FINAL


SER PEREGRINO!

(por Jana Carvalho)




O PEREGRINO é aquela pessoa que decide sair da sua zona de conforto e coloca-se em movimento!

É quem decide deixar tudo para trás, livrando-se dos pesos e excessos, ficando somente com o ESSENCIAL.

É desapegar-se!

SER PEREGRINO é saber que uma jornada só começa com o PRIMEIRO PASSO.

É CONFIAR no porvir, sem saber o que lhe espera depois da curva.

É ENTREGAR-SE ao que tiver que ser e SEMPRE SEGUIR.

É a cada passo, se aproximar de seu interior e aprender a ouvir o próprio coração…

É ACEITAR QUE TEMOS LIMITES, no corpo e na mente.

É Saborear e “suportar” o incontrolável poder da natureza (no calor x no frio, no sol x na chuva, de dia x a noite)!

Ser PEREGRINO é esquecer as horas e os quilômetros, vivendo intensamente o que se apresenta na sua frente, naquele momento!

É estar aberto ao novo e ao que tiver que ser!

É estar comprometido com o PRESENTE!

Ser peregrino é simplesmente seguir sem saber quanto tempo falta para chegar…

É saber que tem que continuar a avançar, mesmo cansado.

Ser peregrino é ter a humildade para pedir ajuda e partilhar o pouco que se tem e sabe!

É valorizar as pequenas coisas e expressar a gratidão!

Ser peregrino é decidir escolher o seu próprio caminho, sem transferir a responsabilidade para ninguém.

É respeitar o seu próprio tempo e ritmo para seguir adiante!

Ser PEREGRINO é caminhar na direção desejada com fé, coragem, determinação e CLAREZA!"

Será que você é um peregrino da vida? 

Fonte: www.janacarvalho.com


A Catedral Compostelana, sempre um sonho!


FINAL

"O que dá valor à viagem é o medo. É o fato de que, num determinado momento, quando estamos bem longe do nosso país, somos tomados por um medo vago, e um desejo instintivo de voltar para a segurança dos velhos hábitos. É este o benefício mais óbvio das viagens. Naquele momento estamos febris, mas também muito abertos, de modo que o mais leve toque nos faz tremer nas profundezas de nosso ser. Deparamo-nos com uma cascata de luz e já não há eternidade. É por isso que não devemos dizer que viajamos por prazer; não existe prazer em viajar, e eu olho para isso mais como uma ocasião de um exame espiritual." (Albert Camus )


Certificado de Distância, atestando que percorri 280 quilômetros, desde a cidade do Porto.

Antes de partir para o desconhecido Caminho Português da Costa, fiz uma análise de meus anseios e cheguei a conclusão de que quando estivesse sozinho, caminhando na escuridão da madrugada, eu teria que conviver com meus medos, atropelar as vacilações, driblar o cansaço, espantar o mau humor e estar sempre me automotivando.

Ainda, expor a mim mesmo e aceitar numa boa meus limites e fraquezas, manter a serenidade, mas com coragem, caminhar em silêncio, mas espantar o tédio, teria que apurar minha sensibilidade, contornar as “preguiças”, dar um chega pra-lá no desânimo e tomar todas as iniciativas, olhar mais para fora que para dentro, curtir o frio, a chuva, o perigo, a solidão e permanecer alegre e confiante apesar da incerteza de chegar.

Mais do que isso, para sobrepujar esse Caminho, eu teria que controlar minhas emoções e manter a lucidez para tomar decisões, então, como eu reagiria a todos esses desafios?

Era justamente isso o que mais me fascinava.

Pois bem, o Caminho Português da Costa foi um dos mais belos e emocionantes roteiros que já percorri, pois grande parte da jornada, aproximadamente, 200 quilômetros, transcorreu por estradas localizadas próximas ou junto à orla do Oceano Atlântico.

Ademais, trata-se de um Caminho muito bem sinalizado, que conta com uma excelente rede de albergues/hotéis e oferece em seu traçado interior, o trânsito por locais de expressiva beleza e quietude.

Tudo isso, em um percurso que ainda não se encontra massificado, além de possuir uma gastronomia superlativa, o que converte essa maravilhosa aventura em algo inesquecível para o peregrino.


Minha 13ª Compostela, que guardo com muito carinho e ótimas lembranças.

Tanto que hoje, esse roteiro se converteu em excelente alternativa para aqueles que desejam fugir de uma Rota muito concorrida, ou busquem uma peregrinação menos trivial e mais espiritual.

No global, esse Caminho impressiona, sobretudo, por sua beleza natural com as praias, as baías e os portos pesqueiros aí encravados como, por exemplo, as inesquecíveis vilas de Baiona e A Guarda.

Acresça-se, que ele discorre por um território com alta densidade urbana, contudo, perpassa por poucas cidades grandes ou médias; em compensação, contém extrema urbanização em seu percurso, um reflexo da intensa exploração urbanística intentada na costa portuguesa e espanhola, com consequências desoladoras aos caminhantes.

Nesse sentido, importante ressaltar que dos 280 quilômetros que caminhei, aproximadamente, 75% desse montante o foram em asfalto, um tormento para os pés.

Apesar desses fatores, retornei encantado com a recepção que obtive das pessoas que residem ao largo desse roteiro, bem como pelas belas localidades que tive a oportunidade de conhecer, com ênfase especial para a fantástica cidade de Viana do Castelo, que muito me impressionou.


Bom Caminho a todos!

Novembro/2018