2013 - Dicas para o Caminho de Santiago

DICAS PARA QUEM VAI PERCORRER O CAMINHO DE SANTIAGO

Um trabalho compilado pelo experiente peregrino Manuel Brasília


Informações Básicas

[a] Exame médico

É conveniente uma avaliação médica e uma revisão odontológica.

 

[b] Treinamento físico

Organizar um plano de caminhadas com aclives e declives.

Primeiro mês: Até 60 km (caminhadas de 4 a 8 quilômetros)

Segundo mês: Até 120 km (caminhadas de 8 a 12 quilômetros)

Terceiro mês: Até 180 km (caminhadas de 12 a 15 quilômetros)

Quarto mês: Até 240 km (caminhadas de 15 a 24 quilômetros)

A partir do quinto mês estará em condições de um bom caminho.

 

[c] Organização da mochila

       Itens essenciais:

01 tênis cano alto ou bota.

03 meias coolmax, com reforço nas extremidades.

01 bermuda térmica (evita assaduras entre as pernas).

02 bermudas tac tel ou suplex

02 camisas meia manga de dry fit ou similar

01 camisa manga comprida de dry fit ou similar

01 blusão polartec de boa qualidade.

01 conjunto esportivo completo de tac tel ou suplex

03 conjuntos de roupas íntimas.

01 conjunto de higiene pessoal.

01 toalha tipo fralda.

01 poncho ou capa de chuva que cubra à mochila.

01 saco de dormir. (Em caso de pernoite em pousadas é dispensável).

01 cantil, camel bag ou garrafa plástica. (O camel bag permite melhor hidratação)

01 sandália de borracha ou esportiva. (Para descanso dos pés após as caminhadas)

01 chinelo tipo havaianas (Para tomar banho)

01 Boné com pala ou tipo australiano

01 par de luvas de polartec (inverno)

01 gorro de polartec (inverno)

01 pequena bolsa de plástico para documentos e papéis.

01 blusa de anorak (inverno)

01 calça de chuva (inverno)

01 porta trecos (Para levar o material de higiene e documentos de valor)

01 saco plástico para medicamentos de uso pessoal.

01 isolante térmico. (Em caso de pernoite em pousadas é dispensável)

01 mochila 35/50 Litros. (Faixa de capacidade de 6 a 8 kg)

01 kit de medicamentos de seu uso pessoal (consultar o seu médico)

 

[d] Organização da Lista de viagem.“Check List”

Tudo que vai sendo comprado deve ser listado. Diminui a ansiedade e as correrias de última hora onde aparece à sensação de que sempre falta alguma coisa.

 

[e] Organização da provável rota a ser realizada

Calcular quantos dias pretende utilizar na caminhada.

Exemplo: uma caminhada de 33 dias + 2 dias para chegar na partida + 2 dias na chegada. Total de 37 dias justos. É bom guardar + 2 dias para imprevistos. Então vai para 39 dias.

Logo o ideal é: nº dias caminhando + 6 dias.

 

[f] Previsão das despesas

Cálculo aproximado para 40 dias na Espanha.

Passagens aéreas:      Rio ou SP/Madrid/Pamplona  =è

                              =è Santiago/Madrid/Rio ou SP. Média de 1.150 dólares/940 euros

Despesas táxi: Pamplona/Roncesvalles/Saint Jean Pied Port. Média de 100 euros

                         Santiago/Aeroporto Labacolla. Média de 20 euros

Despesas de correio: Pamplona/Santiago Compostela. Média de 12 euros

Despesas de hospedagem: Em hotéis e pousadas. Média de 1.500 euros.

                                          Em albergues. Média de 280 euros.

Despesas com alimentação: Café, almoço, jantar e lanche. Média de 1.100 euros.

Despesas de souvenires: Média de 60 euros.

  

Cálculo total das despesas: (40 dias)

Com hospedagem em hotel: Média de 3.732 euros (inclusas passagens aéreas)

Utilizando rede de albergues: Média de 2.512 euros (inclusas passagens aéreas)

 

[g] Escolha da época - As condições climáticas.

 

            Pamplona             Burgos                 León               Ponferrada           Santiago

 

          Mín       Máx        Mín      Máx         Mín       Máx        Mín      Máx        Mín       Máx

Jan

0

ºc

9

ºc

 

-1

ºc

7

ºc

 

-1

ºc

7

ºc

 

1

ºc

8

ºc

 

3

ºc

10

ºc

Fev

2

ºc

11

ºc

 

0

ºc

8

ºc

 

0

ºc

9

ºc

 

2

ºc

11

ºc

 

4

ºc

12

ºc

Mar

3

ºc

13

ºc

 

1

ºc

11

ºc

 

1

ºc

12

ºc

 

3

ºc

14

ºc

 

5

ºc

13

ºc

Abr

4

ºc

15

ºc

 

2

ºc

12

ºc

 

2

ºc

14

ºc

 

5

ºc

16

ºc

 

6

ºc

15

ºc

Mai

7

ºc

18

ºc

 

5

ºc

16

ºc

 

6

ºc

18

ºc

 

8

ºc

20

ºc

 

7

ºc

17

ºc

Jun

10

ºc

23

ºc

 

8

ºc

21

ºc

 

9

ºc

23

ºc

 

11

ºc

25

ºc

 

10

ºc

21

ºc

Jul

13

ºc

27

ºc

 

10

ºc

26

ºc

 

11

ºc

27

ºc

 

13

ºc

28

ºc

 

12

ºc

23

ºc

Ago

13

ºc

27

ºc

 

10

ºc

25

ºc

 

10

ºc

27

ºc

 

13

ºc

28

ºc

 

12

ºc

23

ºc

Set

11

ºc

25

ºc

 

8

ºc

23

ºc

 

10

ºc

23

ºc

 

11

ºc

25

ºc

 

11

ºc

22

ºc

Out

8

ºc

19

ºc

 

5

ºc

16

ºc

 

6

ºc

17

ºc

 

8

ºc

18

ºc

 

9

ºc

18

ºc

Nov

4

ºc

12

ºc

 

1

ºc

10

ºc

 

2

ºc

11

ºc

 

4

ºc

12

ºc

 

6

ºc

13

ºc

Dez

2

ºc

9

ºc

 

0

ºc

6

ºc

 

0

ºc

7

ºc

 

1

ºc

8

ºc

 

4

ºc

11

ºc

  

   Os índices de temperaturas acima são as médias mensais, de mínimas e máximas, fornecidas pelo Instituto Nacional de Meteorologia da Espanha. A melhor época é o inicio do mês de maio. O caminho é mais bonito com predominância do verde. A partir de agosto é a predominância do marrom, pois toda a colheita já foi feita. É a época da caça. Quanto ao tempo é questão de sorte. Em qualquer época podes ter a chuva como companheira.

   As caminhadas no inverno estão sujeitas a outros fatores climáticos, tais como o vento, a chuva e a neve.

 

[h] As Finanças

A moeda de circulação na Comunidade Europeia é o Euro.

Não é conveniente levar dólares, pois os bancos cobram taxas de cambio.

É conveniente levar cartão de moeda estrangeira (Visa Travel Money) e dinheiro em Euros.

O cartão de créditos Visa e Mastercard, são aceitos para despesas durante a viagem.

O cartão Visa Electron permite saque direto de sua conta corrente nos caixas eletrônicos com a mesma senha utilizada no Brasil. Consulte o seu banco antes de viajar.

É conveniente levar os telefones de urgência dos bancos e administradora de cartões.

 

[I] Ligações telefônicas

Brasil direto a cobrar da Espanha (Embratel) è (900990055 / DD + telefone)

Brasil direto a cobrar da França (Embratel) è (0800990055 / DD + telefone)

Brasil direto a cobrar de Portugal (Embratel) è (0800800550 / DD + telefone)

Ligações na Espanha: cartão telefônico de seis e doze euros.

Ligações a cobrar com cartão.  è (00 55 DD + telefone)

 

[J] Outras informações.

A mochila deve ser de boa qualidade entre 35 e 50 litros.

Se possível na parte da tarde após o descanso fazer o reconhecimento do itinerário de saída das cidades grandes.

A viagem de Pamplona para Saint Jean Pied de Port é realizada normalmente de táxi.

Teletaxi de Pamplona: 948 23 23 00 e 948 35 13 35

Burguete/Roncesvalles: Taxista Juanjo / 670 61 61 90

 

 [K] Os Correios

A partir de 2008 foram adotados novos procedimentos quanto ao envio de bagagem pelos correios. O prazo de permanência na agência é de 15 dias. Portanto o envio de bagagem para Santiago de Compostela não poderá ser mais direto. Serão necessários reenvios em Burgos e Astorga para quem vai sair de Saint Pied de Port, Roncesvalles ou Pamplona.

Seguem abaixo modelos de documentos a serem preenchidos em cada agência do correio para o envio de bagagem. O custo devido a mudança triplicou de valor.  

A utilização do recurso de envio pelos correios é útil para quem leva roupas e acessórios para utilizar após o caminho em viagens turísticas. Muitos peregrinos já saem do Brasil com o essencial para a caminhada a pé e não necessitam do envio pelos correios.

Pesquise mais informações em: www.correos.es

        OBSERVAÇÕES DO PREENCHIMENTO DOS VOLUMES ENVIADOS.

           Na caixa ou volume a ser enviado existem o local de preenchimento de

           REMITENTE: Coloque seu nome completo e número do seu passaporte.

           END: Coloque o mesmo que foi preenchido no DESTINATÁRIO.

