Home‎ > ‎Cam da Divina Providência‎ > ‎

9º dia: SAPUCAÍ-MIRIM/MG a CAMPOS DO JORDÃO/SP - 22 quilômetros


9º dia: SAPUCAÍ-MIRIM/MG a CAMPOS DO JORDÃO/SP – 24 quilômetros

Maria Auxilio dos Cristãos, rogai por nós!




Em minha opinião, seria uma jornada tranquila, no entanto, ledo engano.

Assim, partimos às 6 h, depois de tomar café numa padaria próxima.

Com o dia clareando, ultrapassamos a rodovia SP-042, que vai na direção de São Bento do Sapucaí/SP, depois acessamos uma avenida larga calçada por bloquetes, que corta vários bairros periféricos.

Três quilômetros à frente, numa bifurcação, adentramos à esquerda e passamos a caminhar sobre terra.

Lentamente, o tráfego de veículos foi se intensificando, porque essa via liga vários bairros pertencentes à cidade de São Bento do Sapucaí a Campos do Jordão.

Com o dia clareando, passamos diante da entrada para a Pousada Casa Verde, de gratas lembranças, local onde pernoitei em 2017.

O roteiro seguiu plano e, depois de 8 quilômetros o caminho, se bifurcou; uma senhora a quem indaguei qual deles era o correto, respondeu-me que ambos sairiam em Campos; a escolha seria minha.

Verificando no aparelho celular, constatei que o traçado nos mandava seguir à esquerda e foi o que fizemos.

Percorridos 10 quilômetros, num ascenso, adentramos à direita, ultrapassamos uma porteira e, repentinamente, o caminho se empinou de vez.

Fomos vencendo, passo a passo, as ladeiras que iam se apresentando e, um quilômetro à frente, passamos diante de uma residência, onde uma simpática senhora nos desejou um alegre bom dia.

Confirmamos nosso rumo com ela, depois prosseguimos adiante, mas logo fomos alcançados pelo seu marido, o Sr. Antônio que, conforme nos contou, há 18 anos percorre aquela senda, diariamente, já que trabalha no topo do morro.

Ele foi uma companhia agradável e com sua conversa franca e alegre de roceiro, nos auxiliou muito na jornada, porque, distraídos, enfrentamos aclives impressionantes, sempre em sucessão, na direção do cume do morro, onde aportamos exauridos, diante da chácara onde o Sr. Antônio trabalha.

Até ali já havíamos percorridos 15 quilômetros, então, fizemos uma pausa para hidratação e nosso anfitrião, gentilmente, repôs o precioso líquido em nossas garrafas plásticas.

Depois de gratas despedidas, seguimos ainda sempre em leve ascenso, ultrapassamos alguns condomínios residenciais, construções em andamento, estabelecimentos comerciais e algumas pousadas, até sair numa larga avenida asfaltada, que corta o bairro da Boa Vista.

Ali, fletimos à esquerda, prosseguimos em bom ritmo e logo acessávamos a Vila Abernéssia, onde estava situado o nosso local de pernoite nesse dia.

Algumas fotos dessa etapa:


Entrada da Pousada Casa Verde, onde pernoitei em 2017 com o grupo de Itatiba.


Estrada plana nos primeiros 10 quilômetros. Ao fundo, a Pedra do Baú.


Caminho colorido nesse trecho..


Início de forte ascenso. A Sônia está abaixo e à minha retaguarda..


Lindas vistas iam se descortinando...


No meio da serra, a visão que tínhamos de nossa retaguarda...


O ascenso é íngreme e contínuo...


O Sr. Antônio no quintal da chácara onde trabalha e a vista que de lá se descortina.


Ainda em ascenso, mas sob sombras.


O derradeiro ascenso, antes de encontrar com o asfalto.

Por volta de 1.771, a coragem épica de Inácio Caetano Vieira de Carvalho, seguindo as pegadas do Oyaguara, subiu os degraus da Serra Preta, na Mantiqueira, em direção ao Pico do Itapeva, vindo de Taubaté, fixando-se com sua família durante 18 anos nos Campos da Mantiqueira.

