Home‎ > ‎Crer - MG‎ > ‎

1º dia - CAETÉ / MORRO DA PIEDADE / CAETÉ – 16 quilômetros


1º dia - CAETÉ / MORRO DA PIEDADE / CAETÉ – 16 quilômetros

Estou cansado, no final da estrada. Mesmo assim, vejo com alegria o que fiz, sem me intimidar com a opinião dos outros.(Arthur Schopenhauer)




Bem, eu aportei à cidade de Caeté numa terça-feira de manhã, me sentindo muito leve e confortável, mesmo após a longa viagem rodoviária que enfrentara.

Dessa forma, resolvi antecipar minha programação e conhecer o Santuário de Nossa Senhora da Piedade naquele mesmo dia.

Assim, após um relaxante banho, vesti botas e o traje de caminhada, depois adentrei num táxi que, por R$50,00, me levou ao alto do Morro da Piedade.


Santuário de Nossa Senhora da Piedade, nesse dia, sob intensa bruma.

Fazia muito frio no local e uma espessa névoa cobria todo o ambiente; afinal, eu estava a 1746 m de altitude.

Calmamente visitei todo o complexo ali existente, bem como o templo dedicado à padroeira do Estado de Minas Gerais.

Depois, fiz fotos e observei atentamente o entorno que, com certeza, em dias ensolarados deve ser maravilhoso, por proporcionar vistas infindas do horizonte, em 360 graus.

Aproveitei, ainda, para rogar proteção a Virgem Maria, em face da jornada que encetaria na sequência.


Pronto para partir a pé!

Findas as preces, me preparei para retornar a pé.



MAGNÍFICA ARQUITETURA DIVINA


“O meu olhar é nítido como um girassol, tenho o costume de andar pelas estradas, olhando para a direita e para a esquerda, e, de vez em quando, olhando para trás. E o que vejo é aquilo que nunca tinha visto, e assim sinto-me nascido a cada momento.”

O Santuário Nossa Senhora da Piedade, localizado a 48 km da capital mineira e a 16 km do município de Caeté, é um cenário de riquíssima beleza natural, no alto da montanha, a 1746 metros de altitude. Ideal para a reflexão, oração e o encontro com Deus, o Santuário que abriga a Padroeira de Minas Gerais é propício para quem busca a tranquilidade e a beleza da natureza.

Do alto do Santuário, em dias claros, é possível ter uma das mais belas vistas das montanhas de Minas. São 360 graus de panorama, com mil e uma facetas da beleza que só a mãe natureza oferece de maneira tão generosa, inspirando a conduta humana.

Em dias mais frios e nublados, o espetáculo é ainda mais bonito. Do topo da Serra da Piedade descortina-se uma deslumbrante paisagem do verde das matas subindo e descendo montanhas, de onde avista-se também nove cidades: Belo Horizonte, Caeté, Contagem, Lagoa Santa, Nova União, Raposos, Sabará, Santa Luzia e Vespasiano.

O início de tudo.

Os fidalgos portugueses Antônio da Silva Bracarena e Irmão Lourenço, fundador do Colégio do Caraça, chegaram por volta do século XVIII e construíram na Serra da Piedade um rústico eremitério e, ao lado, uma igreja dedicada à Nossa Senhora, Santa pela qual tinham grande devoção. 


Portaria do Santuário de Nossa Senhora da Piedade.

Venerada há mais de dois séculos, a Santíssima Virgem Maria foi decretada pelo Papa João XXIII, por meio das Letras Apostólicas "Haeret animia" de 20 de novembro de 1958, Padroeira do Estado de Minas Gerais.

Para solenizar fato de tamanha importância, chegou à capital mineira, em 14 de maio do mesmo ano, a imagem que se cultua até hoje na Serra da Piedade.

Em 1956, o Conjunto Arquitetônico e Paisagístico do Santuário Nossa Senhora da Piedade foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - Iphan (processo de nº 526-T-55; Inscrição nº316, Livro Histórico, folha 53; Inscrição nº 16, Livro Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico, folha 04, de 26 de setembro de 1956).

O Papa João XXIII proclama Nossa Senhora da Piedade Padroeira do Estado de Minas Gerais, em 1958.

Em 31 de julho de 1960 é realizada na Praça da Liberdade uma festa maravilhosa para a solene consagração do Estado de Minas Gerais a Nossa Senhora da Piedade. Esta consagração valoriza ainda mais o Santuário, consolidado na sua importância e tradição do seu jubileu e suas romarias. O Santuário é elevado à condição de Santuário Estadual de Minas Gerais. Lá está a imagem de Nossa Senhora da Piedade, do século XVIII, de Antônio Francisco Lisboa (Aleijadinho), magnífica e inspiradora, abençoando Minas e seus peregrinos.

Fatos importantes marcam o ano de 2004: o governador do Estado sanciona a Lei nº 15.178/04, em 16 de junho, que define os limites de conservação da Serra da Piedade - de acordo com diretrizes do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha), considerada Área de Proteção Ambiental, em cumprimento do disposto no § 1º. do Art. 84 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição do Estado de Minas Gerais.

250 anos de Peregrinação na fé

Em 2017, o Santuário Nossa Senhora da Piedade completa 250 anos dessa bonita e profunda religiosidade. Uma data importante que vai reunir o povo de Deus em grandes celebrações. Uma programação especial será realizada neste ambiente de belezas naturais, ricas histórias e muita fé. É o lugar de peregrinação dos pobres, dos devotos, acolhendo todos.

