DICAS FINAIS


DICAS FINAIS

•  Ao arrumar sua mochila pense bem e lembre-se de uma das leis da Física: todos os corpos possuem massa, logo tudo tem um peso relativo. A soma muitas coisas leves é algo que vai pesar ao longo dos dias. Procure ser prático. Não imagine que tudo de ruim vai acontecer com você. Leve apenas o imprescindível. Se precisar compre ao longo do Caminho.

•  Não corra risco de uma hipoglicemia saindo pela manhã para caminhar sem se alimentar convenientemente. Coma pelo menos uma fruta, de preferência uma banana que é rica em potássio, tome um café com leite e coma o equivalente a um pão de 50 gramas.

•  Não deixe para beber água somente quando tiver sede. A sede já é um dos sintomas da desidratação. Beba líquidos de hora em hora pelo menos 500 ml. Você pode não perceber, mas seu corpo transpira e elimina água e sais minerais importantes para sua hidratação.

•  Não se alimente abundantemente no horário do almoço se a sua pretensão é caminhar logo em seguida. Coma um sanduíche caprichado e uma fruta por volta das 12 horas e deixe para jantar com fartura.   

•  Sempre que for iniciar a sua caminhada ou quando parar para descanso, faça pelo menos de 3 a 5 minutos de alongamento. O seu pescoço, ombros, braços, quadris e pernas vão agradecer.

•  Ao sair pela manhã se a temperatura estiver fria, saia agasalhado, faça o seu alongamento e aos poucos vá acostumando a sua temperatura interna com a externa. O choque térmico da temperatura ambiente (fria) com o seu corpo (quente) pode lhe ocasionar um estiramento muscular, uma contratura, ou um torcicolo daqueles que você não vai se esquecer nunca mais.     

•  Beber um vinho enquanto você caminha é ótimo, mas só o faça se você tem hábito de beber vinho, pois a bebida alcoólica desidrata, vai lhe causar mais sede, e pode provocar um problema intestinal..       

•  Leve sempre na sua mochila uma barra de chocolate, um sanduíche e uma fruta, para fazer o seu lanche no Caminho, porque você pode passar por um pueblo e não encontrar nada funcionando. Não deixe também de ter um rolo de Papel higiênico na mochila. Nem sempre tem nos bares ou até nos albergues, é você só dará o valor exato a esse item quando precisar dele.      

•  Normalmente as fontes de água pelo Caminho são potáveis. Em caso de dúvida compre uma garrafa de água na tienda. Se você se preocupa mesmo com o fantasma da contaminação nem peça para colocar gelo no copo. Aliás nem peça o copo que pode estar mal lavado. Se não for bebida em lata, beba direto da garrafa sem encostar a boca no gargalo. Não vale a pena correr o risco de ter uma infecção intestinal.       

•  Mesmo que você vai deixe ao acaso onde parar, antes de sair do albergue pela manhã procure saber a infra-estrutura existente nesta etapa, onde estão as tiendas, distâncias a percorrer na sua proposta de caminhada naquele dia, mesmo que você não a cumpra integralmente. Isso vai lhe dar confiança e segurança.

•  Procure também saber o que o albergue seguinte onde você pretende pernoitar lhe oferece, se tem cozinha ou não, se tem restaurante ou não na localidade, para não ter surpresas desagradáveis. 

•  Embora seja difícil encontrar, se surgir um cão com olhar de poucos amigos, procure não perder a calma ou manifestar medo (eu sei que é difícil). Não faça gestos bruscos. Dizem que diante do medo nosso corpo libera endorfinas e adrenalina que o animal percebe com o seu faro e pode vir a atacar, mas não abra mão da sua defesa. Use sem titubear e com energia o seu cajado. Normalmente os cães que estão soltos são dóceis, e se você não resiste a fazer um afago, não coloque nunca a sua mão por cima da cabeça do animal, pois ele pode se assustar (seus olhos funcionam como lentes que aumentam o tamanho de tudo). Assim aproxime a sua mão por baixo da boca do animal para que ele sinta primeiro o cheiro da sua mão, e  ofereça um petisco que você previamente tirou da mochila (se ele gostar do cheiro da tua mão pode ser que ele te dê uma mordida por gostar do cheiro em vez de optar pelo petisco).

