2ª dia: INCONFIDENTES/MG a BORDA DA MATA/MG – 32 quilômetros


2º dia: INCONFIDENTES/MG a BORDA DA MATA/MG – 32 quilômetros

"Que a paz esteja dentro de você hoje.

Que você creia estar exatamente onde você deve estar.

Que você acredite nas infinitas possibilidades que nascem do destino.

Que você usufrua as graças que recebeu e passe adiante o amor que lhe foi dado.

Que você seja feliz sabendo que é um filho de Deus.

Que você deixe a presença de Deus entrar em teu corpo e permita à tua alma a liberdade de cantar, dançar, orgulhar-se e amar.

Ele está lá, para cada um de nós.

(Madre Teresa de Calcutá)


Às 5 h 30 min, com meu Xará, no Cruzeiro da Prece.

Após uma profícua noite de sono, me levantei disposto, mas preocupado, pois na tarde anterior combinara com o amigo Oswaldo Fernandes Bueno, meu Xará, de caminharmos juntos esse derradeiro trajeto.

Porém, ele não me dera a certeza em sua decisão, então, eu não sabia se a jornada seria escoteira ou com amigos.

Na verdade, seria outra etapa de razoável extensão, contudo, se comparada à anterior, um pouco mais amena, apesar dos morros que eu precisaria sobrelevar.

Assim, para não perder o pique, após os aprestos matutinos, deixei o local de pernoite às 4 h 30 min, quando quase toda cidade ainda dormia e pouquíssimos carros circulavam pelas ruas vazias dessa simpática urbe.

Na verdade, de quando em vez, alguns cães ladravam, à distância, e galos esparsos anunciavam a chegada de um novo dia.

Para minha grata surpresa, quando acessei a Avenida Alvarenga Peixoto, encontrei meu Xará e o amigo Célio, já paramentados para a aventura, me aguardando logo depois da esquina, sob um toldo.

Foi um momento único, permeado de muita emoção, enquanto nos cumprimentávamos, antes de dar início a jornada daquele memorável dia.

Quinhentos metros depois, nós ultrapassamos a rodovia MG 295, e prosseguimos adiante por uma rua calçada com bloquetes.

Três quilômetros percorridos sobre piso duro, finalmente, numa bifurcação, seguimos à esquerda, adentramos em terra e, então, prosseguimos em ascenso, enquanto aguardávamos o dia raiar.

Cinco quilômetros vencidos, os dois derradeiros, em íngreme ascenso, encontramos o Cruzeiro da Prece, que está fincado no cimo do morro do Castelinho, a quase 1.100 m de altitude.

Ali nos confraternizamos, fizemos fotos, depois nos despedimos do Célio, bravo amigo e guerreiro, pois ele retornaria a Inconfidentes, onde trabalharia normalmente naquele dia.

Nós, o Xará e eu, aposentados e privilegiados, curtiríamos a natureza sobejante que nos aguardava.

Sem maiores problemas seguimos adiante e, um pouco depois de ultrapassarmos a Venda da Ziza, outro ponto de apoio do Caminho da Prece, pudemos apreciar o raiar do sol, anunciando a benção de mais um dia.

A jornada seguiu animada, e o meu Xará, como de praxe, muito bem-humorado, foi rememorando aventuras pretéritas, sempre ataviadas por sua veia humorística.

Momentos indeléveis, que guardo no coração, como uma relíquia, pois o “Oswaldinho” é pura erudição e tem fôlego de gato: afinal, deu aulas por 41 anos, assim, garganta e pulmão são seus órgãos mais desenvolvidos.

De quando em vez, fruto de seus comentários, gargalhadas explodiam na trilha, onde seguíamos leves, seguros e desprovidos dos problemas cotidianos que afligem a todos aqueles que residem em metrópoles.

Na verdade, meu Xará, ao relembrar detalhes de algumas de suas peregrinações, expunha conceitos de interação que beiravam a um oximoro; que nada mais é que o paradoxo levado as últimas consequências.

Com o sol crestando forte e o calor em ebulição, fizemos algumas pausas para fotos, hidratação e ingestão de frutas e carboidratos.

E sem maiores intercorrências físicas, às 11 h 15 m nos perfilamos diante do Marco Zero do Caminho da Prece, localizado na praça fronteiriça à Basílica de Borda da Mata, para uma foto histórica.

Depois, adentramos ao templo para orações e preces de agradecimento.

Em seguida, seguimos até o Hotel San Diego, para um revigorante banho e a necessária troca de indumentária.

Na sequência, descendemos até o Restaurante Sal e Pimenta para um merecido almoço, regado a uma boa cerveja gelada.

E, logo depois, para honrar compromissos inadiáveis, embarcamos num ônibus de regresso às nossas residências.

Efetivamente, por obrigações pré-agendadas, tínhamos horários a honrar naquela data e, por conta disso, implementamos um ritmo constante no trajeto.

Isto, no entanto, não impediu nossa admiração pela paisagem circundante, o que propiciou várias pausas contemplativas, bem como outras para fotos e comentários.

Imprescindível, deixar aqui consignado, um agradecimento sincero e meu obrigado radioso ao meu querido irmão peregrino, “O Pequeno Duende”, pela amizade e compadrio nessa jornada épica.

Momentos fantásticos e indeléveis, que guardarei eternamente.

Gratidão imensa, meu notável parceiro de fé!

ALGUMAS FOTOS DO PERCURSO DESSE DIA:


Com o amigo Célio, no Cruzeiro da Prece. (Créditos: Oswaldo Francisco Bueno)


Na Capelinha e fonte d'água, que o Dr. Francisco Maciel mandou erigir, para atender os peregrinos... (Créditos: Oswaldo Francisco Bueno)



O dia vai clareando, enquanto seguimos no rumo da Venda da Ziza.


O sol nascendo...


Parte do rebanho bovino que pertence ao tio do Polly. 
(Créditos: Oswaldo Francisco Bueno)


Maravilhas da natureza!


Quinto cruzeiro do Caminho da Prece.


O sol vem nos abraçar na trilha.. 
(Créditos: Oswaldo Francisco Bueno)


Paisagens exuberantes!


Aqui seguimos em forte descenso..


Sozinhos na trilha, hora de comemorar!!


Para qualquer lado que se olhe, paisagens bucólicas e exuberantes...


Chegada ao ponto de maior altimetria do Caminho da Prece. 
(Créditos: Oswaldo Francisco Bueno)


Sexto cruzeiro do Caminho da Prece, localizado a 1101 m de altitude, o ponto mais alto do Caminho da Prece.


Igrejinha do bairro Moji.


Chegada triunfal ao marco Zero, às 11 h 15 min, em frente à Basílica de Borda da Mata! (Créditos: Oswaldo Francisco Bueno)




Interior da igreja matriz de Borda da Mata/MG.


RESUMO DO DIA:

Tempo gasto, computado desde a Pousada Martinelli, em Inconfidentes/MG, até o Hotel San Diego, localizado em Borda da Mata/MG: 6 h 45 min

Clima: frio e nublado até as 8 h, depois ensolarado e fresco, com temperatura variando entre 16 e 26 graus.

Pernoite/Banho no Hotel San Diego – Apartamento individual excelente – Preço: R$60,00

Almoço no Restaurante Sal e Pimenta -Excelente! – Preço: R$14,00, podendo-se comer à vontade no sistema self-service.


EPÍLOGO