Home‎ > ‎Crer / MG - 3ª Parte‎ > ‎

03º dia: CAPELA DO SACO a CARRANCAS – 29 quilômetros


03º dia: CAPELA DO SACO a CARRANCAS – 29 quilômetros

Se andas com a pessoa certa, qualquer caminho te leva à felicidade.”(Giorgia Stella)




Saída às 5 h, depois de ingerir cheiroso café gentilmente oferecido pela Kátia, dona da Pousada.

Nesse percurso, os trajetos do CRER e da Estrada Real são coincidentes.

O trecho inicial é plano e aberto, com amplas visões do entorno.

Nesse intermeio, fui ladeado por plantações de milho e soja, além de imensas pastagens.

O problema maior está no roteiro extremamente solitário, pois não há habitações à beira do caminho.

Assim, necessário se prover de água, pois não será possível obtê-la no trajeto, já que não há povoados no percurso.

Depois de vencer 19 quilômetros, há que se vencer a serra de Carrancas, de razoável extensão.

O descenso pelo lado oposto, também representa outro problema, pois deve ser trilhado com muita paciência, sob o risco de uma queda espetacular.

Algumas fotos do percurso desse dia:


Muita nebulosidade no início da jornada.


Estrada plana no início, mas com muita areia no piso.


Lentamente, o dia nasce...


Um grande eucaliptal nesse trecho.


Caminhando em campo aberto...


A Serra de Carrancas, à esquerda.


Caminhando em direção à serra..


Vista desde o cume da serra de Carrancas.


Caminho plano no alto da serra. Mas, com muita areia no piso.


Descendendo em direção à cidade de Carrancas.


Local onde almocei nesse dia. Recomendo!

Carrancas: diz a lenda que as catas, formadas pelas escavações em busca de pedras preciosas, vistas de longe, pareciam caras feias. Daí, o nome da cidade.

O município tem sido cada vez mais procurado por praticantes de ecoturismo por causa de suas cachoeiras e serras. O Complexo da Zilda, com várias passagens por rios e cachoeiras é o local mais visitado.

A região foi desbravada pelos taubateanos João de Toledo Piza Castelhanos, seu irmão, o Padre Lourenço de Toledo Taques, e seus genros Salvador Corrêa Bocarro, Miguel Pires Barreto e José da Costa Moraes.

Data de sua descoberta 1718, ano em que os mesmos teriam aí fixado residência, às margens do Rio Grande.

Mais tarde, o povoado viria a ser denominado Nossa Senhora do Rio Grande.

A Igreja Matriz foi construída em 1720 e em seu interior possui pinturas de Mestre Joaquim José da Natividade, discípulo de Aleijadinho.

O Município de Carrancas está se tornando um verdadeiro polo turístico em Minas Gerais, porquanto abriga uma grande variedades de cachoeiras, poços, grutas e serras, tendo sido eleita em 2008 pela Revista Encontro de Belo Horizonte, a 4ª (quarta) Maravilha de Minas Gerais.

Atualmente, ela tem sido utilizada pela Rede Globo como cenário para várias novelas da emissora com, por exemplo: Alma Gêmea (2004), Paraíso (2009), Amor Eterno Amor (2012), Império (2014).

Por isso mesmo, tem sido muito procurada por turistas paulistas e cariocas, e por aqueles que buscam por um local que oferece um saudável turismo ecológico, localizado longe das grandes metrópoles.

A nascente do Rio Capivari está na Serra de Carrancas, acoplado ao Complexo da Zilda (com cachoeiras, escorregador natural e gruta).

Este complexo ecológico consta nas áreas prioritárias para conservação da Fundação Biodiversitas e está no ecótono Mata Atlântica/Cerrado.

A cidade possui aproximadamente 70 cachoeiras e sua população atual é constituída de 4 mil almas.

Fonte: Wikipédia


A belíssima igreja matriz de Carrancas.

AVALIAÇÃO PESSOAL – Uma etapa de média extensão, bastante agradável em sua primeira parte, contudo, extremamente exigente quando da escalada da íngreme Serra de Carrancas. O caminho não apresenta grandes dificuldades até o 19º quilômetro, sendo ladeado por bucólicas paisagens, fazendas de gado leiteiro e imensas culturas agrícolas. Porém, a falta de água nesse trajeto pode se tornar um grande empecilho, pois não existem casas localizadas à beira da estrada. O percurso em direção ao topo de montanha é bastante desgastante, conquanto, profundamente belo, pela visão que se descortina à medida que ascendemos ao cume. No geral, uma etapa bastante cansativa, agravada pelo fato do sol crestar sem piedade depois das 10 horas, naquela memorável segunda-feira.


RESUMO DO DIA:

Tempo gasto, computado desde a Pousada Reis, em Capela do Saco/MG, até a Pousada Carrancas, em Carrancas/MG: 6 h 30 min;

Clima: frio e nublado de manhã; depois das 10 horas, calor e sol forte até quase o final da jornada.

Pernoite na Pousada Carrancas: Apartamento individual: Excelente – Preço: R$70,00.

Almoço no Restaurante do Fofão: Excelente! – Preço: R$16,00, pode-se comer à vontade no self-service.