•  Não acredite nunca que para baixo todo santo ajuda. Sirva-se do cajado para travar o ímpeto da descida e para não maltratar os joelhos. Siga as recomendações dos fabricantes de automóveis e da sinalização das estradas: use a mesma marcha para subir e descer.     

•  Peregrino não é boiada onde todos caminham juntos, muito menos é novela para ser acompanhado. Essa é uma regra geral. Cada um tem o seu Caminho e seu ritmo próprio. Logo, siga seus passos e mantenha uma regularidade para caminhar.

•  Você não está no Caminho de Santiago para ficar estressado. Converse com as pessoas dos pueblos, com os pássaros, com as árvores, com os rios, com as pedras, com as nuvens, com o sol, com as estrelas, com a lua, e não veja nisso um sintoma de loucura.   

•  Não deixe chover a cântaros para colocar a sua capa de chuva. É melhor parar ao perceber que o tempo fechou, colocar a capa com calma. Se não chover você para de novo e tira a capa. Você não vai perder mais de 5 minutos com essa atividade. Muito pior será fazer tudo correndo e rasgar a capa, sujar a mochila, e ter estiramento muscular correndo da chuva. Acredite, essa também é uma regra quase infalível. Se o tempo na Espanha fechar é porque vai chover mesmo.

•  Ao parar de chover permaneça pelo menos uns 15 minutos com a capa para escorrer o máximo possível a água da chuva da sua capa para guardá-la e não ficar com mau cheiro e molhar outros pertences. Ao chegar no albergue coloque-a para secar.       

•  Preferencialmente caminhe pelos "andadores" que existem nas margens das rodovias (carreteras) mas se for inevitável caminhar pelo acostamento das estradas caminhe sempre pela contramão, pois assim você estará vendo o veículo que vem na sua direção.  

•  Não caminhe jamais olhando para o chão. Mantenha os seus olhos para o horizonte e sempre que possível pare e olhe um pouco para trás e veja o quão belo é o percurso que você já percorreu.   

•  Mantenha extremo cuidado ao transitar nos grandes centros urbanos. Você estava no meio de bosques, vales e belas paisagens que certamente o deixou enebriado e assim você pode ficar meio desligado dos perigos do trânsito urbano e não ter a atenção devida para atravessar uma rua ou um semáforo.       

•  Não pense que violência urbana só tem no Brasil. Na Espanha também tem. Então cuidado com sua pochete, seu cartão de crédito, sua mochila, ou sua bicicleta. Evite mostrar o total de dinheiro que você tem. Leve no bolso somente o necessário para uso naquele dia, o resto guarde bem guardado.

•  Tire uma cópia xerox da sua passagem aérea, do seu passaporte e até mesmo do seu cartão de crédito. Você não está livre de perdê-los ou tê-los roubados, com a cópia fica mais fácil obter uma segunda via ou fazer uma reclamação.

•  Leve sempre na sua mochila em local acessível uma lanterna de bolso pois será muito útil todos os dias (ou noites como queiram). Um dos mandamentos dos albergues é que quando a luz de seu quarto for apagada por algum peregrino, não é aconselhável acendê-la novamente. Quem a apagou deve estar cansado e o descanso é sagrado no Caminho. Ao retornar de um passeio noturno, aquela lanterna com pilhas "palito" pode representar o único meio de você encontrar novamente a sua cama. Na manhã ou madrugada (lembre-se que na Espanha custa para clarear) se você resolver deixar o albergue e precisar mexer na mochila a lanterna vai ser fundamental para lhe ajudar a achar os seus pertences sem incomodar ninguém. Não precisa ser uma lanterna de escoteiro daquelas enormes, uma pequena com um ou duas pilhas palito no máximo já dá para iluminar bem.

•  Não leve aqueles canivetes suíços múltiplos. Eles pesam muito e você só precisa no máximo de um conjunto de faca, garfo e colher de plástico que pode ser levado no bagageiro do avião. Se for levar do Brasil um saca-rolhas, tesourinha para cortar unhas ou algo parecido ponha na mochila e despache a mesma, pois esses equipamentos não são permitidos que você leve consigo dentro do avião. As regras de segurança atuais não permitem sequer embarcar com um cortador de unha.