           DESTINATARIO: LISTA DE CORREOS e endereço da oficina para entrega.

 

         EXEMPLO DO ENVIO ACIMA:

           Remitente: Escreva seu nome completo e número do passaporte.

           END: C/ Lista Correos de BURGOS – Pza Conde de Castro,1- CP: 09002

 

         DESTINATARIO: Escreva seu nome completo e número do passaporte.

         END:C/ Lista Correos de Burgos – Pza Conde de Castro, 1 – CP: 09002

  

Abaixo os locais, endereços, telefones e horários das oficinas de correos do caminho francês para o caso de envio por outras agências que não sejam as dos exemplos acima:

Local

Endereço

 C.P

 

Telefone

 

2ª a 6ª

 

sábado

Villava

C/Oihanpea,3

31 610

 

948 33 24 57

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Burlada

C/Landazábal,5

31 600

 

948 12 84 88

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Pamplona

Paseo Sarasate,9

31 002

 

948 20 72 17

 

08.30/20.30 h

 

09.30/14.00 h

Estella

Paseo Inmaculada,5

31 200

 

948 55 17 92

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Viana

PlazaCozo, 17

31 230

 

948 64 58 78

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Logroño

C/Pérez Galdós,40

26 002

 

941 20 98 00

 

08.30/20.30 h

 

09.30/14.00 h

Nájera

Avda San Julián,14

26 300

 

941 36 00 51

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Sto Domingo La Calzada

Avda de Burgos,10

26 250

 

941 34 14 93

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Belorado

C/Redecilla,7

09 250

 

947 58 00 19

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Burgos

Pza Conde de Castro,1

09 002

 

947 26 27 50

 

08.30/20.30 h

 

09.30/14.00 h

Frómista

Pza Tuy,2

34 440

 

979 81 00 72

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Carrión de Los Condes

C/José Antonio Girón,18

34 120

 

979 88 03 45

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Sahagún

C/Regina Franco,20

24 320

 

987 78 02 07

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

León

Jardines S.Francisco,1

24 004

 

987 87 60 81

 

08.30/20.30 h

 

09.30/14.00 h

Astorga

C/Alférez Provisional,3

24 700

 

987 61 54 42

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Ponferrada

C/General Vives,1

24 400

 

987 41 09 28

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Cacabelos

C/Ángel González Alvarez,4

24 540

 

987 54 62 28

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Villafranca Del Bierzo

C/Ribadeo,43

24.500

 

987 54 03 78

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Samos

C/Generalíssimo,24

27 620

 

982 54 60 55

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Sárria

C/Calvo Sotelo

27 600

 

982 53 07 93

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Melide

C/Bispo Varela,20

15 800

 

981 50 58 66

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Árzua

C/Ramón Franco,38

15 810

 

981 50 04 86

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Santiago Compostela

Rua do Franco, 4

15 703

 

981 58 12 52

 

08.30/20.30 h

 

09.30/14.00 h

 

Abaixo os locais, endereços, telefones e horários das agências no caminho aragonês.

Local

Endereço

 C.P

 

Telefone

 

2ª a 6ª

 

sábado

Jaca

Pirineos, 8

22 700

 

974 35 58 86

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Canfranc Pueblo

Arañones, 14

22 888

 

974 37 21 94

 

08.30/14.30 h

 

09.30/13.00 h

Sangüesa

San Fermin de Lubiana, 15

31 400

 

948 87 04 27

 

08.30/20.30 h

 

09.30/14.00 h

 

      Os preços para envio de pacote pelos correios variam de acordo com o peso.

     Eis a tabela praticada a partir de 01/01/2011

      Até 1 kg =è 6,00 euros, até 2 kg =è 6,60 euros, até  5 kg =è 7,60 euros, até 10 kg =è 8,70 euros, até 15 kg =è 11,45 euros e até 20 kg =è 13,80 euros.

      O peso máximo de envio da modalidade é de 20 kg.

      Existe a possibilidade de compra de caixas padronizadas para embalar os pertences.

      Eis a tabela praticada a partir de 01/01/2011 das Cajas Ecológica línea verde:

      Modelo Supergrande de 590x390x390 mm a 3,45 euros.

      Modelo Grande de 390x280x190 mm a 2,75 euros.

      Modelo Mediana de 317x215x125 mm a 2,25 euros.

      Modelo Pequena de 230x140x80 mm a 1,70 euros.

 

[L] Locomoção no Aeroporto de Barajas (Madrid)

 

      Novos terminais T4 e T4s do Aeroporto Madrid-Barajas.

      Como os voos internacionais passaram a utilizar o novo terminal seria interessante maior atenção aos procedimentos novos de desembarque que acarretam uma maior permanência no interior do aeroporto.

      Eis os novos procedimentos:

      1º) Se o voo desembarca por (PASSARELA) no terminal T4s (edifício satélite) o passageiro deverá seguir até o 2º andar e passar pelo controle de passaportes e aduana.

      Depois descerá ao 2º subsolo para embarcar no trem subterrâneo APM, que levará até ao Terminal T4. O trem subterrâneo APM é um meio de transporte sem condutor que liga os terminais T4s e T4.

     Chegando ao T4 ir até a sala 11 do andar térreo para pegar a bagagem.

      2º) Se o voo desembarca por (PONTO REMOTO) o ônibus do aeroporto conduz ao andar térreo do T4s onde o passageiro passará pelo controle de passaporte e aduana.

      Depois descerá ao 2º subsolo para embarcar no trem subterrâneo APM, que levará até ao Terminal T4. Chegando ao T4 ir até a sala 11 do andar térreo para pegar a bagagem.

      3º)Caso o passageiro necessite seguir aos terminais T1, T2 e T3 e acesso ao metrô o terminal T4 disponibiliza um ônibus gratuito que funciona 24 horas e interliga os terminais de três em três minutos.

      Maiores informações visitar a página dos aeroportos da Espanha, www.aena.es , e eleja o aeroporto de Madrid Barajas. Todas as informações acima e com mais detalhes estão disponíveis.

      O tempo médio gasto no trajeto descido da aeronave até terminal doméstico onde está a estação do metrô é de 50 a 90 minutos.

      4º)Quem vai ficar em Madrid poderá agora utilizar a nova estação do metrô no Terminal T4. Fique atento na sinalização.

      5º)Ao descer do avião e chegar nas instalações do aeroporto de Barajas dirigir-se imediatamente aos quadros de vôos e conexões. Verificar a  letra, número e cor da sua porta de conexão. Por exemplo, K85, e logo abaixo o tempo médio gasto. O tempo gasto nunca é inferior a 45 minutos. Não marcar conexões com menos de três horas de intervalo.

 

[M] Exigências da aduana européia.

 

   Os cidadãos brasileiros não necessitam de visto para entrar na Espanha se o motivo da viagem seja turismo, estudos, negócios, e caso a permanência não exceda 90 dias.

   Não obstante na entrada no país as autoridades espanholas podem exigir meios de prova do motivo da viagem, tais como:

   1) Passaporte com validade mínima de seis meses.

 

   2) Bilhete nominal, intransferível, e com volta marcada ao país de procedência.

 

   3) Justificação de meios econômicos comprovados mediante apresentação de 64,14 euros por dia de permanência. Exemplo: 30 dias x 64,14 euros = 1.924,20 euros. O valor de 64,14 euros corresponde a 10% do Salário Mínimo Interprofesional na Espanha. Para o ano de 2011 o valor será de 641,40 euros.

   A justificação pode ser comprovada em espécie, cheques de viagem e cartões de credito. Os cartões de crédito devem ser acompanhados do último extrato bancário, ou outro meio que comprove a quantidade de crédito disponível no cartão. Não pode ser cópia. Levar o original da última fatura.

 

   4) Justificação do pagamento de alojamento/hospedagem no período de permanência.

 Normalmente quem viaja a turismo possui reservas antecipadas aonde vai pernoitar. No caso específico de quem vai peregrinar a Santiago de Compostela normalmente se utiliza a rede de albergues que não possui reservas ou documento comprobatório de estadia.

   A credencial do peregrino,documento oficial da igreja para certificar o passo do peregrino para emissão da compostela ao final da caminhada, e de que também é utilizada como documento legal para o pernoite ao longo do caminho poderia justificar o período de permanência no exterior.

   Como uma melhor garantia seria aconselhável uma reserva de hotel/hostal ao final do caminho em Santiago de Compostela, ou no início em Madrid ou Pamplona.

 

   5) Seguro de viagem internacional de 30.000 euros que cubra todo o território Schengen (toda a comunidade européia).

   No momento atual é prudente fazer uma apólice de seguros. Na própria agência que comprar as passagens providencie também o seguro. Em média o custo é de 160 dólares.

   Para pessoas que contribuem para o INSS  providenciar o certificado de atendimento por reciprocidade.

   Para as pessoas que efetuaram o pagamento das passagens aéreas com cartão de crédito internacional pegar o comprovante de seguro concedido pela bandeira Visa ou Mastercard.

   Convém aos peregrinos ficarem atentos aos períodos de permanência estipulados, e não caiam em sugestões de permanência como hospitaleiros voluntários em albergues, e ultrapassando o limite de dias. Ao ultrapassar o limite de dias permitido a permanência se torna ilegal e sujeita ao constrangimento de uma deportação.

   Tal fato poderá contribuir para uma nova dificuldade aos futuros peregrinos.