Fonte: http://www.santuarionsdapiedade.org.br


Portaria do Santuário de Nossa Senhora da Piedade.

Segui por um descenso do cume do morro até a Portaria do Santuário que tem a extensão de aproximadamente 5 quilômetros, sempre em ríspida declividade, e me custou uma hora de caminhada.

A sequência foi pela rodovia MG-435, que liga Belo Horizonte a Caeté, uma estrada extremamente perigosa, pois apresenta expressivo tráfego de veículos e não possui acostamento e nem locais de escape.

Prossegui sempre em rápido descenso, enfrentando curvas fechadas e declives fortes.

Foram mais 11 quilômetros até o Hotel GT, onde eu estava hospedado, percurso que levei, aproximadamente, duas horas e 15 minutos.

Depois de outro refrescante banho saí para almoçar e, para tanto, utilizei os serviços do Restaurante Marina, de excelente qualidade.

Ali paguei R$26,90 pelo quilo da refeição servida no sistema self-service.


Praça central da cidade de Caeté/MG

A cidade de Caeté está situada na Região Metropolitana de Belo Horizonte, a 60 quilômetros da capital mineira.

Sua história teve início no ciclo do ouro, guardando importantes episódios, como a guerra civil dos Emboabas, disputa entre paulistas e portugueses que almejavam a posse das minas.

Compondo a paisagem do município, está a Serra da Piedade, importantíssimo marco histórico, religioso, paisagístico e turístico, hoje patrimônio natural do Estado.

Cercada pelas serras e densa vegetação, Caeté proporciona um clima aprazível para se viver e para a prática de atividades de ecoturismo e turismo de aventura, tendo grande tradição no arvorismo.

Foi citada pela Revista Veja como um dos nove principais destinos do Brasil para a prática de esportes radicais.

População atual: 41 mil habitantes.

Altitude: 980 metros.


Igreja matriz de Caeté/MG.

À tarde, aproveitei para conhecer a magnífica igreja matriz da cidade, cuja padroeira é Nossa Senhora do Bonsucesso.

Trata-se de um templo de grandes proporções, possuindo um elevado pé direito e uma abundante iluminação natural.

Além do elegante altar mór, há oito altares laterais, todos bastante harmônicos e com características de transição do barroco para o rococó.

Paulo Kruger Mourão destaca a presença de arcos interrompidos em alguns desses altares, uma característica pouco usual em outras igrejas de Minas. 


Igreja matriz de Caeté/MG, de outro ângulo.

Não há documentação acerca da autoria desses altares, e o mencionado autor indica que dois deles possuem características da escola do Aleijadinho.

Igualmente, não há informações de autoria acerca da pintura em perspectiva que ornamenta o forro da nave.

No ano de 1790, a igreja passou por uma outra grande reforma, visto que parte dela ameaçava ruir.

Foi nessa ocasião que foram construídos o frontão, o portal, bem como a parte superior das torres, que, segundo German Bazin, provavelmente são menores do que as originalmente previstas.


Igreja de Nossa Senhora do Rosário, em Caeté/MG.

Pude ainda fotografar a igreja de Nossa Senhora do Rosário, de cujo átrio se descortina uma vista panorâmica ímpar da cidade.

Além disso, o templo tem a peculiaridade de abrigar dois cemitérios, concomitantes, sendo o do adro da igreja, o paroquial, e no intramuros, o municipal.

Localizado em sua rampa frontal, defronte à porta principal, está o Mausoléu da importante família caeteense do Dr. João Pinheiro.


Vista da cidade de Caeté/MG desde o morro onde foi erigida a igreja de Nossa Senhora do Rosário.

À noite, já nos meus aposentos, depois de ingerir um frugal lanche, me preparei para a jornada que encetaria do dia sequente.

Ante de me deitar, contudo, como sempre faço ao iniciar um novo Caminho, rezei assim:

Santíssima e Imaculada Virgem Maria, Mãe da Piedade, Padroeira e Senhora nossa, recorro a vossa proteção e a vós consagro minha vida de discípulo missionário. Em vosso coração, Mãe Compassiva, deposito agora, confiante, minhas súplicas e necessidades. Alcançai-me o que vos peço, guardai-me na paz, livre de perigos e ciladas, comprometido com a justiça, exemplar na solidariedade, para que o mundo creia e se abra ao amor de Deus, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém!


Nossa Senhora da Piedade, rogai por nós! Altar da igreja matriz do Santuário.

RESUMO DO DIA:

Tempo gasto, computado desde o Santuário da Piedade, localizado no morro homônimo, em Caeté/MG, até o Hotel GT, localizado na cidade de Caeté/MG: 3 h 15 min.

Pernoite no Hotel GT - Apartamento individual confortável e com atendimento pessoal diferenciado. Recomendo!

Almoço no Restaurante Marina - Excelente! – Preço: R$26,90 o kg, no sistema self-service.


IMPRESSÃO PESSOAL: Uma etapa de pequena extensão e sem maiores dificuldades altimétricas, porquanto cumprida sempre em descenso. No entanto, o trânsito pela MG-435 mostrou-se perigoso e não recomendável, porque essa rodovia não possui acostamento ou locais de escape. Além disso, toda a caminhada desse dia foi feita em piso duro. Uma opção interessante seria descer o Morro da Piedade até a sua Portaria, depois tomar um ônibus até a cidade de Caeté, já que os horários disponibilizados são fartos durante o dia.