Home‎ > ‎

Trekking em Campinas/SP


2020 – CAMPINAS a JOAQUIM EGÍDIO a CAMPINAS – 27 quilômetros

"Não espere, a vida passa mais rápido do que você pensa.



Eu aniversariava naquele dia, estava adentrando em nova idade, e para um peregrino contumaz, nada melhor do que comemorar minha efeméride praticando o que mais eu gosto: caminhar longas distâncias junto à natureza.

Dessa forma, convidei meu amigo Demétrius (Dedé), para um “trekking” de ida e volta até Joaquim Egídio, utilizando, para tanto e em determinados trechos, o antigo leito por onde trafegavam, primeiramente, os trens, depois, os bondes, que ligavam Campinas a esse simpático distrito, desde o final do século XIX até 1960, quando tal atividade foi encerrada.

Animados, partimos bem cedinho, e um pouco do que vivenciamos no trajeto, conto abaixo.


Um dos bondes que circulava em Campinas de antigamente...

HISTÓRIA DO RFC E DOS BONDES NA CIDADE DE CAMPINAS/SP


Fase 1 – Cia. Ramal Férreo Campineiro – 1889 a 1917

A fundação do Ramal Férreo Campineiro se deu nos anos finais do século 19, mais precisamente em 1889. Nesta época, em plena era de mudanças políticas radicais, o país ainda era eminentemente agrícola e no estado de São Paulo a cafeicultura era muito próspera e desenvolvida, atividade que crescia a cada ano. Pode-se medir o grande poder econômico que havia em torno do café, lembrando que duas grandes ferrovias, a Companhia Paulista de Estradas de Ferro e a Companhia Mogiana de Estradas de Ferro, foram fundadas por grupos de cafeicultores.

Na cidade de Campinas, no interior do estado de São Paulo, situada a cerca de 90 km da capital, as grandes fazendas de café ainda estavam em franco desenvolvimento, mesmo após o período de adaptação e de reformas que sucedeu o fim da mão de obra escravagista. Foi neste município que, graças aos interesses de dois fazendeiros, Paulo Machado Florense e do Dr. Inácio de Queirós Lacerda, surgiu em meados de 1889 a idéia da criação de um ramal ferroviário que ligasse as suas fazendas, a de Cabras e do Dr. Lacerda, situadas na região de Joaquim Egídio, à estação ferroviária de Campinas, afim de facilitar o escoamento da safra de café, até o momento ainda restrito ao transporte de tração animal. Joaquim Egídio, hoje, é um bucólico distrito de Campinas, ligado à cidade por rodovia asfaltada, nas proximidades de Sousas, também um outro distrito, porém bem mais desenvolvido.

Um contrato foi assinado, em 9 de Outubro de 1890, para dar início às obras, e foi o engenheiro maranhense, Dr. Carlos William Stevenson, designado como responsável pelo projeto.


Trecho por onde antigamente seguia o trem/bonde, localizado em Joaquim Egídio/SP.

O custo total da obra foi de cerca de 1.290:000$; a linha utilizava uma bitola (distância entre os trilhos) de 0,60m, seu menor raio de curva era de 60 metros, sua maior declividade era de 0,30m e a velocidade média da composição era de 23 km por hora. Quatro anos mais tarde se deu a viagem inaugural, em 20 de Setembro de 1894.

Logo após sua implantação, o trem, utilizado tanto para transporte de pessoal como de carga, foi carinhosamente apelidado pelos usuários de “cabrita“, talvez pelos trancos e balanços que se sentiam nos vagões, devido à pequena bitola, mas com mais certeza pela referência ao nome da fazenda Cabras, que era o final de linha. O Ribeirão das Cabras, afluente do Rio Atibaia, corta a região de Sousas e Joaquim Egídio. A ferrovia o margeava em grande parte de sua extensão. A empresa tinha, nesta época, o seguinte material rodante: quatro locomotivas à vapor, onze carros de passageiros e vinte e quatro vagões de carga. A comprimento total da linha do R.F.C. era de 33 km no ramal de Cabras, e mais 10 km do ramal do Dr. Lacerda.