 

[N] Certificado de atendimento por reciprocidade:            

    O Brasil, através do INAMPS, mantém com alguns países, entre eles a Espanha, um convênio de atendimento a segurados.
    O convênio dá direito ao atendimento nos hospitais e postos de saúde da rede pública espanhola.
    É aconselhável ao peregrino segurado do INAMPS, levar consigo o certificado que dará direito a este atendimento.
    Caso queira optar por seguros de saúde privados, tudo bem, mas não custa nada requerer o certificado do convênio, que é emitido gratuitamente e sem muitas dificuldades burocráticas.

  Os documentos normalmente exigidos são os seguintes:

   è Carteira de identidade

è passaporte.

è passagem aérea

è carteira de trabalho

è comprovante de residência

è últimos comprovantes de contribuição da previdência.

 

  Para empregados: contracheques e Carteira de trabalho assinada;
  Para autônomos: GPS (12 últimas contribuições);
  Para empregador: GPS (12 últimas contribuições), contrato social e Pró-labore.
  Para dependentes: GPS (12 últimas contribuições), contrato social e Pró-labore.
  Cônjuges: Certidão de Casamento e Passaporte;
  Filhos: Certidão de Nascimento/Carteira de Identidade, Passaporte;
  Companheiro (a): Deverá estar inscrito no INSS/ declarado na Carteira de Trabalho, Passaporte

   è Locais para contato de onde procurar:

DENASUS/DF

E-mail: auditoria@saude.gov.br
Logradouro: SAF/Sul, Trecho 02, Lote 05/06, Ed. Premium, Torre I
Complemento: 2º andar
Bairro: Setor de Autarquia Federal
Cidade: BRASILIA
CEP: 70070600
Telefone: (61) 3306-7337
Fax: (61) 3306-7379
Responsável: Luis Carlos Bolzan

DIAUD/RJ
E-mail: auditoriarj@auditoria.rj.saude.gov.br
Logradouro: Rua México, 128 - 9º andar sala 919
Cidade: RIO DE JANEIRO
CEP: 20031142
Responsável: Ricardo Francisco Pieranti
DIAUD/SP
E-mail: auditoriasp@saude.gov.br
Logradouro: Av. 9 de julho 611, 6º andar
Bairro: Bela Vista
Cidade: SAO PAULO
CEP: 01313000
Responsável: Eugênio Carlos Amar
SEAUD/AC
E-mail: auditoriaac@saude.gov.br
Logradouro: Rua Antonio da Rocha Viana, 1584
Cidade: RIO BRANCO
CEP: 69908560
Responsável: Maria das Gracas da Silva Almeida
SEAUD/AL
E-mail: auditoriaal@saude.gov.br
Logradouro: Praça dos Palmares, 25 - 10º andar
Complemento: Ed. Palmares
Bairro: Centro
Cidade: MACEIO
CEP: 57020904
Responsável: Edgleide Soares Castro

SEAUD/AM
E-mail: wellman.vander@saude.gov.br
Logradouro: Rua Henrique Martins, 434 - 2º Andar
Bairro: Centro
Cidade: MANAUS
CEP: 66901010
Responsável: Wellman Vander Dungeen Henriques Arruda
SEAUD/AP
E-mail: auditoriaap@saude.gov.br
Logradouro: Rua Antonio Coelho de Carvalho 2517
Bairro: Bairro Santa Rita
Cidade: MACAPA
CEP: 68900001
Responsável: Adafram Fernandes Silva do Carmo
SEAUD/BA
E-mail: auditoriaba@saude.gov.br
Logradouro: Rua do Tesouro, 21/23
Complemento: Sobreloja
Bairro: Centro
Cidade: SALVADOR
CEP: 40020050
Responsável: Déborah Dourado Lopes
SEAUD/CE
E-mail: auditoriace@saude.gov.br
Logradouro: Rua do Rosário, 283 - 12º andar
Bairro: Centro
Cidade: FORTALEZA
CEP: 60055090
Responsável: Haroldo Jorge de Carvalho Pontes
SEAUD/ES
E-mail: auditoriaes@saude.gov.br
Logradouro: Rua Moacyr Strauch, 85
Bairro: Praia do Centro
Cidade: VITORIA
CEP: 29055630
Responsável: Anna Maria Leal
SEAUD/GO
E-mail: auditoriago@saude.gov.br
Logradouro: Rua 82 nº 179, Esq. C/Rua 83 - 8º andar
Bairro: Setor Sul
Cidade: GOIANIA
CEP: 74083010
Responsável: Jozelia Sales Pimentel
SEAUD/MA
E-mail: auditoriama@saude.gov.br
Logradouro: Av. Alexandre de Moura, 182 - 4º Pavimento
Bairro: Centro Parque do Bom Menino
Cidade: SAO LUIS
CEP: 65025470
Responsável: Maria Ulda Araujo Tavares
SEAUD/MG
E-mail: auditoriamg@saude.gov.br
Logradouro: Rua Espírito Santo, 500 - 14º e 15º andar
Bairro: Centro
Cidade: BELO HORIZONTE
CEP: 30160030
Responsável: Joao Batista da Silva
SEAUD/MS
E-mail: auditoriams@saude.gov.br
Logradouro: Rua Jornalista Belizário de Lima, 263 - 3º andar
Bairro: Vila Fortuna
Cidade: CAMPO GRANDE
CEP: 79004270
Responsável: Rose Mary Hidemi Nakasone Paulo
SEAUD/MT
E-mail: seaudmt@saude.gov.br
Logradouro: Av.Getúlio Vargas, 1426 - 6º andar
Bairro: Centro
Cidade: CUIABA
CEP: 78045300
Responsável: Eliane Maria Figueiredo Leite de Campos
SEAUD/PA
E-mail: auditoriapa@saude.gov.br
Logradouro: Av Conselheiro Furtado, 2520, Ed Daniel Leite Dias, sala 301
Bairro: Cremação
Cidade: BELEM
CEP: 66040100
Telefone: 91 32236045
Fax: 91 32236260
Responsável: Agenor Costa da Silva
SEAUD/PB
E-mail: seaudpb@saude.gov.br
Logradouro: Rua Diogo Velho - 150
Bairro: Centro
Cidade: JOAO PESSOA
CEP: 58013110
Responsável: Claudete Oliveira Lira dos Santos
SEAUD/PE
E-mail: auditoriape@saude.gov.br
Logradouro: Praça Ministro João Gonçalves de Souza - s/n
Complemento: Prédio da Sudene
Bairro: Engenho do Meio
Cidade: RECIFE
CEP: 50670500
Responsável: Tereza de Fatima Alecrim Coelho
SEAUD/PI
E-mail: auditoriapi@saude.gov.br
Logradouro: Rua 13 de maio, 155, Edifício São Pedro, 4º andar
Bairro: Centro
Cidade: TERESINA
CEP: 64000150
Responsável: Carlos Eduardo Viana Santos
SEAUD/PR
E-mail: auditoriapr@saude.gov.br
Logradouro: Rua Cândido Lopes, 208 - 5º andar
Bairro: Centro
Cidade: CURITIBA
CEP: 80020060
Responsável: Marli do Rocio Rocha
SEAUD/RN
E-mail: auditoriarn@saude.gov.br
Logradouro: Avenida Rodrigues Alves, 881
Bairro: Tirol
Cidade: NATAL
CEP: 59015350
Responsável: Maria das Gracas Holanda Dantas
SEAUD/RO
E-mail: auditoriaro@saude.gov.br
Logradouro: Rua Campos Sales, 2645
Bairro: Centro
Cidade: PORTO VELHO
CEP: 78900970
Responsável: Osvaldo Veiga
SEAUD/RR
E-mail: auditoriarr@saude.gov.br
Logradouro: Av. Santos Dumont, 1403, 1º andar
Bairro: Bairro São Francisco
Cidade: BOA VISTA
CEP: 69305105
Responsável: Zara Fátima Botelho de Oliveira
SEAUD/RS
E-mail: auditoriars@saude.gov.br
Logradouro: Av. Borges de Medeiros 536 9º andar sala 902
Cidade: PORTO ALEGRE
CEP: 90020022
Responsável: Francisco Ribeiro Telles
SEAUD/SC
E-mail: auditoriasc@saude.gov.br
Logradouro: Praça Pereira Oliveira, 35 Ed Ministério da Saúde - 3º andar
Bairro: Centro
Cidade: FLORIANOPOLIS
CEP: 88010540
Responsável: Ary Teehran Nunes Pereira
SEAUD/SE
E-mail: auditoriase@saude.gov.br
Logradouro: Rua Estância, 633, Centro
Bairro: Centro
Cidade: ARACAJU
CEP: 49010180
Responsável: Roosevelt Ferreira de Oliveira
SEAUD/TO
E-mail: auditoriato@saude.gov.br
Logradouro: 108 Norte Alameda 4 Lote 38
Bairro: Centro
Cidade: PALMAS
CEP: 77065520
Responsável: Willes Rosa Martins 

 

                             Perguntas mais freqüentes do Caminho.

 

[1] Posso me perder?

É muito raro de acontecer. Pois o caminho é bem sinalizado por diversos tipos de sinais.

èSetas amarelas pintadas em árvores, pedras, barrancos, muros, casas e prédios.

èMarcos de pedra com a concha do peregrino em cruzamentos e lugares importantes.

èPedras pintadas de amarelo no piso das trilhas e estradas.

èPedras amontoadas uma sobre as outras ao longo do caminho.

èFitas amarelas amarradas em galhos de árvore.

 

[2] Quais as alternativas de orientação?

Existem diversos guias do Caminho de Santiago. Os mais conhecidos são:

èEl Camino de Santiago a pie – Editora El País Aguilar (edição 2008)

èGuía Práctica Del Peregrino – Editora Everest.

