Home‎ > ‎Circuito Vale Europeu‎ > ‎

EPÍLOGO


EPÍLOGO

 

“O mundo é um livro e aqueles que não viajam leem somente uma página.”

 (Santo Agostinho)

 


OBRIGADO, SENHOR !!!


 

Obrigado, Senhor, pelos meus olhos para que eu possa enxergar e ver as maravilhas que é a vida e para os cegos o Senhor dê o som e o tato.

Obrigado, Senhor, por eu poder escutar as tuas mensagens positivas do Santo Evangelho e os dons e conselhos dos amigos e dos pais.

Obrigado, Senhor, porque estou respirando e tendo o meu amado coração funcionando no amor e na paz espiritual.

Obrigado, Senhor, pela minha inteligência em poder saber o que é bom e ruim para que eu possa entender os planos do Senhor todos os dias de minha vida.

Obrigado, Senhor, pelos meus braços para que eu possa trabalhar e abraçar os amigos e levar meu carinho e calor humano a todos sem distinção.

Obrigado, Senhor, pelas minhas pernas para que eu possa caminhar sempre ao lado da justiça, honra, caridade e ajudar a quem não possa andar.

Obrigado, Senhor, pelos meus pés que fazem o equilíbrio do meu corpo para que eu fique de pé mesmo na hora do desânimo e na enfermidade, na depressão, discórdia e no perdão, e me fazer mais humilde.

Obrigado, Senhor, pelos alimentos que o Senhor permite tomar o café, almoço, janta, e agradecer os que vivem no campo, plantando para nós alimentarmos para o nosso sustento lhe dando saúde.

Obrigado, Senhor, pela minha liberdade e respeito pela minha pessoa humana, pela minha alegria, sonhos, desejos, objetivos, vitórias, sorrisos e de muitos sucessos.

Obrigado, Senhor, de sentir a tua presença todos os instantes da minha vida, com muita paciência, calma, ânimo, esperança, coragem e muitas bênçãos pela minha fé.

Obrigado, Senhor, pelas minhas amizades, com pessoas iluminadas para que eu nunca fique nas trevas.

Obrigado, Senhor, por tudo e daí o amor, paz e luz a todos.

Obrigado, Senhor, por eu saber amar o meu próximo e de ser amado pelo Senhor, que dá o meu sustento do amor, tenha paz tendo coragem, sonhos, carinho, garra, bondade, entusiasmo, humildade, confiança, fé, alegria, honestidade, simpatia, calma, paciência, educação, gratidão, espiritualidade, dedicação, harmonia e objetivos na fé.

(Escrito pelo Irmão em Cristo Laerte Zago)



  

FINAL

 

A vida humana, mesmo quando vivida plenamente, tem um caráter inacabado e dinâmico, ela nunca é percebida como algo pronto.

Muitas vezes, desejamos nos elevar e melhorar a nós mesmos, atingir um tipo de purificação e de renovação.

Alguns chegam a afirmar que há uma escuridão inerente à alma que a vida se esforça por iluminar.

Some-se a isso o fato de que, ao longo dos anos convivemos com uma série de atritos e desgastes em relacionamentos ao nosso redor.

Além disso, lutas internas permeiam a nossa imaginação, principalmente no que se refere a frustrações e sonhos abandonados.

Com o tempo, acumula-se uma espécie de fardo, uma sensação de peso, da qual gostaríamos de nos livrar.



Uma caminhada, por locais ermos, parece ser uma procura e contém razões mais profundas que uma simples viagem em busca por produtos de consumo.

Os caminhantes parecem impulsionados por um desejo sincero de trazer mudanças e renovação para suas vidas pessoais.

Nesse sentido, diria que o Caminho do Circuito Vale Europeu me proporcionou momentos de intensa introspecção, bem como me surpreendeu positivamente pela sua exuberante natureza, segurança, sinalização e o respeito com que fui tratado em todos os locais por onde passei.



Diria, também, que ele poderia ser nominado de “O Caminho das Águas”, tal a quantidade de nascentes, fontes, rios e cachoeiras, que encontramos em seu leito.

Ou, então, “O Caminho da Amizade”, tamanha a hospitalidade e calor humano com os quais somos agraciados ao longo de sua Rota.

E, ao me preparar para a viagem de retorno, me bateu a certeza de que cada um de nós, no seu devido tempo, precisará acordar o errante hereditário adormecido no fundo da nossa mente.

Herança dos nossos ancestrais, essa força indomável saberá cruzar todas as fronteiras e nos conduzir, com firmeza e segurança, ao mundo maravilhoso reservado ao nosso destino.

Precisamos recuperar a plenitude de nosso ser, romper as amarras das convenções sociais, nos colocar acima do consciente coletivo – essa estranha força que esmaga os desejos do indivíduo -, para conquistarmos o direito de desfrutar a maior aventura de todos os tempos: viver a nossa vida intensamente, por algo que valha a pena morrer, se o caso.



Não podemos perder a esperança de que mais cedo, para alguns, mais tarde, para outros, chegará a hora em que voltaremos a ser o principal protagonista de nossa própria história.

As longas caminhadas oferecem o palco ideal para o ser humano exercitar o culto que frequentemente faz de sua própria alma, e se encontrar consigo mesmo.

Expondo as forças antagônicas que formam o nosso caráter a uma ameaça externa, descobriremos quais os valores que se manifestarão com mais intensidade.

Independentemente da pessoa que emerja de tal experiência, o conhecimento dessa personalidade abrirá caminho para uma vida mais densa e verdadeira.

 

Bom Caminho a todos!


jan/2014