Home‎ > ‎

Rota das Malhas - MG


2019 – CIRCUITO DAS MALHAS – (JACUTINGA/MG) – ROTA Nº 06 – 24 QUILÔMETROS

Viajar! O máximo que puder! Tanto quanto você puder! Enquanto você puder! A vida não é para ser vivida em um só lugar!” 




Estando em Jacutinga/MG a passeio e lazer, o Vinícius e eu, depois de peregrinar em direção ao Santuário de Santa Luzia, localizado na cidade de Espírito Santo do Pinhal/SP, resolvemos encerrar nossa vivência nessa simpática cidade mineira percorrendo mais um trajeto inédito.

Dentre as opções que tínhamos, uma ganhou prioridade: conhecer uma das Rotas que faz parte do Circuito das Malhas.

Isto decidido, passamos a analisar o traçado a ser percorrido e entre os vários itinerários sinalizados, selecionamos 3 possibilidades, mas deixamos para decidir tudo na manhã seguinte, visto que o clima mudara, repentinamente, e havia previsão de muita chuva para aquela noite. 


Caminhando entre verdes pastagens... uma benção!


TURISMO DE AVENTURA COM A ROTA DAS MALHAS


Lançada, oficialmente, em 10 de junho de 2017, a Rota das Malhas tem traçados que abrangem toda a extensão do município.

São mais de 800 quilômetros de trilhas e roteiros, que podem ser percorridos a pé ou de bicicleta, variando em diversos níveis de dificuldade e extensão.

Este atrativo, tem por finalidade divulgar a linda região de Jacutinga, mostrando toda sua diversidade em fauna e flora, bem como levar os turistas e visitantes diretamente aos produtores rurais, identificados pela Prefeitura Municipal da cidade.

Um roteiro, em especial, o da "Rota da Revolução de 32" dá direito ao caminhante ou ciclista de receber um lindo certificado, totalmente gratuito, bastando o interessado deixar seu nome na Secretaria de Turismo, antes de iniciar o percurso.

Fonte: https://www.jacutinga.mg.gov.br/



A NOSSA CAMINHADA


Inicialmente, optamos por percorrer um circuito cuja extensão estivesse ao redor de 30 quilômetros e nesse perfil, tanto a Rota nº 07 ou mesmo a de nº 09, nominada Paredão, se encaixavam bem aos nossos desígnios.

Ocorre que chovera na noite toda e como a meteorologia previa que a intempérie prosseguiria, antes de partirmos para a aventura, optamos em trilhar um percurso de menor amplitude.

Desse modo, após analisarmos com calma as alternativas, nossa escolha recaiu sobre a Rota nº 06, e creio ter sido uma eleição feliz, pois eu, pessoalmente, gostei muito do trajeto.

Partimos às 5 h, depois de ingerir um supimpa café da manhã que, gentilmente, o porteiro noturno do hotel nos preparou.

O clima estava frio, céu escuro e caia uma sutilíssima garoa quando deixamos o local de pernoite e acessamos a rua Barão do Rio Branco, pela qual seguimos firmes e animados em direção à saída da cidade.

O trajeto inicial da Rota nº 06 coincide com o traçado do Caminho do Monsenhor Alderigi, que eu havia percorrido recentemente, então, transitamos sem quaisquer dúvidas ou dificuldades nesse trecho inaugural, sempre entre imensos campos de pastagem, onde a natureza reverberava agradecida, face à tromba d'água que caíra na madrugada.

Em determinado local, próximo ao bairro do Sapé, a garoa intensificou-se e precisamos vestir nossas capas protetoras, felizmente, por pouco tempo, pois logo os chuviscos cessaram, o céu clareou e, a partir daí, prosseguimos sem maiores preocupações quanto ao quesito clima.

Percorridos 8 quilômetros por uma larga e plana estrada de terra, adentramos à direita numa bifurcação, depois, prosseguimos em tresloucado descenso, com a máxima atenção, porque o piso se encontrava extremamente liso e embarreado.

Porém, esse tramo se revelou estupendo, face ao silêncio e a ermosidade do trajeto.

Mil e quinhentos metros adiante, fletimos à direita, contornamos uma grande área reflorestada por eucaliptos e, percorridos 14 quilômetros, nós ultrapassamos a rodovia MG-290, que liga Jacutinga a Ouro Fino, depois, adentramos à direita.