èGuia Del Camino de Santiago – Anaya Touring Club – Anton Pombo.

 

[3] De qual lugar começo a minha peregrinação?

Do lugar que achar mais conveniente, e depende de vários fatores.

èTempo disponível, do condicionamento físico e da idade.

è Média normal é de 20 a 25 km por dia, e de 30 a 35 dias de caminhada.

 

[4] Tenho que completar a peregrinação sem interrupções?

Não existe a obrigatoriedade de completar a caminhada no mesmo ano. Porém é um costume mais utilizado pelo europeu. Na época de férias tiram alguns dias para fazer parte do caminho.

 

[5] Uma mesma credencial serve para vários anos?

Sim. A mesma credencial pode ser utilizada desde que exista espaço suficiente para carimbar os “sellos” ao longo das etapas.

 

[6] O que é a Compostela?

La Compostela é o nome do certificado oficial que concede a Catedral de Santiago as pessoas que realizam a peregrinação por motivos religiosos. São requisitos necessários além de uma motivação religiosa percorrer a pé os últimos 100 km, ou a cavalo e bicicleta os últimos 200 km.

O documento que atesta o caminho percorrido é a credencial do peregrino. Ao longo do caminho os peregrinos apõem em sua credencial os “sellos” firmados pelas paróquias, albergues, refúgios, pousadas, bares e pessoas representativas dos locais de passagem.

É utilizada de forma errônea a palavra “Compostelana” que se refere à mulher natural da cidade de Santiago de Compostela.

 

[7] Tenho que ir depressa?

Cada peregrino deve caminhar no seu próprio ritmo. Jamais procurar seguir os passos de um peregrino mais veloz. O caminho de Santiago não é uma competição. Poderás ouvir muitas afirmações tais como: Eu fiz o caminho em 30 dias. Não tive nenhum problema para fazer o caminho em 25 dias. Se não tivesse aquela dor na perna teria feito em 20 dias.

 

[8] As pessoas idosas podem fazer o caminho?

Tendo saúde e boas condições físicas não existe nenhum inconveniente, mas é recomendável ir ao médico e a um odontólogo para uma avaliação geral.

Muitas pessoas cansam de transmitir energias positivas e frases de efeito, tais como: Faça o que seu coração manda. Santiaguinho vai te ajudar. As dificuldades que surgirem é para o seu crescimento espiritual, mas poucos falam dos peregrinos que ficaram pelo meio do caminho por motivo de doença ou pela morte.

 

[9] Tenho que fazer algum treinamento?

É conveniente fazer um treinamento com caminhadas crescentes até alcançar 24 km em um só dia. Exercícios de musculação específicos para pernas e coxas, para enfrentar com menor fadiga as subidas, descidas e terrenos pedregosos.

 

[10] Só existe o Caminho Francês?

É o mais conhecido, mais utilizado, com melhor estrutura e boa sinalização. Existe o Caminho Aragonês que é uma ramificação do Caminho Francês, e também está bem estruturado. Os outros caminhos alternativos são os Via de La Plata, do Norte, Primitivo, Português, Costeiro, De La Ria de Arousa, Inglês, Finisterra, de Madrid, Valenciano, Lucense e outros sendo sinalizados.

   

[11] Qual a melhor época para fazer a peregrinação?

A melhor época para realizar uma boa peregrinação é o período da 2ª quinzena de maio até a 1ª quinzena do mês de outubro. Quem gosta mais de frio os meses de maio, setembro e outubro. Quem gosta de forte calor os meses de junho, julho e agosto.

 

[12] O que é Ano Santo? E Ano Jacobeo?

São aqueles em que o dia de Santiago (25 de julho) cai em um domingo. Os próximos anos santos serão comemorados em 2021, 2027, 2032, 2038, 2049, e continuam com intervalos de 6/5/6/11 anos.

 

[13] Qual a época do ano que se encontra maior número de peregrinos?

Nos meses de maio e junho. Em ano santo os meses de junho e julho apesar do calor.

 

[14] Que tipos de hospedagens dispõem o peregrino ao longo do caminho?

De todos os tipos e gostos. Ninguém dormirá ao relento por falta de um teto. Ao longo da rota terá a sua disposição albergues, refúgios, pousadas, hostais e hotéis.

 

[15] Como são os albergues?

Os albergues disponíveis são regidos por normas que delimitam os direitos e os deveres dos peregrinos usuários. Atualmente existem as redes de albergues públicos e privados. Existem horários a serem cumpridos. Suas instalações variam de precárias a excelentes. A permanência nos albergues públicos é de um só pernoite. Os albergues privados possuem normas próprias. Os albergues públicos cobram uma taxa de manutenção de 3 euros, e os privados possuem tabelas que variam de 5 a 12 euros. Os mais caros possuem um conforto comparável a um hostal.

 

[16] Posso fazer reserva de acomodação em albergues?

Em albergue público não pode, mas em casos excepcionais de doença, onde o bom senso deve prevalecer, cabe ao hospitaleiro avaliar cada caso. No caso de albergue privado existe a possibilidade de se efetuar reservas.

 

[17] Só existem trilhas, campos de cultivos e bosques?

Não. Existem os mais variados tipos de terreno. Os Caminhos de terra, as estradas asfaltadas, os pequenos caminhos asfaltados, trilhas de terra, trilhas pedregosas e caminhos especiais para peregrinos ao lado de rodovias (andaderos).

 

[18] Se existe risco de roubo ou furto?

Como em todo lugar no mundo se deve ter cautela e cuidados com seus pertences.   

Principalmente nos albergues organizar uma rotina para que jamais se afaste de seus documentos e dinheiro. Ao dormir coloque sua mochila ao seu lado se possível amarrada na cama.

 

[19] Alguém desistiu da caminhada?

Sim. Existem casos de desistência por desilusão ou motivo de saúde.

 

[20] Algum peregrino morreu?

Sim. Quase todos os anos acontecem mortes de peregrinos por motivo de doença ou acidentes.

 

[21] Qual o risco de ser atacado por cães

Remoto. Geralmente os cães ficam presos e os que estão soltos se afastam na ameaça de um cajado.

      

[22] Se existem bares ao longo do caminho para lanches?

Ao longo do caminho, diversos povoados possuem bares e até mercados, porém não se pode depender muito deles. O motivo é que na Espanha se acorda tarde e nos pequenos povoados não existe uma hora definida de abertura. O normal é encontrar aberto após as 10.00 horas.

 

[23] Se existem mercados nos povoados para compras?

Na grande maioria das paradas existem mercados em condições de abastecer o peregrino principalmente para o lanche do dia seguinte. Ficar atento aos horários de funcionamento.

    

[24] Quais são os artigos mais procurados pelos peregrinos nos mercados?

Material de higiene e artigos para o lanche, tais como, jamon York (presunto cru), jamon (presunto tradicional), queijo fatiado, queijo cremoso, pan molde (pão de forma), croissants, madalenas (bolos), pacotinhos de café e chocolate, tubo de leite condensado, água mineral, frutos secos e naturais e iogurtes naturais.

 

[25] A alimentação diária do peregrino é barata?

Não, apesar de muitos acharem que sim.

Na Espanha todo restaurante é obrigado a ter o cardápio do dia com preços mais baratos.

No Caminho de Santiago o cardápio do dia é chamado de ”Menu Del Peregrino”.

Os preços variam 7 a 12 euros. Tomando por base um cardápio de 9 euros (30 reais).

No Brasil em qualquer restaurante a quilo dá para duas pessoas e mais o refrigerante.

Constam do cardápio normalmente.

Primeiro prato: salada mista ou sopa.

Segundo prato: Uma fatia de carne e batata frita ou cozida.

Sobremesa: Sorvete, flan, pudim ou fruta da época.

Bebida: Vinho ou água.

 

[26] O caminho passa no interior de grandes cidades?

Sim. No caminho francês por Pamplona, Estella, Logroño, Burgos, Sahagún, León, Astorga, Melide e Árzua.

 

[27] As grandes cidades estão bem sinalizadas?

Sim. Através de setas amarelas pintadas, ou conchas no chão ou nos muros. Ao entrar em uma cidade grande normalmente se passa na porta de uma Oficina de Turismo. Entre e peça informações e um mapa da cidade. É conveniente um reconhecimento prévio das saídas de grandes cidades.

 

[28] Existe a necessidade de levar algum tipo de medicamento?

É conveniente levar os medicamentos que costuma utilizar. Consulte o seu médico sobre o que levar para inflamações, febres, bolhas e outros problemas decorrentes em longas caminhadas. Os remédios de uso constante devem ser acompanhados das bulas e receituários, e na quantidade suficiente para toda a viagem.

  

[29] Qual o tipo de mochila ideal?

O tamanho da mochila vai depender do que se pretende levar. Quanto maior a mochila maior a tendência de levar mais coisas. Em média 35/50 litros.

 

[30] O uso do cajado é obrigatório?

O cajado é um símbolo do peregrino. Costuma se dizer que é a sua terceira perna. Um grande apoio nas descidas e lugares com muitas pedras ou lama. Vai depender da adaptação de cada um. A grande maioria o utiliza.

 

 [31] O uso de botas de trecking é indispensável?

É um assunto polêmico. Cada um deve escolher o que mais se adapta ao seu pé. Tem pessoas que tem dificuldade de andar com botas. Já existem tênis de boa qualidade com solado idêntico das botas. Os defensores ardorosos das botas falam que os tênis não resistem às trilhas. Tudo bem. Dos 788,9 km de caminho só 14% são de trilhas.

