmente, preparado pela dona Aidê, que gentilmente levantou de madrugada para, como ela mesma afirmou, não permitir que peregrinos saiam de estômago vazio.

São pessoas maravilhosas como ela que fazem o Caminho, não nós, isto é o que eu penso.


Primeiro marco do CRER nesse dia. Infelizmente, a quilometragem está errada.

Na saída de Lagoa Dourada os roteiros se separam, pois a Estrada Real, depois de 1.000 metros, adentra à esquerda, numa estrada de terra, enquanto o CRER prossegue pela MG-383, que se dirige a São João del Rei e, como de praxe em MG, ela também não contém acostamento.

Foi um grande sufoco esse trecho inicial, porque o tráfego de veículos estava intenso, mormente, de caminhões.

Vencidos 11 sofridos e estressantes quilômetros, o roteiro adentrou à esquerda, numa estrada de terra em descenso.

Um quilômetro abaixo, quando o caminho se aplainou, eu me reencontrei com os totens da Estrada Real.

A partir desse marco os roteiros seguem juntos até o final.

Esse entremeio é belo e deserto, porém, pleno de profundos descensos, entremeados com agudas aclividades.

O trânsito pela zona urbana de Prados é tensa, porque após a passagem pelo centro da cidade não há mais calçadas, obrigando o pedestre a disputar espaço com os veículos, numa rodovia onde o tráfego é expressivo e caótico.

O sol estava forte e o calor intenso quando aportei ao Apart Hotel Água Limpa, onde pernoitei nesse dia.

De se ressaltar o carinho e a amabilidade dos proprietários desse estabelecimento, que tudo fizeram para que eu me sentisse em casa, oferecendo água, frutas, iogurte, etc..

Algumas fotos do percurso desse dia:


Rodovia bela, mas, praticamente, sem acostamento.


Sob as bençãos divinas, depois de 11 quilômetros, adentrando em terra.


Depois de caminhar 12 quilômetros, reencontro com os totens da Estrada Real.


Roteiro belíssimo..


Nessa bifurcação, o CRER adentra à direita.


Calor e sol forte, caminho arejado.


Sombra e silêncio, tudo o que o peregrino deseja.


Um renque de eucaliptos me escolta nesse trecho.


Ao fundo a maravilhosa Serra de São José.


Trecho arejado. Ao fundo, do lado direito,
 a Serra de São José.


Igreja de Nossa Senhora das Graças, nesse local, desde 1956.


Quase chegando, a Serra de São José permanece do lado direito.

Mais à tarde, assim que o sol abrandou, retornei ao centro de Prados para um necessário “tour”, visto que o "Presépio de Minas", como é cognominada, evoca não só beleza, mas tradição e poesia, guardadas em suas tortuosas e estreitas ruas. 


Casarões de Prados/MG.

Há também um valioso acervo histórico-cultural, composto por monumentos religiosos e civis que remontam à época colonial.

Segundo a história, o povoado que originou a atual cidade surgiu em princípios do séc. XVIII, em decorrência da atividade de mineração desenvolvida naquela área.

Segundo a tradição, data de 1.704 a fixação na localidade de membros da família Prado, de Taubaté, que iniciaram ali a exploração de ouro.

Com o esgotamento das jazidas auríferas na região, o arraial de Prados buscou uma alternativa econômica na instalação de pequenas indústrias, cujo desenvolvimento transformou a localidade num importante centro mineiro de exploração industrial e artesanal do couro.

Reconhecida como importante núcleo de estudo da música setecentista, com trabalhos sobre os mais expressivos compositores do período colonial, especialmente Manoel Dias de Oliveira, a mocidade dedica-se às variadas atividades da Lira Ceciliana, fundada em 1858. 


A igreja matriz de Prados/MG, cuja padroeira é Nossa Senhora da Conceição.

A corporação, composta por orquestra, banda, coral e escola de música, realiza anualmente o Festival de Música de Prados, em parceria com a Universidade de São Paulo - USP, numa demonstração viva da importância que a comunidade dá a suas raízes históricas.

Ainda que de maneira rápida, pude visitar a igreja matriz de Nossa Senhora da Conceição, uma admirável construção da segunda metade do século XVIII, tombada pelo IPHAN, cuja portada é trabalhada em gnaisse, com volutas, figuras concheadas e decoração fitomorfa.

No nicho, está a imagem da padroeira.

Em seguida, subi até o alto do Fórum e da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, uma belíssima edificação que se destaca na paisagem urbana, por sua cor marcante, bem como pelo seu insólito frontispício.

Depois, prossegui atravessando por ruas históricas, de casario conservado, onde dominam o branco e o azul. 


Ao longe, a igreja de Nossa Senhora da Penha.

Na rua Coronel José Manuel, segundo me informou um morador local, existe um casarão que pertenceu a Inácio Pamplona, um dos traidores da conjuração mineira.

De se lembrar, que Estevão Ribeiro de Resende, O Marquês de Valença, nasceu em Prados, assim como os inconfidentes José de Resende Costa Pai e José de Resende Costa Filho.

Por sinal, os primeiros passos do movimento da Inconfidência Mineira aconteceram nessa cidade.

População atual: 9.100 pessoas.

Altitude: 979 m.


Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, em 
Prados/MG.

RESUMO DO DIA:

Tempo gasto, computado desde a Pousada das Vertentes, em Lagoa Dourada/MG, até o Apart Hotel Água Limpa, em Prados/MG: Aproximadamente, 6 h 30 min.

Pernoite no Apart Hotel Água Limpa - Apartamento excelente! O melhor dessa jornada! O Sr. Renato e a Dona Teresa recebem muito bem os seus hóspedes. Recomendo, com louvor!

Almoço na Restaurante Gauchão - Ótimo! – Preço: R$l5,00 o “prato feito”.


IMPRESSÃO PESSOAL: Uma etapa de razoável extensão, que entremeia os 11 quilômetros iniciais em piso asfáltico com o restante por estradas bem delineadas. Porém, com duros acidentes altimétricos a serem sobrelevados. Nesse trajeto o caminhante tem a companhia de belas paisagens de serras, ar puro e estradas de terra largas, dotadas de excelente piso. No global, a partir do 11º quilômetro, um percurso agradável, com trânsito por locais silenciosos, ermos e arborizados.