Fundou a Fazenda Bom Sucesso, requereu e obteve carta de sesmaria do Governador da Capitania de São Paulo e lutou bravamente para defender as divisas de São Paulo contra seu vizinho sesmeiro, João da Costa Manso, da Fazenda São Pedro, das bandas de Minas Gerais.

Graças à sua luta, Campos do Jordão permaneceu paulista e Inácio Caetano Vieira de Carvalho levou para o túmulo a glória de ter sido o pioneiro desta, hoje, maravilhosa Estância.

Com a sua morte em 1.823, seus herdeiros hipotecaram a sesmaria ao Brigadeiro Manoel Rodrigues Jordão, que, mais tarde, adquiriu-a nas imediações do dia de Natal, pelo que o povo passou a chamar o lugar de Fazenda Natal e, logo em seguida, de Campos do Jordão, estando ai a origem do nome.

Membro do Governo Provisório e diretor do Tesouro da Capitania de São Paulo, o Brigadeiro Jordão era cidadão ilustre, grande proprietário de herdades e figurou ao lado de D. Pedro quando do Grito do Ipiranga, no famoso quadro de Pedro Américo.


Interior da Igreja de Santa Terezinha, em Campos do Jordão/SP.

Infelizmente, não chegou a conhecer as terras às quais emprestou o nome, e seus herdeiros retalharam suas posses, vendendo às porções, para diversos proprietários.

Já a Vila Abernéssia foi fundada pelo escocês Robert John Reid, o agrimensor da divisão judicial da Fazenda Natal, e a Vila Capivari foi fundada pelos médicos higienistas Emílio Marcondes Ribas e Victor Godinho, que ali projetaram a Vila Sanitária em 1.911.

Campos do Jordão localiza-se a 1.700 metros de altitude e pesquisas científicas acusaram a superioridade de seu clima em relação a Davos Platz, nos Alpes Suiços, bem como um teor de oxigenação e ozona superior ao de Chamonix, famosa estância francesa, pela pureza do ar.

Além disso, apresenta vantagem sobre as demais estâncias climáticas brasileiras: o seu clima tropical de montanha faz com que o sol esteja presente praticamente o ano todo.

Tanto que a luminosidade costuma atingir o seu grau máximo no inverno, quando então a temperatura chega a 5 graus negativos, embora já tenha atingido, no passado, a 18 graus abaixo de zero, no ano de 1.992.

População atual: 52 mil habitantes. 


Igreja de Santa Terezinha, em Campos do Jordão/SP.

RESUMO DO DIA - Tempo gasto, computado desde a Pousada Avenida, em Sapucaí-Mirim/MG, até o Hostel de Campos do Jordão, em Campos do Jordão/SP: 6 h 30 min.

Clima: Ensolarado, variando a temperatura entre 12 e 22 graus.

Pernoite: Hostel de Campos do Jordão – Apartamento, com café da manhã - Preço: R$70,00.

Almoço: Sergio's Restaurante: Excelente! – Preço: R$22,90, pode-se comer à vontade no sistema self-service.


Para visualizar essa trilha, gravada no aplicativo Wikiloc, acesse: https://pt.wikiloc.com/trilhas-trekking/sapucai-mirim-a-campos-do-jordao-26125405


AVALIAÇÃO PESSOAL: Uma etapa difícil e extremamente alcantilada a partir do 10º quilômetro, cuja rudeza desconhecia, porque em 2017, quando caminhei com os romeiros de Itatiba, escalamos a montanha pelo caminho da direita, bem mais acessível a pedestres. No entanto, em seu intermeio, ele apresenta extrema beleza, pelas vistas que oferece a partir dos patamares que vão sendo acessados pelo caminhante. No global, uma jornada de grande desgaste físico e intensa superação. Por sorte, tivemos a companhia do Sr. Antônio, que muito nos motivou nesse dia.


 10º dia: CAMPOS DO JORDÃO/SP a PEDRINHAS (GUARATINGUETÁ/SP) - 28 quilômetros