Home‎ > ‎Caminho das Graças‎ > ‎

MINHA VIAGEM


MINHA VIAGEM

Diz Antônio Machado: Golpe a golpe, passo a passo, caminhante, não há caminho... O caminho é feito ao andar. Andando, se faz o caminho e se você olhar para trás tudo que verá são as marcas de passos que algum dia seus pés tornarão a percorrer. Caminhante, não há caminho.. O caminho é feito ao andar..... (Paulo Coelho - Maktub)




Toda viagem é essencial porque, simplesmente, nos transforma, além de podermos conjugar seu principal objetivo, que é conhecer outros locais, deixar a rotina diária, afastar-nos um pouco da tecnologia e nos animar a enfrentar novas atividades físicas e espirituais, que não são tão habituais em nosso cotidiano.

Além disso, conheceremos pessoas diferentes e mergulharemos em outras culturas, o que reforça a vontade de ampliar nossos horizontes para conseguirmos avançar em inéditas direções.

Mas, para isso, é fundamental que abandonemos nossa zona de conforto e zarpemos de encontro aos nossos sonhos.

Foi com esse propósito no pensamento que deixei meu lar e me dirigi ao Terminal Rodoviária de minha cidade.

Cinco horas mais tarde, já na cidade de Cambuí/MG, ponto de partida de minha peregrinação, me hospedei no Hotel Zémaria onde havia feito reserva.

Ali, por R$70,00, pude dispor de um razoável quarto individual.

Já passava das 12 horas e, então, saí para almoçar.

Para tanto, utilizei os serviços do excelente restaurante La Caja, onde paguei R$29,40 o quilo da refeição, servida no sistema self-service.


Igreja matriz de Cambuí/MG.

Cambuí surgiu com as incursões dos bandeirantes paulistas que atravessavam a serra da Mantiqueira em busca de pedras preciosas.

O local era um ponto de parada desses aventureiros, os quais estabeleceram seus ranchos e, posteriormente, fazendas ao longo do território do atual município.

Em 1850 foi criada a paróquia de Cambuí, cuja padroeira é Nossa Senhora do Carmo, iniciando o processo de autonomia do lugar, independência que se consolidaria em 1892, com a emancipação do município.

Embora esteja situada em uma região montanhosa e de difícil acesso até 1930, quando foi aberta a primeira estrada, a cidade sempre teve uma vida cultural intensa, seja no teatro, na poesia ou na música.

Abrigou, quando ainda existiam menos de duzentas casas, duas bandas de música, regidas pelos Capitães da Guarda Nacional José Quintino da Fonseca e Antônio José de Brito Lambert (banda dos Quintinos e dos Lambert). 


Praça central da cidade de Cambuí/MG. Ao fundo, a igreja matriz.

Recentemente o “virado de banana”, prato conhecido apenas no município, foi patenteado pela prefeitura.

Localizada na região da Serra da Mantiqueira, possui uma altitude máxima de 2.050 metros a mínima de 680 metros, e sua economia é principalmente comercial e agropecuária, contando ainda com ascendentes investimentos na área industrial, fomentados pela passagem da Rodovia Fernão Dias em seu município.

De topografia montanhosa e clima agradável, tropical de altitude, distante 150 quilômetros de São Paulo e 420 quilômetros de Belo Horizonte, a cidade apresenta um excelente potencial turístico a ser explorado.

Possui porções de Mata Atlântica e cachoeiras, sendo o principal ponto turístico a Cachoeira do Andorinhão.

A Pedra de São Domingos, uma das mais famosas da região, que alcança 2.050 metros de altitude, e das únicas que se pode ir de carro até seu topo, se localiza no município de Córrego do Bom Jesus, fronteiriço com Cambuí.

População atual: 27 mil habitantes.


Praça central da cidade de Cambuí/MG, de outro ângulo.

Após necessário repouso saí para passear.

Primeiramente, fui em direção à praça central da cidade, onde pude fotografar e visitar a igreja matriz da cidade, cuja padroeira é Nossa Senhora do Carmo.

O templo foi erigido num local alto e amplo, em meados só século XX, porém passou por várias reformas estruturais.

Uma delas, em 1910, conferiu-lhe o estilo neogótico.

Em meados da década de 1930, foi iniciada uma nova reforma da igreja e sua fachada principal sofreu grandes alterações, com a implantação de uma porta arqueada e dois pares de vitrais, também em arco, nas suas laterais.

No segundo pavimento foram abertos cinco vitrais, semelhantes ao do primeiro; a torre central passou por profundas modificações.

No terceiro pavimento, as antigas aberturas foram substituídas por aberturas duplas em arco, com balaustradas em cada face, encimadas por frontões triangulares, onde foram instaladas quatro faces do relógio.

Nessa reforma, foi implantado um coroamento agudo em forma de agulha, com a imagem de Nossa Senhora do Carmo no seu cume. 


Igreja matriz de Cambuí/MG, de outro ângulo.

Nas laterais da fachada principal foram construídas duas torres simétricas, de forma semelhante, todavia, com dimensões menores que a central.

O acesso à igreja passou a se dar por meio de escadarias com balaustradas, compostas de um percurso central e dois laterais, que se afunilavam até o seu patamar frontal.

Passei um bom tempo no santuário orando e observando as imagens e seu interior, muito bem cuidado.

