Home‎ > ‎Resenhas Pessoais‎ > ‎

DATA HISTÓRICA: 05/05/2005

CINQUENTA ANOS ATRÁS – UMA HISTÓRIA REAL

 

Corria o ano de 1955.

O Brasil ainda se encontrava cambaleante, estupefato, ante o suicídio de Getúlio Vargas ocorrido em 24/08/1954.

Na sequência, assumiu Café Filho, mas o Congresso em 08/11/1955 declara o seu impedimento.


Juscelino Kubitschek e a construção de Brasília - 1958

Carlos Luz e depois Nereu Ramos ocupam sua vaga até a posse de Juscelino Kubitschek, ocorrida em 31/01/1956.

 

Dia 05/05/1955 - Quinta-Feira:


Era maio, o tempo estava frio e chuvoso.

A cena se passa na Fazenda São José, localizada no quilômetro 10 (Bairro Paineiras), da Rodovia Itu - Porto Feliz.

Dois irmãos roceiros que haviam cursado até o 2º ano primário, apenas, colhiam café próximo a um pequeno bosque

André, com 24 anos, era imaturo e ainda não sabia o que queria da vida.

Somente arquitetava um plano: permanecer solteiro.

Já Francisco, 26 anos, era casado há 6 anos, dava asas ao pensamento, sabia que aquela rotina bruta não o levaria a lugar algum.


             Meu avô José Buzzo, nascido em Treviso (Vêneto/Itália), marco inicial da família Buzzo no Brasil.

Por isso, acalentava ideias inovadoras para seu futuro, buscar novas alternativas de trabalho, como mudar de emprego, conseguir salário mais elevado, pois aquele que recebia de seu pai José, o proprietário do sítio, mal dava para alimentar seus 4 filhos.

E, existia mais um a caminho.

Urgia, portanto, encontrar uma solução, então, ele a tomou naquele dia.

Resolveu partir rumo à cidade, a fim de dar oportunidade aos filhos para estudar, pois não queria vê-los ter que enfrentar diariamente, a mesma vida insípida e dura que levava.

Então, fanático por cálculos, Francisco chamou a atenção de seu irmão para o dia, pródigo de números 5.

Para eternizá-lo, com um canivete, gravou numa árvore próxima, a histórica data: 05/05/55.

Depois, com paciência e expectativa aguardou o nascimento de sua filha Lúcia, (14/11/1955), e no início de 1956, aproveitando os ventos ufanistas que sopravam pós a posse de Juscelino, partiu para Itu, indo morar na casa de seu tio Davi. 


EMAS (Indústria Metalúrgica Abrasivos Salto), vista parcial de suas instalações, em 1960.

Após concorrer em algumas provas com testes de habilidade, foi aprovado e começou a trabalhar na EMAS (Indústria Metalúrgica Abrasivos Salto), empresa localizada em Salto/SP, e que pertencia à CARBORUNDUM DO BRASIL S/A.

Nesse ínterim, somente podia visitar os filhos e a esposa aos domingos, dia de sua folga, quando, então, se locomovia da cidade para o sítio.

Em setembro de 1957, após uma promoção, conseguindo auferir recursos para arcar com razoável aluguel, pode trazer a família para morar na urbe.


Meus pais, Rosa Buzzo e Francisco Buzzo, foto do dia do casamento: 02/10/1948.

Finalmente, em 15 de agosto de 1965 comprou casa, e pode reunir todos em imóvel próprio, no mesmo endereço em que reside até hoje: Rua Cleto Fanchini, 259 – Vila Cleto - ITU/SP

Foram 34 anos ininterruptos de trabalho sob intensa insalubridade, que lhe valeram a merecida aposentadoria em 1990.

Caboclo forte e sacudido, foi galgando os postos mais altos inerentes à sua profissão até chegar à Chefe de Turno, função na qual se aposentou.

Durante esse tempo todo, apesar dos inúmeros afazeres domésticos e profissionais, procurou estudar e progredir intelectualmente.

Assim é que, após cursar a Escola de Madureza, conseguiu terminar o primário e depois, sucessivamente, o Ginásio (hoje, 8ª série) e o Colegial.