As estações ao longo da linha do R.F.C.eram as seguintes:

Km-Nome da Estação
00 - Campinas
04 - Guanabara
10 - Engenheiro Cavalcante
17 - Arraial de Sousas
21 - Joaquim Egídio
25 - Capoeira Grande
29 - Quedas
33 - Cabras
No km. 21, da estação de Joaquim Egídio, um outro ramal (Santa Maria) seguia para a fazenda do Dr. Lacerda, com cerca de 10 km de extensão e com as seguintes estações:
Km-Nome da Estação
00 - Joaquim Egídio
07 - Alpes
10 - Dr. Lacerda
Porém, a partir da metade da década de 10, as coisas começaram a se complicar na região. Em 1917 e nos anos que se seguiram, veio a decadência econômica do café, após a terrível crise do ataque da “broca”, uma peste para a qual não se tinha controle, e que levou vários fazendeiros da região à bancarrota. Talvez esta tenha sido a grande causa responsável por não se conseguir manter os custos operacionais da ferrovia, mesmo que fosse ela de pequeno porte. O Ramal Férreo Campineiro estava, portanto, com seus dias contados.


Antiga Estação da Estrada de Ferro, localizada em Joaquim Egídio/SP.


Fase 2 – A CCTL&F, a EBASCO e a CPFL – 1917 a 1952

Campinas já possuía desde 25 de Setembro de 1879 um serviço de bondes de tração animal (mulas) explorado pela Companhia Campineira de Carris de Ferro. Inicialmente o serviço dispunha de quatro carros, sendo que em 1904 adquiriram da Companhia Viação Paulista mais alguns deles, devido à desativação daquela empresa. Somente em 24 de Junho de 1912 é que começaram a circular em Campinas os bondes elétricos, que foram importados dos USA, fabricados pela empresa J.G. Brill. A empresa responsável por essa implantação foi a CCTL&F (Companhia Campineira de Tração, Luz e Força). Ela chegou a importar 8 carros e posteriormente, em 1923, trouxe mais 8, veículos que estavam circulando na cidade norte-americana de Filadélfia. Conta-se que na viagem inaugural dos bondes não faltaram empurrões e até sopapos entre os passageiros, na “luta” para se encontrar um assento disponível. Até a Banda da Brigada Policial de São Paulo se fez presente, com 66 integrantes, regida pelo maestro Antão Fernandes. Os bondes utilizavam uma rede elétrica de corrente contínua, com tensão de 600 volts e sua bitola era de 1000 mm, a mesma usada pelas ferrovias de maior porte, como a Mogiana.

Em 18 de Março de 1917, com a inviabilidade de se manter os trens do R.F.C., a CCTL&F decidiu comprar a empresa e desativou definitivamente o uso dos trens. Este foi, então, o fim da “cabrita”, 23 anos após sua viagem inaugural, o que causou uma comoção geral nos moradores da região e de seus usuários. Porém, como alternativa, um serviço de bondes, ligando Campinas à fazenda Cabras começou a ser elaborado e para isso a empresa encomendou da J.G. Brill em 1919, o “bondão“, apelido dado a ele por ser bem maior que os bondes abertos que atendiam na área urbana. O ramal começou a ser eletrificado e teve suas bitolas aumentadas para 1000 mm já a partir de 1917; em 1919 estas obras já estavam atingindo a fazenda Cabras. A troca de bitola serviu para que esta linha se compatibilizasse com a dos bondes urbanos, da qual o bondão utilizava, em parte de seu trajeto. Um ponto importante: num país sem nenhuma tradição e tecnologia, a eletrificação do R.F.C. se deu antes até da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, empresa muito mais rica, apesar de ter que se levar em conta as diferenças enormes de projeto de um ramal de 21 km contra uma ferrovia de grande porte. O ponto inicial era defronte a estação da Cia. Paulista, que de lá seguia pela Av. Andrade Neves, depois pelo bairro da Guanabara e finalmente atingia a zona rural, passando pela fazenda Vila Brandina, situada pouco antes da estação Eng. Cavalcante, na época uma das mais importantes fazendas de gado leiteiro da região. Nesta fazenda havia somente uma parada com plataforma simples e descoberta.

Com o fim dos trens e o início dos bondes, o ramal de Santa Maria – Dr. Lacerda – não foi aproveitado. Porém, têm-se relatos de que veículos sobre trilhos, dotados de motores a combustão interna, à gasolina, tenham se utilizado deste ramal, que manteve sua bitola em 0,60m até Outubro de 1939, quando finalmente foi desativado.