Já do outro lado, seguimos um bom tempo e, em contínuo ascenso, pelo interior de um silencioso e hidratado bosque de eucaliptos e, finalmente, atingimos o topo do morro, situado a 855 m de altitude, sendo que, olhando em frente e ao longe, podíamos visualizar o estupendo pico da Forquilha, um dos nossos objetivos futuros.

Completados 17 quilômetros, com o sol brilhando no céu e aquecendo o ambiente, desaguamos no roteiro do Caminho da Prece e prosseguimos no sentido inverso, na direção ao seu marco inicial, a partir do bairro Várzea da Forquilha.

Sem grandes novidades nesse trecho, meu velho conhecido, pois nele já transitara em 8 oportunidades, seguimos em direção à cidade de Jacutinga, onde aportamos depois de caminhar 5 horas, por locais de expressiva beleza, onde a natureza resplandecia magnífica, em virtude das chuvas recentes.

E, novamente, tive o prazer e a alegria de caminhar ao lado do Vinícius, dileto amigo peregrino, a quem agradeço pela prestatividade e valorosa companhia.

Algumas fotos do percurso desse dia:


Caminho molhado, face às chuvas recentes.... céu plúmbeo.


Clima frio, maravilhoso para caminhar.


Muito verde, clima fresco, que mais desejar?


Entorno verde, em todas as direções... gratidão meu Deus!


Nessa bifurcação, adentramos à direita.


Descenso forte e liso. Paisagens surreais..


Nesse trecho, o Vinícius segue firme à minha frente, ditando o compasso.


Ainda em descenso. Em frente e ao longe, frondoso bosque de eucaliptos, que iríamos rodear pela direita.


Em ascenso, pelo interior de outro maravilhoso e fresco bosque de eucaliptos.


Ao fundo e ao longe, o fantástico "Pico da Forquilha".


Em descenso... ainda, ao longe, o fabuloso "Pico da Forquilha".


Belíssima igrejinha, localizada do lado direito do Caminho da Prece.


Quase chegando... Jacutinga já aparece no horizonte, do lado direito.


Uma refrescante bica d'água, situada no 21º quilômetro do percurso.


Mãe Aparecida, gratidão pelo sucesso de mais essa feliz caminhada!


FINAL

"A própria Terra é um lugar encantador, com seus altos picos, lagos e rios, vales e planícies férteis. Mas, com o ritmo de vida que levamos hoje em dia, todos nós estamos sempre tomados por nossas atividades e compromissos. Quando temos tempo livre, focamos nossas mentes apenas na busca por diversão, boa comida ou merecidas horas de descanso e nos esquecemos de dirigir nosso olhar para a perfeição da criação de Deus." (Paramahamsa Prajnanananda)


TAO – A SABEDORIA DO SILÊNCIO INTERNO


Pense no que vai dizer antes de abrir a boca. Seja breve e preciso, já que cada vez que deixa sair uma palavra, deixa sair uma parte do seu Chi (energia). Assim, aprenderá a desenvolver a arte de falar sem perder energia.

Nunca faça promessas que não possa cumprir. Não se queixe, nem utilize palavras que projetem imagens negativas, porque se reproduzirá ao seu redor tudo o que tenha fabricado com as suas palavras carregadas de Chi.

Se não tem nada de bom, verdadeiro e útil a dizer, é melhor não dizer nada. Aprenda a ser como um espelho: observe e reflita a energia. O Universo é o melhor exemplo de um espelho que a natureza nos deu, porque aceita, sem condições, os nossos pensamentos, emoções, palavras e ações, e envia-nos o reflexo da nossa própria energia através das diferentes circunstâncias que se apresentam nas nossas vidas.

Se se identifica com o êxito, terá êxito. Se se identifica com o fracasso, terá fracasso. Assim, podemos observar que as circunstâncias que vivemos são simplesmente manifestações externas do conteúdo da nossa conversa interna. Aprenda a ser como o universo, escutando e refletindo a energia sem emoções densas e sem preconceitos.

Porque, sendo como um espelho, com o poder mental tranquilo e em silêncio, sem lhe dar oportunidade de se impor com as suas opiniões pessoais, e evitando reações emocionais excessivas, tem oportunidade de uma comunicação sincera e fluída.