 

[32] Existe alguma dificuldade de utilização da moeda local?

A moeda utilizada é o euro. Convém levar em média 700 euros em espécie. Os caixas eletrônicos permitem saques diretos em sua conta corrente com cartão internacional. O cartão de bandeira Visa ou Mastercard possuem melhor receptividade.

 

[33] Como é a passagem pela fronteira entre a França e a Espanha?

É fronteira seca com livre transito. O passaporte só é apresentado na Aduana quando se entra no país. É muito raro algum guarda ou autoridade exigir o passaporte durante o caminho.


[34] Como são os banheiros pelo Caminho?  Só os dos albergues?
Os banheiros dos albergues atendem a necessidade durante a estadia nos mesmos. É bom levar sempre a sua reserva de papel higiênico, pois às vezes na hora H com o albergue cheio pode faltar. Durante o caminho existe a possibilidade de usar o banheiro de algum bar do povoado por onde se passa. Agora se surgir uma emergência é no mato mesmo!


[35] Existem chuveiros de uso masculino e feminino?
Geralmente é uma bateria de chuveiros de uso misto. Cada um leva a sua toalha e roupa para o Box. Alguns Box de albergues as cortinas são muito simples. Dá para tomar banho sem nenhuma roupa. As pessoas mais tímidas passam maiores dificuldades, mas com certeza voltarão menos tímidas.

 

[36] Como é que funciona na prática a lavagem e secagem de roupa?
Primeiramente vai depender da época. Com sol e calor as coisas ficam mais fáceis. Se a chegada no albergue é com chuva complica, pois além da demora para secar o espaço físico para pendurar a roupa fica reduzido. Alguns albergues possuem secadoras de roupas que funcionam com moedas e outros tanques comuns. Quando existem muitos peregrinos a fila é inevitável. É um exercício de paciência, pois a demora às vezes é grande. Quando a roupa não seca cada um inventa um meio de carregar por fora da mochila na caminhada do dia seguinte. Daí a necessidade de sempre levar no mínimo um conjunto de reserva de roupas e mais de dois pares de meia.

[37] Qual é o horário de funcionamento de bares e restaurantes?
O horário de funcionamento dos bares é crítico pela manhã, pois alguns bares só abrem após as 10.00 horas da manhã. Atualmente muitos estão abrindo cedo. É bom sempre perguntar ao dono do estabelecimento a que hora vai abrir no dia seguinte.

Em certos locais abrem bem cedo (6.30/7.00 horas) por causa do café da manhã dos peregrinos.

O almoço normalmente entre 14.00/15.00 horas e o jantar 20.00/22.00 horas.

[38] Qual é a média de preço dos Hostais?
Os preços dos hostais variam de acordo com o conforto.
Variam de 18 a 36 euros, mas a média fica entre 28 e 34 euros.

Os mais caros têm banho privativo, TV, calefação, ar etc.

[39] Os hostais tem horário estabelecido como os albergues, ou como os hotéis?
Funcionam como um hotel, mas a maioria não possui balcão de atendimento.

Você recebe a chave do seu quarto e da porta de saída.
Podes entrar e sair sem problemas a qualquer hora.


[40] Como se deve proceder ao chegar a um albergue?
Todo albergue tem a sua norma de abertura e fechamento.
Normalmente os albergues abrem a partir das 15.00 horas, e fecham às 22.00 horas.

Quem chega muito cedo é obrigado aguardar a abertura do albergue.
Com o aparecimento dos albergues privados, que visam o lucro, muita coisa mudou.

Os horários de atendimento são mais flexíveis.
Os albergues públicos possuem um hospitaleiro ou pessoa responsável para receber e manter a ordem no albergue.

[41] Podemos deixar a mochila sobre a cama de um albergue e sair para cidade?
É o costume de todo peregrino deixar a sua mochila na cama o que visualiza que a mesma está ocupada. Os objetos de valor, documentos e dinheiro seguem junto com o peregrino em qualquer lugar. Até mesmo na hora do banho ou necessidades fisiológicas.

[42] Qual a média de horas diárias de caminhada?
Os tempos diários de caminhada variam em torno de 6 a 9 horas.
Depende muito em função do número de paradas para descanso e condições físicas.
  
[43] Qual o horário aproximado do amanhecer e do anoitecer durante o caminho? 
Nos meses de Maio a Julho o tempo de luz é bem maior.
Amanhece às 06.30h e anoitece às 22.00 h
Nos meses de Agosto e Setembro o tempo de luz já começa a diminuir.
Amanhece às 07.30 h e anoitece às 20.30 h
Em dezembro amanhece às 08.30 h e anoitece às 18.30 h

 

[44] Qual o horário aproximado mais indicado para o início da etapa diária?
Sempre que possível logo que tenha claridade suficiente de identificar a sinalização.

[45] É possível caminhar à noite?
Em tempo bom, com céu claro (noites de luar), e trechos amplos e conhecidos é possível.
Aumenta o risco de se perder, e o encontro de um cão de guarda mais afoito em alguma chácara ou galpão.

[46] Existe a possibilidade durante a caminhada de paradas para lanche e almoço?
Depende do costume de cada um. Normalmente as paradas são para descanso e lanche.
Alguns optam em dividir a etapa em duas com a parada para almoço, mas é raro.

[47] O que se leva de lanche na mochila? E de água?

Cada um leva um tipo de lanche a seu gosto. Normalmente um sanduíche de queijo, uma fruta, barra de chocolate ou pequenos bolos chamados de madalenas.
A água depende do tamanho da etapa e do nº. de pontos de apoio. Média de 1 a 2 litros.

[48] O café da manhã é providenciado de véspera?
É sempre bom verificar na chegada ao povoado como funciona a logística do mesmo.

Horários de abertura e o que podem oferecer.
Caso abram muito tarde compre o seu lanche da manhã e o do caminho na véspera.

Procure também saber a sua etapa do dia, e o que os povoados por onde vais passar têm a oferecer.

Muitas etapas possuem muitos lugares para lanche e quase se torna desnecessário carregar um peso a mais.

E o conselho também é para a água. Etapas com longas distâncias entre povoados levar mais água, e etapas menores com maior número de povoados menos água. Fica a critério de cada um a logística diária.

 

[49] Durante a caminhada são vistos muitos peregrinos?
Dependendo da época o número de peregrinos é grande, mas nada impede que se ande sozinho. Época de maior movimento de maio a setembro.

[50] Quanto tempo leva de táxi de Pamplona até SJPP ou Roncesvales?
O percurso entre Pamplona e Roncesvalles é em torno de 50 quilômetros, e a viagem devido ao percurso sinuoso e de aclive da estrada leva 70 minutos em média.
Continuando a Saint Jean Pied de Port que são mais 28 quilômetros teremos mais 30 minutos.

 

Resumo de Etapas do Caminho Francês.

 

- Saint Jean Pied de Port a Roncesvalles (25,7 Km)

Os trechos de aclive com maior dificuldade são de Huntto até o mirante, e do Alto da Cruz até Collado Bentartea e proximidades do Collado Lepoeder. O trecho em declive de maior dificuldade é o de Collado Lepoeder na direção do caminho de bosques a Roncesvalles. Muito cuidado na descida se o terreno estiver escorregadio por causa do mau tempo. No Collado Lepoeder existe a opção de descer por Alto de Ibañeta por pista asfaltada e descida mais suave. Os pontos relevantes da etapa são os aclives dos Pirineus, as belezas naturais, e a descida perigosa do bosque que leva a Roncesvalles.

- Roncesvalles a Zubiri (21,9 km)

Os trechos em aclive de maior dificuldade são de Espinal até Alto de Mezkiritz e de Lintzoain até Alto de Erro. O trecho em declive de maior dificuldade é o de Alto de Erro até as proximidades de Zubiri. As caminhadas entre grandes pedras exigem muito dos joelhos. Os pontos relevantes da etapa alguns frondosos bosques. As trilhas acidentadas foram melhoradas e os caminhos de brita fina acabaram com a maioria das dificuldades em caso de mau tempo.

- Zubiri a Pamplona (22,5 Km)

Os trechos em aclive são suaves, e o declive mais acentuado na localidade de Arleta em direção a Villava. O caminho após Zubiri pela fábrica de cimento foi melhorado. Em Zabaldika um novo caminho alternativo foi criado, mas não está sinalizado como caminho de Santiago. Os pontos relevantes da etapa são as trilhas em áreas muito bonitas as margens do rio Arga, alguns bosques, a trilha em aclive de Zabaldika, e a passagem do caminho pelo centro urbano de Pamplona.

- Pamplona a Puente de La Reina (24,6 Km)

Os trechos de aclive com maior dificuldade são das proximidades do povoado de Zariquiegui até Alto del Perdón. Os trechos de declive de maior dificuldade são de Alto Del Perdón até as proximidades do povoado de Uterga. Os pontos relevantes da etapa são as trilhas nas proximidades de Alto del Perdón, e a descida para o povoado de Uterga através longo caminho de pedras soltas, em torno de dois quilômetros.

- Puente de La Reina a Estella (24,2 Km)

Os trechos de aclive de maior dificuldade são de Puente La Reina até ao povoado de Cirauqui, e na entrada do povoado de Lorca. Os trechos de declive são suaves e sem muita dificuldade. Os pontos relevantes da etapa são as trilhas na subida de Mañeru. As novas trilhas na saída de Puente de La Reina e a conclusão das obras da autovia acabou com as dificuldades existentes para chegar a Mañeru.  Em Villatuerta prestar atenção na sinalização para sair do povoado.