Com a CCTL&F no comando das operações, as estações passaram a ser as seguintes:

Km - Nome da Estação
00 - Campinas
4-6- Guanabara e Cambuí
10 - Engenheiro Cavalcante
17 - Arraial de Sousas
21 - Joaquim Egídio
25 – Capoeira Grande
27 - Palmeiras
29 - Quedas
31 - Venda Nova
33 - Cabras
Em 1928, o controle acionário da CCTL&F passou para a Electric Bond & Share (EBASCO), uma empresa norte-americana que explorou o sistema de bondes elétricos de Campinas até 1950. Contudo, o nome da CCTL&F ainda foi mantido.

Em 27 de Outubro de 1950 todo a ativo da CCTL&F passa então para a CPFL (Companhia Paulista de Força e Luz), que explora o serviço da linha de Cabras até 1952, mas mantendo o controle sobre as linhas urbanas.


Casarão centenário onde funciona a Estação Marupiara, localizado em Joaquim Egídio/SP.


Fase 3 – E.F. Sorocabana – 1952 a 1960

Em 18 de Agosto de 1952, a CPFL resolveu passar para a Estrada de Ferro Sorocabana a exploração da antiga linha do R.F.C., e foi mantido assim, o serviço de bondes. Em 12 de Novembro de 1952 a Sorocabana encerrou o serviço de encomendas e tráfego de mercadorias e animais que ainda mantinha ativo por um bonde duplo. Em 22 de Abril de 1953 a Sorocabana tentou encerrar as atividades do ramal mas por força de protesto público desistiu da ideia.

Porém, o “bondão” terminou seus dias e acabou sendo trocado por quatro bondes de truque simples, comprados de segunda mão, da cidade de Belo Horizonte. Estes eram praticamente iguais aos da CCTL&F, mas pintados de cor verde, a cor oficial daquela empresa, diferente dos bondes vermelhos e amarelos da outra empresa. Outra diferença interessante era um enorme holofote, um bom auxiliar ao medíocre farol original, pois grande parte do seu trajeto era feito em áreas rurais, sem qualquer tipo de iluminação pública. Nesta época eram feitas três viagens diárias entre Campinas e Cabras.

No início de 1954, a CCTL&F, a esta altura uma subsidiária da Companhia Paulista de Força e Luz (C.P.F.L.), transferiu o serviço de bondes para a prefeitura de Campinas. Todo o maquinário (28 carros) e 26 km de linhas foram vendidos para a prefeitura por Cr$ 3.000.000,00. Em 30 de Setembro de 1954 a prefeitura contrata a Companhia Campineira de Transportes Coletivos (C.C.T.C.), que já atuava na cidade com ônibus urbanos, para explorar o sistema por 10 anos. Quase cinco anos depois, em 10 de Fevereiro de 1960, a Sorocabana também resolveu abandonar o serviço de seus bondes da linha de Cabras, alegando falta de lucratividade.


Estrada do Bonde, localizada em Joaquim Egídio/SP.


Fase 4 – C.C.T.C. assume o comando – 1960 a 1968

Com a saída da E.F.S. do negócio, a CCTC, em 10 de Fevereiro de 1960, assumiu a linha de Cabras para si, integrando-a ao seu sistema urbano de bondes, criando a linha de número 14, denominada Bairro Boa Esperança, mas usando somente os seus 7 km iniciais, que terminava nas imediações da Fazenda Vila Brandina. O bonde para Sousas, Joaquim Egídio e Cabras deixava então, definitivamente, o cenário campineiro.

A cidade de Campinas crescia rapidamente, desde o início da década de 60. A estrutura da sua linha de bondes era simples, usando linha de mão única. Por isso, haviam desvios em determinados pontos das rotas, para permitir a passagem de outro bonde da mesma linha, e assim ocupavam quase toda a largura da rua. Além disso, quase sempre trafegavam por ruas estreitas. O tráfego começou a se tornar caótico com o aumento natural da frota, e em 1964 os bondes começaram a ser aos poucos retirados das ruas, culminando com o fim das atividades em 24 de Maio de 1968. A C.C.T.C. chegou a ter 28 carros da J G Brill, operando quatorze linhas, com 58 km de trilhos implantados.


Trecho por onde antigamente seguia o trem/bonde, localizado em Joaquim Egídio/SP.