Não se dê demasiada importância, e seja humilde, pois quanto mais se mostra superior, inteligente e prepotente, mais se torna prisioneiro da sua própria imagem e vive num mundo de tensão e ilusões. Seja discreto, preserve a sua vida íntima. Desta forma libertar-se-á da opinião dos outros e terá uma vida tranquila e benevolente invisível, misteriosa, indefinível, insondável como o TAO.

Não entre em competição com os demais, a terra que nos nutre dá-nos o necessário. Ajude o próximo a perceber as suas próprias virtudes e qualidades, a brilhar. O espírito competitivo faz com que o ego cresça e, inevitavelmente, crie conflitos. Tenha confiança em si mesmo. Preserve a sua paz interior, evitando entrar na provação e nas trapaças dos outros. Não se comprometa facilmente, agindo de maneira precipitada, sem ter consciência profunda da situação.

Tenha um momento de silêncio interno para considerar tudo que se apresenta e só então tome uma decisão. Assim desenvolverá a confiança em si mesmo e a Sabedoria. Se realmente há algo que não sabe, ou para que não tenha resposta, aceite o fato. Não saber é muito incômodo para o ego, porque ele gosta de saber tudo, ter sempre razão e dar a sua opinião muito pessoal. Mas, na realidade, o ego nada sabe, simplesmente faz acreditar que sabe.

Evite julgar ou criticar. O TAO é imparcial nos seus juízos: não critica ninguém, tem uma compaixão infinita e não conhece a dualidade. Cada vez que julga alguém, a única coisa que faz é expressar a sua opinião pessoal, e isso é uma perda de energia, é puro ruído. Julgar é uma maneira de esconder as nossas próprias fraquezas.

O Sábio tolera tudo sem dizer uma palavra. Tudo o que o incomoda nos outros é uma projeção do que não venceu em si mesmo. Deixe que cada um resolva os seus problemas e concentre a sua energia na sua própria vida. Ocupe-se de si mesmo, não se defenda. Quando tenta defender-se, está a dar demasiada importância às palavras dos outros, a dar mais força à agressão deles.

Se aceita não se defender, mostra que as opiniões dos demais não o afetam, que são simplesmente opiniões, e que não necessita de os convencer para ser feliz. O seu silêncio interno torna-o impassível. Faça uso regular do silêncio para educar o seu ego, que tem o mau costume de falar o tempo todo.

Pratique a arte de não falar. Tome algumas horas para se abster de falar. Este é um exercício excelente para conhecer e aprender o universo do TAO ilimitado, em vez de tentar explicar o que é o TAO. Progressivamente desenvolverá a arte de falar sem falar, e a sua verdadeira natureza interna substituirá a sua personalidade artificial, deixando aparecer a luz do seu coração e o poder da sabedoria do silêncio.

Graças a essa força, atrairá para si tudo o que necessita para a sua própria realização e completa libertação. Porém, tem que ter cuidado para que o ego não se infiltre… O Poder permanece quando o ego se mantém tranquilo e em silêncio. Se o ego se impõe e abusa desse Poder, este converter-se-á num veneno, que o envenenará rapidamente.

Fique em silêncio, cultive o seu próprio poder interno. Respeite a vida de tudo o que existe no mundo. Não force, manipule ou controle o próximo. Converta-se no seu próprio Mestre e deixe os demais serem o que têm a capacidade de ser. Por outras palavras, viva seguindo a via sagrada do TAO.

(Fonte: Texto Taoista) 


"Caminhar com bom tempo, numa terra bonita, sem pressa, e ter por fim da caminhada um objetivo agradável: eis, de todas as maneiras de viver, aquela que mais me agrada." (Jean-Jacques Rousseau)


EPÍLOGO..


Existem dois dias de cada semana com os quais não deveríamos nos preocupar; dois dias que deveriam estar livres de medo e apreensão.


Um deles é ontem, com seus erros e acertos, ferimentos e dores.


O ontem passou para sempre e não há nada que possamos fazer.


Todo o dinheiro do mundo não pode desfazer nem um só de nossos atos; não pode apagar uma única palavra que dissemos.


O ontem se foi.


O outro dia com que não deveríamos nos preocupar é amanhã, com suas exigências, promessas e problemas.


O amanhã também não está em nossas mãos.


Com isso, nos resta um único dia: hoje.


Qualquer pessoa pode batalhar por um dia.


Portanto, vamos viver um dia de cada vez!” 


(Richard Moore) 


Bom Caminho a todos! 

Dezembro/2019