- Estella a Los Arcos (21,6 Km)

O trecho de aclive mais significativo vai da entrada do povoado de Azqueta até as proximidades do povoado de Villamayor de Monjardin. Os trechos de declives são suaves e sem muita dificuldade. Os pontos relevantes da etapa são: Ausência de bosques e lugares desérticos sem sombras. Longos caminhos de terra através vinhedos de Villamayor a Los Arcos. Não se esquecer de levar água e lanche!

- Los Arcos a Logroño (28,8 Km)

O trecho de aclive mais significativo vai da saída do povoado de Torres Del Rio até a região de A Bargota. A região de Bargota está melhor sinalizada e as trilhas recuperadas.  O trecho de declive mais significativo é após a região de A Bargota até as proximidades do entroncamento com a estrada N-111(2,4 km). Os pontos mais relevantes da etapa são as trilhas e pequenas subidas e descidas no trecho de Torres Del Rio até A Bargota. Na região de Pântano de Lãs Cañas próximo a Logroño existem duas sinalizações. Em frente ou à direita. A melhor opção é seguir em frente. Entrada na cidade de Logroño é demorada, mas bem sinalizada.

- Logroño a Nájera (30,1 Km)

Os trechos de aclives mais significativos são do Pantano La Grajera até Alto de La Grajera (2,4 km) e da região de Ventosa até Alto de San Antón (2,8 km). Os trechos de declive são suaves e sem muita dificuldade. Os pontos relevantes da etapa são a passagem pelo parque de La Grajera, e as trilhas com muitas pedras na região de Alto de San Antón. Na região de Alto de San Antón os peregrinos empilham pequenas pedras ao longo da trilha dando um bonito visual. Na região de Sotés duas opções: Passar em Ventosa ou seguir em frente ao Alto de San Anton. Melhor opção seguir em frente!

- Nájera a Santo Domingo de La Calzada (23,3 Km)

O trecho de aclive mais significativo vai da região de Alessanco, após Azofra, até as proximidades do povoado de Cirueña (6,3 km). O trecho de declive mais significativo inicia na região do povoado de Cirueña até as proximidades de Santo Domingo de La Calzada(4,2 km). Os pontos relevantes da etapa são a ausência de bosques e lugares com sombras. Longos caminhos de terra através cultivos e vinhedos. Para o desespero do peregrino na altura do campo de golfe de Ciriñuela foram instalados vivendas de luxo, e o traçado foi alterado ao meio das construções. Atenção com a sinalização!

- Santo Domingo de La Calzada a Belorado (23,4 Km)

O trecho não apresenta grande variação de altitudes. A subida mais importante é o desvio a esquerda da estrada para passar em Viloria de Rioja. Alguns prosseguem pelo acostamento da estrada sem passar por Viloria de Rioja o que diminui o percurso em 1,2 km, e seguindo direto a Villamayor Del Rio. Os pontos mais relevantes da etapa são as longas caminhadas por andaderos, ao lado da estrada N-120, a passagem pelo povoado de Grañón onde está o famoso albergue da Iglesia  San Juan Bautista aos cuidado do Padre Juan Ignácio, e as belas paisagens dos montes entre Grañón e Viloria de La Rioja.

- Belorado a San Juan de Ortega (24,3 Km)

O trecho de aclive mais significativo é de Villafranca Montes de Oca até Alto La Pedraja (4,9 km). Os trechos de declive são suaves e sem muita dificuldade. Os pontos relevantes da etapa são as áreas de bosques a partir de Villafranca Montes de Oca, e o Monastério de San Juan de Ortega.

- San Juan de Ortega a Burgos (26,7 Km)

O trecho de aclive mais significativo começa na saída do povoado de Atapuerca até o Alto de Atapuerca (2,3 km). Os trechos de declives são suaves e sem muita dificuldade. Os pontos relevantes da etapa são as áreas de bosques entre San Juan de Ortega e Agés, e o trecho de aclive por caminhos pedregosos circundando o polígono militar, na direção de Alto de Atapuerca. Após a cruz de madeira do Alto de Atapuerca seguir na direção de Villaval. Sem entrar em Villaval seguir por estrada a Cardeñuela-Riopico e Orbaneja-Riopico. Após Orbaneja-Riopico e cruzamento da autovia surgem duas opções: Seguir em frente por estrada asfaltada que leva direto a Villafría de Burgos, e depois pela Zona Industrial até Burgos. A outra opção e atualmente a melhor é dobrar à esquerda passar em frente ao novo condomínio unifamiliar(área do antigo quartel), e seguir por um novo caminho de terra que contorna as ampliações do Aeroporto de Burgos e prossegue a Castañares. Em Castañares entrar pela N-120 em Burgos. Após o cruzamento da N-120 com a ponte sobre a via férrea pegar à esquerda uma rua que leva ao Paseo do rio Arlanzón. A sinalização do caminho manda seguir em frente, mas o caminho alternativo as margens do rio Arlanzón leva direto ao Arco de Santa Maria no centro de Burgos sem passar pelo movimento intenso e complicado da cidade.

- Burgos a Hornillos Del Camino (21,0 Km)

Os trechos de aclives mais significativos são da saída de Rabé de Las Calzadas até o Alto de Hormaza (4,5 km). Os trechos de declives mais significativos são do Alto de Hormaza até Hornillos Del Camino (2,4 km). Os pontos mais relevantes da etapa são os cuidados com a sinalização na saída de Burgos na região de Villabilla de Burgos e Tardajos. Após Tardajos o caminho de terra foi melhorado e terminou a dificuldade existente na época das chuvas.

- Hornillos Del Camino a Castrojeriz (19,5 Km)

Os trechos de aclives mais significativos são de Hornillos Del Camino até a região de Arroyo Sambol (6,9 km). Os trechos de declives mais significativos são das ruínas de San Miguel até proximidades de Castrojeriz (4,9 km). Os pontos mais relevantes da etapa são: As trilhas da região de Hornillos del Camino ao albergue de Arrroyo Sambol que apesar da ausência de bosques transmite uma paz interior muito grande. As trilhas de Hontanas com mau tempo podem complicar um pouco o caminhar.  O caminho as ruínas de San Miguel e Convento de San Antón nas proximidades de Castrojeriz são os pontos relevantes da etapa.

- Castrojeriz a Frómista (26,2 Km)

O trecho de aclive mais significativo é da saída de Castrojeriz até o marco geodésico da Colina de Mostelares (3,1 km). O trecho de declive mais significativo é após a ultrapassagem da Colina de Mostelares (1,4 km) e o restante dos 7 km por descidas suaves. A Colina de Mostelares e a Ermita Albergue de San Nicolas nas proximidades da puente Fitero (Itero Del Castillo) são os pontos relevantes da etapa. Foram iniciados trabalhos de asfaltamento na região de Boadilla Del Camino.

- Frómista a Carrión de Los Condes (19,5 Km)

Os trechos são suaves e sem dificuldade. O próximo povoado após Frómista é Población de Campos. Na entrada do povoado siga em frente e atravesse a ponte, e logo em seguida aparecerá o andadero de Revenga de Campos. Não há necessidade de passar em Villovieco. A monotonia dos andaderos ao lado da estrada e a passagem pelo povoado de Villalcázar de Sirga são os pontos relevantes da etapa.

- Carrión de Los Condes a Calzadilla de La Cueza (17,2 Km)

Os trechos de aclives e declives são suaves e sem dificuldades. Jamais esqueça a provisão de água e lanche, pois não existem pontos de apoio. A Passagem pelo Monastério e Museu de San Zoilo na saída de Carrión de Los Condes, e os longos e retilíneos caminhos através campos desertos até Calzadilla de La Cueza são os pontos relevantes da etapa. Foram iniciados trabalhos para asfaltamento até Calzadilla de La Cueza.

- Calzadilla de La Cueza a Sahagún (21,6 Km)

Os trechos de aclives e declives são suaves e sem muita dificuldade. Na saída de Calzadilla de La Cueza existem três opções a seguir. A menor e mais cômoda são os novos andaderos ora à direita, ora à esquerda da rodovia, que levam a Sahagún. A monotonia dos longos andaderos, e a falta de bares para um lanche são os pontos relevantes da etapa.

- Sahagún a El Burgo Ranero (17,9 Km)

Na saída de Sahagún cruzar ponte sobre rio Cea, e seguir por andadero (4 kms) ao lado da estrada. Ao término do andadero muita atenção. Cruzar estrada na altura do viaduto que vai a Calzada Del Coto, uma variante do caminho. Ficar atento a um marco branco com a Cruz do peregrino no local que inicia o andadero de El Burgo Ranero.   Os trechos de aclives e declives são suaves e sem muita dificuldade. A monotonia de longos andaderos sem nenhuma sombra e as árvores plantadas de 9 em 9 metros ao longo do caminho que por enquanto não proporcionam áreas sombreadas são os pontos relevantes da etapa. Possui também muitas áreas de descanso ao longo do caminho.

- El Burgo Ranero a Mansilla de Las Mulas (18,9 Km)

Na saída de de El Burgo Ranero retornamos ao andadero das árvores de 9 em 9 metros. Os trechos de aclives de declives não apresentam grandes dificuldades. A monotonia dos andaderos com pouca sombra, e os caminhos retilíneos solitários são os pontos relevantes da etapa.

