A VIAGEM


A VIAGEM

"Por que o peregrino retorna a algum caminho? O peregrino retorna porque descobriu que gosta de caminhar, porque sente satisfação em concluir uma jornada. Ele descobriu que o mundo não é apenas o lugar onde vive, descobriu outras pessoas. Descobriu que pode ir além do portão da sua casa, que a natureza pode ser tocada, que as árvores podem ser abraçadas, que pode tomar banho nos rios, subir montanhas, olhar as estrelas. Todo o homem tem de dar dois passos: primeiro, aceitar-se a si mesmo; segundo, ser exigente para consigo mesmo. Sem o primeiro, caminha-se para a amargura; sem o segundo, para a mediocridade." (José Luís Martín Descalzo)


Mão do Carmo, a vossa benção!

Agosto, um mês que guardo doces lembranças, porque nele vieram ao mundo minhas 3 netas, prorrompeu atípico: calorento e pouco ventoso em relação aos anos anteriores.

Também, pela ausência de chuvas há mais de 60 dias, a umidade baixava a níveis preocupantes após as 11 horas.

Ademais, a poeira grassava forte pelas estradas rurais, outro elemento desencorajador para um caminhante.

Tudo conspirava contra a minha pretensão de ir percorrer novamente o Caminho da Prece, porém, me lembrei que havia compromissos em curso, para um futuro breve.

Dessa forma, resolvi afrontar tais adversidades, lembrando que todos os caminhos são sagrados, e eu tinha necessidade de me reconectar novamente com o infinito, fazer uma análise interior e refletir sobre a vida.
 

Uma das praças existentes em Jacutinga/MG.

Assim, deixei o conforto do meu lar e embarquei num ônibus que, após duas horas de viagem, me deixou na rodoviária de Jacutinga/MG.

Na sequência, me hospedei no Hotel Gandhi, onde havia feito reserva. 


Hotel onde me hospedei em Jacutinga.

Lá, por R$50,00, pude dispor de um excelente quarto individual, limpo e agradável.

Aproveitei a ocasião para ali mesmo adquirir minha credencial peregrina e uma camiseta alusiva ao Caminho da Prece.

Depois saí passear.



JACUTINGA/MG


Antiga estação da Estrada de Ferro.

Minha chegada a Jacutinga deu-se no início da tarde, com tempo suficiente para dar um giro pela agradável cidadezinha, colonizada por italianos, que se destaca por sua pujante economia.

Ela é, na verdade, apesar de contar com apenas 23 mil habitantes, uma referência nacional na fabricação de malhas e tricô, formada por mais de mil unidades produtivas, popularmente chamadas de "malharias".

Como bom católico, primeiramente, fui visitar e fotografar a igreja matriz da cidade, cujo padroeiro é Santo Antônio. 


Igreja matriz de Jacutinga/MG.

No interior do templo, além de externar minhas orações com tranquilidade, pude, ainda, admirar seus vitrais, murais e telas, com destaque para as cópias feitas por Antônio Volponi, retiradas de cartões do renomado pintor alemão Fugel, que segue o estilo expressionista, e do pintor italiano Fra Bartolomel.

Posteriormente, sem pressa, caminhei por ruas arborizadas e extremante limpas, demonstrando a excelente educação do povo nativo. 


Portal de Jacutinga, com a ave que dá nome à cidade.

Mais tarde, telefonei ao Polly, conhecido ícone na cidade, um dos fundadores, junto com o Ely Prado, do Caminho da Prece.

Combinamos nos ver à noite e, no horário aprazado, ele veio me buscar no hotel. 


Festejando com o simpático Polly.

Em sua residência, pudemos matar saudades, aferir cronogramas de eventos, relembrar caminhos pretéritos.

Passamos momentos incríveis, permeados por goles de um bom café mineiro.


Com o Polly e o Ely Prado, em Jacutinga/MG.

Logo depois, aportaram ao local o Ely Prado e o Sr. Nélson Antunes, atual tesoureiro do Caminho da Prece. 


Com o Ely Prado e o Sr. Nelson Antunes, Tesoureiro do Caminho da Prece. Momentos inesquecíveis!

Foi uma conversa maravilhosa, entrecortada de muitas risadas, uma autêntica confraternização peregrina.

Isto perdurou por mais de hora, porém eu tinha horário marcado para iniciar o caminho na manhã sequente. 


No poste, a primeira flecha do Caminho da Prece.

Além disso, meus confrades trabalhariam no dia seguinte.

Dessa forma, me despedi dos amigos, mas o carismático Polly, fez questão de me reconduzir ao hotel onde pernoitaria.
 

Imagem de Nossa Senhora de Aparecida, existente no interior da igreja matriz de Jacutinga/MG.

Quero deixar consignado aqui meus efusivos agradecimentos a esses valorosos guerreiros que tanto lutaram e fizeram para que o Caminho da Prece se transformasse, também, num Caminho Sagrado, ícone de peregrinações brasileiras.