Os vestígios da História

Até hoje, no sub-distrito de Sousas, a ponte metálica que era utilizada para se cruzar o rio Atibaia, desde a época dos trens, se encontra ao lado esquerdo da ponte de concreto (sentido Joaquim Egídio), construída posteriormente. Esta ponte foi parcialmente destruída pelos revolucionários paulistas, em 1932, para dificultar o acesso das tropas federais à cidade. Parte do antigo leito da ferrovia, desde Sousas até Joaquim Egídio, com cerca de 4 km de extensão, margeando o Ribeirão das Cabras, e que até hoje é chamado de “estrada do bonde”, mantém-se quase no seu estado original, mas sem os trilhos e os postes, e é um local muito utilizado por grupos de pessoas adeptas das caminhadas. Este trecho já está devidamente tombado pelo Condepacc (Conselho de Defesa do Patrimônio Artístico e Cultural de Campinas). Em Joaquim Egídio pode-se ainda andar pelo antigo leito do ramal de Dr. Lacerda, hoje uma estrada de terra servindo chácaras e sítios da região, bem como acesso a uma usina de energia da C.P.F.L.

Por iniciativa popular e de saudosistas residentes na cidade, quatro dos bondes da CCTC foram preservados e estão em funcionamento, numa linha turística de cerca 4 km de extensão, no interior do Parque Portugal, no bairro do Taquaral, um aprazível local de lazer da cidade. Infelizmente nenhum dos “bondões” da CCTL&F foram preservados.

A estação de Joaquim Egídio ficou em ruínas durante um longo tempo, exceto pelos seus alicerces e a caixa d’água. Um antigo armazém, atrás da estação, conseguiu ser mantido em pé e hoje abriga um restaurante. A estação foi totalmente restaurada e entregue em 22 de setembro de 2000, pela empreiteira responsável pela construção do gasoduto Brasil-Bolívia, que passa a cerca de 200 metros da estação.

(Fonte: https://ramalferreo.wordpress.com/) 




A NOSSA CAMINHADA

Eu deixei minha residência às 4 h 30 min rumo ao distrito de Joaquim Egídio, caminhei uns 700 m e me encontrei com o Demétrius, amigo de longa data, próximo do prédio da FEAC, localizado no número 2.300 da Avenida José Bonifácio.

Na verdade, nós já percorrêramos esse trajeto mais de 15 vezes em anos anteriores, porém, o que me inspirou a repetir tal itinerário foi a facilidade de nosso deslocamento, face ao fato de residirmos próximos um do outro, em bairros fronteiriços à saída para o nosso objetivo do dia, além da inspiradora frase do insigne escritor português José Saramago, que assim diz:

É preciso ver e rever, de todos os ângulos, com o coração e a alma, com os amigos que cultuamos à distância e com aqueles com os quais caminhamos. É preciso ver Deus aqui e ali, na queda, na bolha, na chuva, no sol a pino, na lua nova, no amigo que surge a todo instante!

Após os efusivos cumprimentos de praxe, seguimos em frente e, na sequência, transitamos diante do Shopping Center Iguatemi, depois, prosseguimos pela Avenida Makenzie e, mais abaixo, passamos sob a rodovia Dom Pedro e acessamos a alça que dá acesso à rua Rua Egberto Ferreira de Arruda Camargo, localizada no bairro Parque da Hípica.

O clima estava frio, nublado e hidratado, temperatura na casa dos 15°C, excelente para caminhar, assim, animados, seguimos transitando diante de inúmeros condomínios que existem nessa via plana e sossegada.

Então, com o dia clareando, passamos diante da Escola Comunitária de Campinas, em seguida, transitamos defronte à Escola Notre Dame e, logo à frente, desaguamos na Rodovia Heitor Penteado, onde dobramos à esquerda e seguimos na direção do vetusto distrito de Sousas, cuja fundação data o longínquo ano de 1796.

Quando ali chegamos, depois de percorrer 8 quilômetros, numa bifurcação, abandonamos a via principal, adentramos à esquerda, na rua dos Expedicionários e prosseguimos sobre terra por, aproximadamente, mais 2 quilômetros.