- Mansilla de Las Mulas a León (18,5 Km)

Os trechos de aclives são médios com destaque para o Alto Del Portillo na entrada da cidade de León. A etapa não apresenta declives importantes. O convívio do peregrino com o tráfego da movimentada estrada N-601, e a passagem do caminho no centro da cidade de León são os pontos relevantes da etapa. Preste atenção a sinalização na rotatória de entrada em León. Uma ponte azul cruza a autovia e leva o peregrino para o lado esquerdo da rodovia evitando o longo desvio para quem segue à direita.

- León a Villadangos Del Páramo (21,0 Km)

Os trechos de aclives e declives são suaves e sem muita dificuldade. A longa saída da cidade de León pela estrada N-120, e a monotonia de caminhar muito tempo em acostamentos e andaderos sem lugares sombreados são os pontos relevantes da etapa. Até a entrada de Villadangos del Páramo foram adaptados novos andaderos de peregrinos.

- Villadangos Del páramo a Astorga (28,7 Km)

O trecho de aclive mais significativo é de Puente de Órbigo ao Crucero Santo Toribio (10,2 km), e a entrada de Astorga. Os trechos de declives são suaves e sem muita dificuldade. Caminhos com muitas pedras na região de Vilares de Órbigo e Santibañez de Valdeiglésias que requerem paciência. A famosa Puente de Órbigo, o Crucero de San Toríbio, o Museu das peregrinações e Catedral de Astorga são os pontos relevantes da etapa.

- Astorga a Rabanal Del Camino (20,6 Km)

Os trechos de aclives e declives são suaves e sem dificuldade, e com destaque para o trecho de El Ganso até a entrada de Rabanal Del Camino (6,0 km). Os pontos relevantes da etapa são os monótonos andaderos ao longo de todo o trecho e o reaparecimento dos bosques nas proximidades de Rabanal del Camino. No entroncamento de Rabanal Viejo uma nova trilha leva até ao Roble Del Peregrino na entrada de Rabanal del Camino. Aos poucos novos andaderos estão tirando o peregrino da estrada sem acostamento.

- Rabanal Del Camino a Ponferrada (32,3 Km)

Uma nova trilha bem sinalizada saindo do povoado de Rabanal Del Camino evita andar pelo asfalto até a entrada de Foncebadón. Após Manjarin uma nova trilha tira o peregrino da estrada até a entrada de El Acebo. Os trechos de aclives com maior dificuldade são de Rabanal Del Camino até Foncebadón e de Manjarin a Estación Militar. Os trechos de declives com maior dificuldade são de Estación Militar até entrada de El Acebo e de Riego de Ambrós até a entrada de Molinaseca. Os pontos mais relevantes da etapa são a passagem pelas ruínas dos povoados de Foncebadón e Manjarin e pela emblemática Cruz de Ferro. Em Ponferrada destaque para o Castillo dos Templários na entrada da cidade.

- Ponferrada a Villafranca Del Bierzo (21,2 Km)

A saída de Ponferrada mais curta e indicada pelos guias antigos é por Cuatro Vientos.O trecho de aclive mais significativo é de Cacabelos até Pieros (1,6 km). Os trechos de declives são suaves e sem muita dificuldade. Os pontos relevantes da etapa são os trechos do caminho passando pela zona industrial de Cuatro Vientos saindo de Ponferrada pela Avenida del Castillo e depois pela Avenida Camino Santiago. Existe uma alternativa do caminho passando por Columbrianos e Fuente Nuevas, mas aumenta o percurso em 3 km e não possuem pontos relevantes de importância. Em Villafranca Del Bierzo destaque para igreja de Santiago na entrada do povoado e em frente do albergue municipal.

- Villafranca Del Bierzo ao Cebreiro (27,9 Km)

Os trechos de aclives com muita dificuldade são da saída de Las Herrerias até La Faba (3,0 km) e da saída de Laguna até entrada do Cebreiro (2,5 km). Os pontos relevantes da etapa são os trechos pelo novo andadero ao lado do rio Valcarce da saída de Villafranca Del Bierzo até Portela de Valcarce, e a subida através bosques fechados de Herrerias a La Faba. Alguns dividem a etapa em duas partes com parada em Trabadelo ou Valcarce.

- Cebreiro a Triacastela (22,2 Km)

Os trechos de aclive com maior dificuldade são de Liñares ao Alto de San Roque, e de Hospital da Condesa até o Alto do Poio (2,2 km). Os trechos de declives com maior dificuldade são os da

chegada aos povoados de Biduedo e Filloval. Os pontos relevantes da etapa são o caminhar através belas paisagens nas regiões de Fonfria, Biduedo e Filloval, e algumas áreas de bosques em As Pasantes nas proximidades de Triacastela.

- Triacastela a Sárria (19,5 Km)

O trecho de aclive mais significativo é de Triacastela até Alto do Rio Cabo (5,2km). Os trechos de declives são suaves e sem muita dificuldade. Os pontos relevantes da etapa são os bosques fechados, as trilhas e caminhos com muita vegetação e muitas áreas de sombras. É um dos mais belos trechos do caminho de Santiago. É aconselhável levar lanche, pois a etapa passa por muitas localidades pequenas e sem apoio de bares e similares.

- Sárria a Portomarin (22,9 Km)

Os trechos de aclives de maior dificuldade são na saída de Sárria e a subida até a velha cadeia. Os aclives seguem por áreas de bosques até Ferreiros. Após Ferreiros poucos aclives e muitos caminhos asfaltados por pequenas localidades. Os declives são muito poucos, e somente a descida final ao Embalse Belezar requerem um pouco de cuidado com os joelhos. Os pontos relevantes da etapa são as trilhas e bosques na saída de Sárria e a entrada de Portomarin pela ponte do Embalse Belezar.

- Portomarin a Palas de Rei (25,0 Km)

O trecho de aclive de maior dificuldade é de Portomarin até Ventas de Naron (10,8 km). Os trechos de declives não apresentam muitas dificuldades. O ponto relevante da etapa é a grande proximidade entre si de pequenos povoados a partir de Gonzar (sete povoados ao longo de 15 km).

- Palas de Rei a Arzua (28,7 Km)

O trecho apresenta uma grande quantidade de aclives e declives de pequenas distâncias.  É uma etapa de muito desgaste físico pela topografia do terreno. Os pontos relevantes da etapa são as áreas de bosques de Leboreiro, Furelos, Boente e Ribadiso de Baixo. O albergue de Ribadiso de Baixo é considerado um dos mais cativantes do caminho pela sua praia de rio. É muito procurado pela dificuldade da etapa e pela beleza. Não recomendável na época de chuvas e no inverno. Existe a possibilidade de dividir a etapa com uma parada em Melide.

- Arzua a Arca de Rua (19,9 Km)

Os trechos de aclives e declives não apresentam dificuldades. Os pontos relevantes da etapa são muitas áreas de bosques ao longo dos povoados Calzada, Calle, Salceda e Empalme.

- Arca de Rua a Santiago de Compostela (21,6 Km)

Os trechos de aclives são de alguma dificuldade pelo acúmulo do cansaço e a ânsia de chegar. As subidas da última etapa estão na região de Amenal até Cimadevilla, e da região de Labacolla a Villamayor. Os trechos de declives não apresentam grandes dificuldades. Os pontos relevantes da etapa final a Santiago de Compostela são os grandes bosques de eucaliptos nas regiões de San Antón, Cimadevilla e San Paio. Depois de Lavacolla começam as estradas secundárias até o centro urbano de San Marcos com destaque para o monumento San Francisco peregrino, e o albergue Monte Del Gozo. Uma pequena descida, e as últimas escadas que dão acesso ao cruzamento da auto-estrada A-9. Mais a frente seguindo a sinalização moderna da cidade dobramos à esquerda na Avenida dos Concheiros. Seguindo a sinalização ao longo da Calle San Pedro logo o peregrino chega a Puerta Del Camino. A partir daí faltam 500 metros para chegar a Catedral de Santiago de Compostela. E aí é partir para o abraço ao SANTO!

 

Resumo das Etapas alternativas do Caminho Francês.

 

- Saint Jean Pied de Port a Roncesvalles – Via Valcarlos (26,0 km)

Saindo de Saint Jean Pied de Port pela estrada D-933 logo cruzamos o riacho Petite Nive ou La Nive d’Arneguy. E sempre ao lado do rio, e com o rio sempre a vista o caminho segue por um estreito vale. Após cruzar a fronteira da França com a Espanha na região de Las Ventas o caminho prossegue para Arnéguy, e depois pela estrada N-135 na direção de Valcarlos. Depois por estrada até a região de La Ortiga. Um aclive forte no Caminho de Zabaleta até a Casa Guardiano na beira da estrada, e mais a frente o Alto de Ibañeta. Os pontos relevantes são a subida forte do Camino Zabaleta, o monumento de Roldán no alto de Ibañeta, e os bosques da região de Roncesvalles.

- La Virgen Del Camino a Hospital de Órbigo – Via Vilar de Mazarife (30,9 km)

Após La Virgen Del Camino um caminho à esquerda da estrada leva aos pequenos povoados de Fresno Del Camino, Oncina de La Valdoncina, Chozas de Abajo até Vilar de Mazarife. É uma opção que livra dos andaderos da N-120, mas aumenta o percurso e fatalmente obriga o peregrino pernoitar no povoado de Vilar de Mazarife. Após Vilar de Mazarife o caminho continua paralelo ao longo da estrada N-120, pelo lado direito até Villavante. Após Villavante o caminho segue até cruzar a estrada N-120 e retornar ao caminho principal em Puente de Órbigo.