Dia 05/05/2005 - Quinta-Feira:


CINQUENTA (50) anos se passaram.

Com a ajuda de sua esposa Rosa, Francisco sempre incentivou seus 8 filhos a estudar e todos concluíram o 3º Colegial.

Alguns fizeram Universidade e conseguiram o diploma.


Família reunida em outubro de 1973, Bodas de Prata do casal, pela ordem: Francisco, Marcos (caçula), Rosa ("in memoriam"), Zilda, Oswaldo, Isabel, Roberto, Lúcia, Márcia e Neusa

Todos, sem exceção, trabalham em serviços burocráticos, dos quais, alguns já se aposentaram.


2002 - Os netos, da esquerda para a direita: Gabriel, Luis Paulo, João Guilherme, José Francisco, André Vinícius e André Vitor.

De seus 12 netos, alguns, também, já se formaram e exercem profissões de: Engenheiro, Dentista, Farmacêutico e Administrador em Hotelaria.


2002 - As netas, da esquerda para a direita: Isabella, Maria Rosa, Simone Cristina, Taís e Silvia Renata. Em primeiro plano, o Gabriel.

Os outros seguem o mesmo caminho, o que comprova o bom exemplo vindo dos antecedentes (avós, bisavós), e a máxima: “Da boa semente, nasce o bom fruto”.

Francisco, hoje com 77 anos, esbanja lucidez e otimismo. 

Há décadas cultiva três hábitos diários: ler muito, caminhar ao menos 5 quilômetros, e confiar em Deus.


1995 - Próximo do Champs-Élysées, Paris/França, tendo ao fundo, a torre Eiffel.

Seu “hobby” preferido é viajar, apesar dos parcos recursos que recebe de sua aposentadoria do INSS.


1995 - Na Piazza San Piedro, em Roma/Vaticano/Itália, tendo ao fundo a Basílica de São Pedro.

Entretanto, com a ajuda dos filhos, conseguiu conhecer vários países da Europa, incluindo Grécia e Turquia e, ainda, o Egito e Israel, em 1997, onde teve a oportunidade de visitar os lugares sagrados em que Jesus viveu.


1997 - Cairo, Egito, defronte às Pirâmides de Quéfren, Gizé e Miquerinos.


1997 - Em Israel, na chegada à Jerusalém (ao fundo).

Na América do Sul já foi ao Uruguai, ao Paraguai e à Argentina.


1997 - Na Plaza de Mayo, defronte à Casa Rosada, em Buenos Aires, Argentina.

No Brasil, praticamente já viajou e conheceu todas as regiões do país.


2004 - Em Porto Seguro, Bahia, papai finalmente tomou seu primeiro banho de mar.

Em suma, hoje é um dia para se recordar, pois se trata de uma data que merece ser rememorada, para resgatar o momento da histórica decisão.

Afinal, que seria de mim, de nós, sem ela?


Pirapora - Ano 1.962 - Meu pai Francisco é o 2º e meu tio André o 4º, em pé, da esquerda para a direita.

Porque os personagens desta história: Francisco (Buzzo-16/09/1927) é meu pai, e André (Buzzo-30/11/1930) é, além de seu irmão, meu padrinho de crisma, e foi quem me contou essa história há exatos 20 anos.


Pirapora - Ano 1.965 - Tico, meu tio Luíz, Moacir, Cornélio e meu tio André

E, que ficou latente em minha memória para ser difundida à posteridade.

Assim, antes de comemorar o “Dia das Mães”, um efusivo: OBRIGADO PAPAI!! 

(Campinas/SP, 05/05/2005 - escrito por Oswaldo Buzzo)


Dia 05/05/2015 - Quinta-Feira:


Enquanto essa data não chega, vejamos como estão os irmãos hoje, outubro/2013:


Meu tio e padrinho André Buzzo, aos 83 anos, ladeado pelos filhos Juliano e Andreia.


Meu pai Francisco Buzzo, ao completar 86 anos, em setembro de 2013.


SOB AS BENÇÃOS DIVINAS, VIDA LONGA AOS DOIS IRMÃOS!