O dia estava claro, o tempo excelente e prosseguimos rememorando fatos pretéritos, num clima de descontração e júbilo, onde as risadas se sucediam, amiúde, num ambiente de intensa concórdia e alegria, e como bem afirmou François La Rochefoucauld, famoso escritor francês: O primeiro dos bens, depois da saúde, é a paz interior.” 


Trecho do Caminho no distrito de Sousas, que segue margeando o ribeirão das Cabras.

Então, logo adiante, ultrapassamos o rio Atibaia por uma ponte metálica, depois, acessamos outra larga estrada de terra arborizada, que margeia o ribeirão das Cabras, por onde, antigamente, seguia o Ramal Férreo Campineiro em direção à Fazenda das Cabras.

Depois de percorrer 11 quilômetros, voltamos a confluir com a rodovia, por onde seguimos mais 1.000 m, até adentrar à esquerda, num local extremamente arborizado, nominado de “Estrada do Bonde”, que já pertence ao distrito de Joaquim Egídio.

Então, por esse local privilegiado, onde encontramos algumas pessoas caminhando em sentido inverso, percorremos mais 1.700 m, até chegar próximo da Estação Primavera, onde giramos à direita e, depois de percorrer 14.200 m, reencontramos a rodovia SP-081, que segue em direção à cidade de Morungaba.

Ali fizemos uma pausa para hidratação, ingestão de carboidratos e, enquanto nos confraternizávamos pelo bom desempenho na trilha até ali e, em forma de agradecimento, relembrei ao meu dileto amigo Dedé a frase do célebre poeta Màrio Quintana:

Se me fosse dado, um dia, uma oportunidade, seguraria todos os meus amigos, que já não sei onde e como estão, e diria: vocês são extremamente importantes para mim! Dessa forma, eu digo: Não deixe de fazer algo que gosta devido à falta de tempo. Não deixe de ter alguém ao seu lado, ou de fazer algo, por puro medo de ser feliz. A única falta que terá, será desse tempo que infelizmente... não voltará mais.

Na sequência, fletimos à direita e iniciamos o retorno para Campinas, desta vez, utilizando o acostamento da rodovia, até a chegada ao Colégio Notre Dame, onde entramos à direita, e regressamos sobre os passos que déramos na ida, até aportar às nossas residências.


Meu grande amigo Dedé, sempre alegre e bem-disposto na trilha.

Finalizando, meu agradecimento ao Dedé, parceiro de muitos Caminhos, pelo apoio, confiança e gargalhadas proporcionadas durante o percurso, na certeza de que, em breve, nos reuniremos para outra inesquecível caminhada, pois, como sempre afirmo: Os bons amigos conhecem todas as nossas histórias. Os melhores amigos fazem parte delas.” 

Mais algumas fotos do percurso desse dia:


Caminho bucólico e deserto em vários trechos...


Início da "Estrada do Bonde", em Joaquim Egídio/SP.


Caminhando pela "Estrada do Bonde", em Joaquim Egídio/SP.


A igrejinha de Santa Rita, localizada na "Estrada do Bonde", em Joaquim Egídio/SP.


Santa Rita de Cássia, a vossa benção e proteção!


Mais um trecho do "Estrada do Bonde", em Joaquim Egídio/SP.


A igreja matriz do distrito de Sousas (Campinas/SP)


FINAL

(Autor: Omraam Mikhaël Aïvanho)

Como toda a matéria, a do nosso corpo físico está sujeita ao tempo e se desgasta.

Isso se chama envelhecimento, e todos nós envelhecemos, o que, é claro, não é agradável.

Mas não somos apenas um corpo físico e, se o desgaste do corpo está na ordem natural das coisas, internamente, nada nos obriga a envelhecer com ele.

É por isso que, em vez de nos entristecermos ao perceber as manifestações físicas com a idade, os seres humanos devem se preocupar em nutrir o que os manterá eternamente jovens e vivos: seu coração.


Obrigado Senhor por mais um dia de vida e pela nova idade! Amém!


É o coração, a capacidade de amar, e não o corpo, que torna os humanos jovens ou velhos.

E se o coração deles envelhece, é porque eles o permitem.

Como?

Perdendo o amor por pessoas e coisas, perdendo a curiosidade, o interesse pela vida que existe ao seu redor, vida do universo tão rica e abundante, mas se eles se esforçam para sentir essa vida, se procurarem participar, introduzir-se nelas, não envelhecerão.


Bom Caminho a todos!

Abril/2020