•  Leve somente o estritamente necessário e nada mais. Lembre-se de que você terá que carregar todo o seu equipamento durante muitos quilômetros e a experiência mostra que a sobrecarga na mochila acabará minando suas energias e prejudicando seu corpo. Os postos dos correios, por todo o Caminho de Santiago, são as maiores testemunhas do número de pacotes que os peregrinos enviam para suas casas ou diretamente para o correio central de Santiago para aliviarem o excesso de peso. Caso você acabe levando algo a mais, não deixe que um peso sem utilidade comprometa seu Caminho. Muitas coisas "essenciais" passarão a ser "supérfluas" após você ter que carregá-las por alguns dias. Envie de volta para casa tudo aquilo que você não precisar. Distribua ou troque o desnecessário pelo essencial. Nada que é indispensável tem peso excessivo, porém tudo o que é supérfluo sempre pesa demais. Esta é uma das lições mais belas do Caminho e também uma das mais duras.

•  Os primeiros dias são os mais "puxados" com subidas e descidas ingrimes. A preparação física é importante.

•  As setas amarelas são os anjos do Caminho do peregrino. Se após caminhar 500 metros ou mais de 10 minutos e não avistar nenhuma delas em uma árvore, numa pedra, numa parede, volte e procure a última seta avistada e retome o Caminho certo. Na Navarra além das setas amarelas há também uma bandeirinha vermelha e branca horizontal que indica o Caminho, pois ele tem o mesmo itinerário da GR-65 (Gran Randonée-65). Pode seguir sem susto se não tiver a seta amarela.

•  O peso da mochila propriamente dita e do seu conteúdo é fundamental. Só leve o que é estritamente necessário. A mochila ideal vai de 40 a 50 litros no máximo e não deve pesar muito mais que 8 quilos (o conjunto).

•  O que garante a sua cama no albergue é você ao chegar estender o seu saco de dormir sobre a cama. Mochila em cima da cama, além de ser falta de higiene, não garante o seu espaço.

•  Se você vai sair de SJPP e não vai parar em Huntto ou Orisson (que tem albergues) lembre-se que são 26 km. havendo somente uma fonte de água no Caminho sem possibilidade de compra de alimentos. Então, aprovisione-se. Leve seu lanche.

•  Bota amaciada é o ideal. Não deixe para testar ou amaciar suas botas no Caminho: é bolha na certa.

•  Sempre esvazie as suas garrafas de água, lave-as bem para depois enchê-la. Não use a técnica de somente completar. Pode haver contaminação e proliferação de fungos ou bactérias (pela ação solar) provocando uma infecção intestinal.

•  O uso do cajado é muito mais que um ritual. É uma necessidade. Não vá na conversa de "ganhar" um do Pablito. Até Asqueta você já terá andado mais de quatro dias sem cajado por trechos ingrimes que o uso do cajado vai minimizar o impacto e proteger suas articulações dos membros inferiores. Compre um em SJPP, Roncesvalles, ou onde iniciar o seu Caminho, ou então leve daqui do Brasil.

•  Em Roncesvalles logo que chegar reserve em um dos dois hostais o seu jantar. Senão você vai ficar sem ter o que comer. A missa é as 20 horas, o jantar as 21 e o albergue fecha as portas as 22 horas.

•  Faça sempre uma pausa para descanso a cada hora ou no máximo a cada duas horas. Alongue suas pernas e sua coluna. Tire as botas, deixe seus pés respirarem. Se for perto de um rio, deixe seus pés de molho: vai haver vasoconstricção. Seus pés vão adorar. Depois massageie-os e seque-os bem com álcool de Romero (vendido na Espanha em qualquer farmácia) para não dar bolhas.

•  Não deixe para beber água somente quando tiver sede. A sede já é um sinal de desidratação.

•  Ao chegar no albergue converse com o hospitaleiro sobre os albergues e tiendas que existem na etapa do dia seguinte. Planeje-se para evitar surpresas desagradáveis com relação a alimentação e condições de acomodação.

Colaborador: Tácio Renato (AACS-Brasil)

   ‎VOLTAR