Home‎ > ‎Partidas de Xadrez‎ > ‎

CAPABLANCA EM SPASSKI


CAPABLANCA EM SPASSKI

MI Nelson Pinal Borges

Em meu artigo anterior - Uma jogada insólita - assinalava algumas semelhanças entre a personalidade enxadrística de Boris Spasski e a de José R. Capablanca. Logicamente, dita semelhança também se reflete em parte no estilo de ambos ex-campeões mundiais.

Pois recentemente, numa conversa via chat com o ex-campeão mundial Anatoly Karpov, este assinalava duas coisas muito interessantes. Primeira: que sua formação enxadrística foi influenciada fundamentalmente por Capablanca. Segunda: que admirava o estilo do Spasski dos anos 1965-76. 

Com um pouco de imaginação, poder-se-ia afirmar que, a partir das respostas de Karpov, também se chega à afirmação expressa no parágrafo inicial sobre as personalidades enxadrísticas e o estilo do genial cubano e do extraordinário russo.

Por outra parte, é gratificante recordar que, ao celebrar-se em Havana em 1962 o primeiro Torneio Capablanca in Memoriam, Boris Spasski manifestou que em homenagem a Capablanca trataria de jogar o evento no estilo do cubano. Dito e feito, Spasski cumpriu sua palavra; jogando excelentes partidas com um alto conceito posicional e explorando pequenas vantagens, conseguiu o segundo lugar invicto, somente a meio ponto do lendário Miguel Najdorf, que terminou em primeiro, à frente dos Grandes Mestres, L. Polugaevsky, S. Gligoric, V. Smislov, B. Ivkov e L. Pachman, entre outros. 

Ou seja, em Havana/62 Spasski reviveu um Xadrez ao estilo de Capablanca! 

Para ilustrar algo do Xadrez capablanquino de Spasski, mostro-lhes duas partidas; uma de Spasski contra o GM Holandês J. H. Donner e outra do próprio Capablanca contra o mestre N. Tanaroff. 

Na primeira, vemos como o russo explora com grande simplicidade uma pequena vantagem posicional -melhor bispo, vantagem de espaço e melhor estrutura de peões - que gradualmente foi aumentando até conseguir o triunfo mediante um detalhe tático.

Na segunda partida, um trabalho similar de Capablanca que termina com uma formosa combinação digna dos melhores tratados de tática enxadrística.

Espero que desfrutem de ambas produções, comparem as duas partidas, apreciem as semelhanças das mesmas... E sem dúvida, o estilo dos dois talentosos ex-campeões mundiais.



Partida Nº.1. 
B. Spasski  x  J. H. Donner  -  Leiden, 1970.

Defesa Francesa


1.e4 e6, 2.d4 d5, 3.Cc3 Cf6, 4.Bg5 de, 5.Ce4 Be7, 6.Bf6 Bf6, 7.Cf3 Bd7, 8.Dd2 Bc6, 9.Cf6+ Df6, 10.Ce5 00, 11.0-O-O Td8, 12.De3 Be8, 13.g3! Cd7, 14.Bg2 c6, 15.f4 De7, 16.h4 f6?!, 17.Cf3! Bh5, 18.Bh3 Bf3, 19.Df3 Cf8, 20.The1 Df7, 21.Bf1!! Td6, 22.Bc4 Tad8, 23.f5 Td4, 24.fe Td1+, 25.Td1 Td1+, 26.Dd1 De7, 1-0.



Partida Nº.2.
 J.R. Capablanca  x  N.Tarnoff  -  New York, 1910.

Abertura Espanhola


1.e4 e5, 2.Cf3 Cc6, 3.d4 d6, 4.Cc3 Cf6, 5.Bb5 Bd7, 6.0-0 Be7, 7.Te1 de, 8.Cd4 Cd4, 9.Dd4 Bb5, 10.Cb5 00, 11.Dc3! c6?, 12.Cd4 Cd7, 13.Cf5 Bf6, 14.Dg3 Ce5, 15.Bf4 Dc7, 16.Tad1 Tad8, 17.Td6!! Td6, 18.Be5 Td1, 19.Td1 Be5, 20.Ch6 Rh8, 21.De5 De5, 22.Cf7!! 1-0.


Fonte: http://www.torre21.com/