Mais tarde, dei um vasto giro pela povoação, aproveitando para conferir o local por onde deixaria a cidade na manhã seguinte.

E, já nos meus aposentos, depois de ingerir um frutal lanche, me preparei para a jornada que encetaria do dia sequente.

Ante de me deitar, contudo, como sempre faço ao iniciar um novo Caminho, rezei assim:

Lembrai-vos, ó puríssima Virgem Maria, do poder ilimitado que vos deu o vosso Divino Filho sobre o seu coração adorável. Cheio de confiança na vossa intercessão, venho implorar o vosso auxílio. Tendes, em vossas mãos, a fonte de todas as graças que brotam do coração amantíssimo de Jesus Cristo; abri-a em meu favor, concedendo-me a graça que ardentemente vos peço. Não quero ser o único por vós rejeitado, sois minha Mãe, sois a soberana do coração de vosso Divino Filho. Sim, ó Virgem Santa, não esqueçais as tristezas dessa terra; lançai um olhar de vontade aos que estão no sofrimento, aos que não cessam de provar o cálice das amarguras da vida. Tende piedade dos que se amam e que estão separados pela discórdia, pela doença, pelo cárcere, exílio ou morte. Tende piedade dos que choram, dos que suplicam, e dai a todos o conforto, a esperança e a paz! Atendei, pois, à minha humilde súplica e alcançai-me as graças que agora fervorosamente vos peço por intermédio de vossa santa Medalha Milagrosa! Amém.


HISTÓRIA DO CAMINHO DAS GRAÇAS

Ó Virgem Imaculada, que nos presenteastes com vossa medalha, qual remédio a tantos males espirituais e corporais que nos afligem, como defesa das almas, remédio dos corpos e consolo de todos os miseráveis; aqui estreitamos agradecidos a vossa medalha sobre nosso coração e vos pedimos que atendei a nossa súplica.




Idealizado e semelhante ao Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha, e ao Caminho da Fé, no Brasil, mas diferente nos ramais, o Caminho das Graças tem vários roteiros.

Assim, todas as cidades limítrofes a Bom Repouso/MG são um ponto de partida, se estendendo futuramente para outros municípios vizinhos.

Trata-se de uma rota dedicada aos amantes das caminhadas, localizada no sul do Estado de Minas Gerais, e direcionada aos devotos de Nossa Senhora das Graças.

Há diversos roteiros partindo de diferentes pontos, finalizando todos na cidade de Bom Repouso-MG, aconchegante município do interior do Sul de Minas, pertencente ao Circuito Turístico Serras Verdes, e onde se encontra a segunda maior imagem de Nossa Senhora das Graças do Brasil, com 20 metros de altura. 


Imagem de Nossa Senhora das Graças e Santuário, em Cambuí/MG.

A estátua foi integralmente construída em argamassa, equivale a um prédio de seis andares e se encontra assentada a 1410 metros de altitude.


ROTEIROS


O “Caminho das Graças” possui várias trilhas, com diferentes extensões, entretanto, todas elas se encerram ao lado do pedestal de Nossa Senhora das Graças, localizado em Bom Repouso/MG.

TRILHA SUL – roteiro de aproximadamente 200 quilômetros (futuramente será demarcado com setas azuis): São Paulo (Bairro Tremembé) – Mairiporã – Atibaia – Bragança Paulista – Pedra Bela – Toledo – Munhoz - Senador Amaral – Bom Repouso – Pedestal de Nossa Senhora das Graças.

TRILHA NORTE – roteiro de aproximadamente 45 quilômetros (futuramente será demarcado com setas azuis): Pouso Alegre (Rodoviária) – 5 km de rodovia – Trevo São José do Pântano – B. S. J. P. – Bairro Pântano dos Rosas – Bairro Pântano dos Teodoros – Bairro Silverada – Bairro Bentos – Bom Repouso – Pedestal de Nossa Senhora das Graças.

TRILHA LESTE – roteiro de aproximadamente 23 quilômetros (já demarcado com setas azuis): Estiva – Bairro Pântano dos Teodoros – Bairro Silverada – Bairro Bentos – Bom Repouso – Pedestal de Nossa Senhora das Graças.

TRILHA OESTE – roteiro de aproximadamente 36 quilômetros – (já demarcado com setas azuis): Inconfidentes – Albergue Águas Livres – Bairro Córrego da Onça (Porteira) – Atravessa rodovia – Fazenda do Agenor – Bairro Pessegueiro – Bairro Posse – Bairro Espraiado – Bairro Caetanos – Bairro Cantuários – Bairro Marques – Bom Repouso – Pedestal de Nossa Senhora das Graças.

TRILHA SUDOESTE – roteiro de aproximadamente 130 quilômetros (futuramente será demarcado com setas azuis): Campinas – Pedreira – Amparo – Monte Alegre ou Serra Negra – Socorro – Bueno Brandão – Bom Repouso – Pedestal de Nossa Senhora das Graças.

TRILHA SUDESTE – roteiro de aproximadamente 25 quilômetros – (já demarcado com setas azuis): Cambuí – Pousada Cambuí – Serra da Usina – Bairro Pessegueiros – Bairro Lopes – Bairro Água Branca (Bom Repouso) - Bairro Araújos – Bom Repouso – Pedestal de Nossa Senhora das Graças.