- Ponferrada a Camponaraya - Via Columbrianos (10,2 km)

A sinalização atual em Ponferrada conduz o peregrino a uma enorme volta ao redor de Ponferrada, e a certo momento uma impressão de retorno ao invés de avanço. Quase que totalmente por asfalto se faz um longo percurso no interior da cidade para passar em Columbrianos e Fuente Nuevas antes de chegar ao caminho principal em Camponaraya.

- Triacastela a Sárria  - Via Samos (23,8 Km)

Na saída de Triacastela para ir a Samos pegamos a estrada asfaltada à esquerda. São 4,3 km no acostamento da estrada LU-634 até a entrada de San Cristobo o Real. A partir daí bosques e trilhas passando por Renche. Após Samos alguns andaderos, caminhos asfaltados e trilhas no interior de bosques. Na região de San Mamede chegamos ao caminho principal na direção de Sárria.

 

Resumo de etapas do caminho aragonés  - Via Foz de Lumbier


1)Puerto Somport a Canfranc Pueblo (11,8 Km)

O caminho aragonês ao contrário do francês inicia na parte mais alta acima dos 1.600 metros com tendência de declives até chegar a Canfranc Pueblo com altitudes médias de 1.100 metros.Os trechos de aclives são esporádicos por trilhas de montanha eixadas na rodovia N-330, e apresentam algumas regiões empedradas que requerem cuidados. Os trechos de declives são por trilhas de montanha e bosque e não apresentam dificuldades significativas. Os pontos relevantes da etapa são as belas paisagens dos pirineus aragoneses, as regiões com piso empedrado, e as trilhas nas margens do rio Aragon. Cuidados especiais em caso de chuva ou neve.

 

2)Canfranc Pueblo a Jaca (20,1 Km)

Os trechos de aclives são esporádicos e sem grandes dificuldades. Os trechos de declive são suaves e não apresentam dificuldades. Os pontos relevantes da etapa são as trilhas e caminhos ao longo do rio Aragon, alguns bosques e a beleza das paisagens locais. Atenção nos acostamentos de estrada e sinalização.

 

3)Jaca a Puente de La Reina de Jaca (19,4 Km )

Os trechos de aclives e declives não apresentam grande dificuldade. A saída de Jaca pela GR 65.3 inicia nas proximidades da Puente de San Miguel.(Ver localização no mapa da cidade). A saída é por pista de terra do caminho Mocorones e leva a região do cemitério de Jaca, e depois a puente do Gaz. Na região de puente do Gaz o caminho se divide entre a GR 65.3 a Santa Cilia de Jaca e GR 65.3.2 a Atarés e San Juan de La Peña. O caminho tradicional segue a Santa Cilia de Jaca eixado na estrada N-240, e depois a Puente de La Reina de Jaca. Os pontos relevantes são  a Catedral de Jaca, Ciudadela e Museu das miniaturas e a Puente de San Miguel. Se o pernoite for em Puente de La Reina de Jaca abandonar a sinalização e entrar no povoado pela ponte sobre o rio Aragon. No caso de pernoite no albergue de Arrés não cruzar a ponte e seguir em frente por estrada.


4)Puente de La Reina de Jaca a Artieda (20,6 Km)

Retornar ao caminho pela ponte do povoado de Puente de La Reina de Jaca. Não há necessidade de seguir para Arrés. O trecho de aclive de maior dificuldade é o da região de Mianos até o povoado de Artieda. É uma subida constante de quase 4 quilômetros. Os pontos relevantes da etapa são as estradas e caminhos de terra através áreas desertas e sem sombras. É um trecho solitário que exige paciência, e que não pode faltar a água e nem o lanche, pois não existe apoio logístico.


5)Artieda a Undués de Lerda (22,5 Km)

O trecho de aclive de maior dificuldade é da região de Ruesta até a entrada de Undués de Lerda. É uma subida constante na região de Pena Musera e através bosques de pinus e caminhos de terra, mas com pouca sombra (7,8 km). Os trechos de declives são suaves e não apresentam grandes dificuldades. Os pontos relevantes da etapa são as trilhas e bosques na direção Ruesta (2,8 km), a subida constante e cansativa da Peña Musera após Ruesta, e a entrada de Undués de Lerda por  calzada romana.

 

6)Undués de Lerda a Lumbier (21,2 Km)

Os trechos de aclives e declives são suaves e através amplos caminhos de terra chega-se até Sangüesa. Após Sangüesa por estrada seguir até Liédena. Após cruzar a ponte sobre o rio Irati logo em seguida entra-se à esquerda na área da antiga estação do trem de Irati. Após a estação inicia o Parque da Foz de Lumbier.O ponto relevante da etapa é a passagem pela Foz de Lumbier e seus dois túneis. Para cruzar os túneis da antiga ferrovia Irati  é necessário o uso de um boa lanterna. Após a foz o caminho prossegue ao povoado de Lumbier. Na entrada do povoado está o Hostal Irun-Bide único ponto de apoio logístico.

 

7)Lumbier a Monreal (18,5 Km)

A saída de Lumbier é pela estrada sinalizada com uma seta amarela. Prestar bem atenção! Após quase dois quilômetros pela estrada que leva a Tafalla uma seta amarela ou verde indica abandonar a estrada por um caminho de terra à direita. É um caminho amplo e sinalizado após o término das obras da autovia. A sinalização de setas verdes ou amarelas levam ao povoado de Nardués. O caminho após Nardués segue pela rodovia sem entrar em Aldunate na direção do Alto de Loiti. Após o Alto de Loiti o caminho segue na direção de Izco por caminhos de terra a Abinzano, Idocin, Salinas e Monreal.

Os trechos de aclives de maior dificuldade são os da região de Lumbier até a entrada do povoado de Nardués (3,0 km) e a subida ao Alto de Loiti (2,4 km). Os trechos de declives são suaves através amplos caminhos de terra.

 

8) Monreal a Puente de La Reina (26,3 Km)

A Saída de Monreal é pelo interior do povoado. Muita atenção na sinalização da trilha que leva a Yárnoz. Aclives e declives contínuos e fortes contornando ao pé da Serra de Alaiz. Passagem pelos povoados desertos e sem apoio de Yárnoz, Otano, Ezperun e Guerendiain. Todos os povoados têm uma ligação à direita com a estrada secundária que leva a Tiebas. Antigamente existia a possibilidade de seguir por estrada, mas o tráfego da região aumentou bastante e um canal de irrigação dificulta o acesso. Após Tiebas o caminho prossegue à esquerda do campo de futebol na direção de Muruarte de Reta, Olcoz e Enériz por trilhas áridas e sem sombras. Após Eneriz caminho amplo a Ermita de Eunate. A sinalização indica a Obaños, mas estrada à esquerda leva direto a Puente de La Reina.

 

Resumo de etapa do caminho aragonés  - Via Rocaforte


Sangüesa a Monreal (26,8 Km)

A saída é pela ponte sobre o rio Irati na direção de Liédena. Após pouco mais de um quilómetro uma seta amárela indica o camino na direção de Rocaforte. São caminos e trilhas de forte aclive até Alto de Aibar. Após Aibar um declive forte e em seguida outro aclive ao Alto de Loiti com predominancia de trilhas áridas. Após Loiti declives acentuados na direção de Izco, Abinzano, Salinas de Ibargoiti e finalmente Monreal. Os pontos relevantes da etapa aclives e declives de Alto de Aibar e Alto de Loiti, e trilhas e caminhos áridos a Izco. Não esquecer do lanche e da agua por falta de apoio logístico.

 

Resumo de etapa do caminho aragonés  - Via San Juan de La Peña / GR65.3.2

 

- Jaca a San Juan de La Peña (23,6 Km)

Saindo de Jaca na região de Puente San Miguel a GR 65.3 sinaliza um camino de terra pela região de Mocorones até o cemitério de Jaca na estrada N-330. Logo após outro camino de terra pela região de Botiguera até a puente do Gaz na estrada N-240. Na puente do Gaz um camino à esquerda indica a GR 65.3.2 de Atarés e San Juan de La Peña. Inicialmente por amplo camino de terra, e depois trilhas de mata com aclives fortes na direção de barranco Payal e pico Sarratiés. Alcançado o collado Sarratiés iniciam declives por trilhas pelo barranco Baguá ao pequeño povoado de Atarés.

Após Atarés um camino de terra até a puente do rio A Bal, e inicio das trilhas com aclive forte na direção do barranco da Foz e Albor até alcançar o alto da serra e chegando na estrada de San Juan de La Peña. Uma trilha à direita tira o peregrino da estrada na direção do Collado Cuatro Caminos. Na sinalização de Cuatro Caminos escolher Monastério San Juan de La Peña Nuevo onde está a nova Hospedria de San Juan de La Peña.

 

- San Juan de La Peña a Puente de La Reina de Jaca (19,5 Km)

Retornamos até o Collado Cuatro Caminos e seguimos agora a seta indicadora a Santa Cruz de Los Serós. Por trilha inicia descida da serra de San Juan de La Peña até o povoado de Santa Cruz de Los Serós. Logo na saída do povoado um ligeira subida saindo do vale na direção do povoado de Binacua. Trilhas e caminhos sem dificuldade até o povoado, e na saída de Binacua já se vê o povoado de Santa Cilia de Jaca e retorno a GR65.3 do caminho aragonês. Após Santa Cilia de Jaca nada mais do que seguir a sinalização tradicional.

 

Observação: O caminho da GR65.3.2 exige paciência e boas condições físicas. Necessita de bom tempo, pois as trilhas em alguns trechos são pontos de escoamento das águas. Não possui apoio logístico em Atarés e Binacua. São trilhas de montanha que exige atenção na sinalização.

  VOLTAR