Home‎ > ‎Caminho de Madrid‎ > ‎

10º dia – MEDINA DE RIOSECO a VILLALÓN DE CAMPOS - 28 quilômetros


10º dia – MEDINA DE RIOSECO a VILLALÓN DE CAMPOS - 28 quilômetros

O turista exige luxos, o peregrino aprecia a hospitalidade.



Depois de caminhar 18 dias seguidos, me sentia forte, pernas preparadas, assim, considerava que a jornada seria de pequena extensão nessa data, um sábado.

O primeiro trecho do trajeto foi vencido por uma estrada plana e arborizada, situada ao lado do histórico Canal de Castilla, que me escoltou pelo lado esquerdo o tempo todo.

Momentos idílicos e silenciosos que aproveitei para colocar minhas orações em dia, pois, tempo e motivação não faltaram.

Eu me sentia privilegiado por desfrutar locais solitários, longe da agitação urbana e, até onde sabia, eu era o único peregrino no caminho nessa etapa, mas não caminhava só, pois sentia a presença de Deus, Nossa Senhora, o Anjo da Guarda e os Espíritos Benfazejos me acompanhando o tempo todo.

Percorridos 8 quilômetros e obedecendo a sinalização, eu transpus o Canal por uma ponte, depois adentrei numa estrada plana e reta, situada entre imensos trigais e após mais 4 quilômetros, passei por Tamariz de Campos, um minúsculo povoado, onde encontrei tudo fechado.

Seguindo adiante, enfrentei mais 8 quilômetros duríssimos, todos percorridos sobre piso asfáltico, num percurso ritmado, fones nos ouvidos, onde segui atento às notícias do mundo, recebidas pelo radinho que levava em meu bolso.

Passei rapidamente por Cuenca de Campos e logo estava de volta às trilhas, seguindo por um caminho cimentado que me levou, rapidamente, a uma ciclovia.

E foi caminhando por esse enclave plano e silencioso, por mais uma hora, que aportei em Villalón de Campos, minha meta nesse dia.

Algumas fotos da jornada desse dia:


Trânsito solitário e silencioso ao lado do Canal de Castilla.


Piso excelente para caminhar.


Um dos trechos mais solitários desse Caminho..


Emergindo em local arejado.


Retornam os imensos trigais...


Quase chegando a Tamariz de Campos.


Caminhando sobre piso asfáltico em direção a Cuenca de Campos.



Transitando por Cuenca de Campos. Dia nublado.


Caminhando sobre uma ciclovia.


Agora só restam 400 km até Santiago..



A ciclovia prossegue eterna...


Trecho belíssimo! Plano e pleno de verde..


Quase chegando ao final da etapa...

Villalón de Campos pertence à Província de Valladolid e dista 63 quilômetros de sua capital.

Situada na denominada “Tierra de Campos”, essa cidade era muito maior, porém o processo de decadência rural em prol das cidades grandes, acabou por provocar um grave retrocesso demográfico na localidade.

Atualmente, seus habitantes se dedicam principalmente ao setor primário: gado e agricultura.


Igreja matriz da cidade de Vilallón e o "Rolo" Jurisdicional.

Historicamente, no entanto, cabe destacar que ela foi sede de uma importante feira de compra e venda de gado, durante os séculos XV – XVI, quando subsistia sob os auspícios da família Pimental, que teria notável influência a nível comarcal.

O Rolo Jurisdicional, que se encontra fincado na praça principal da cidade, é um dos mais destacados da Espanha.


Prédio onde funciona a Prefeitura local.

Edificado no século XVI, em estilo gótico, foi declarado Monumento Nacional.

Sua igreja matriz, dedicada a São Miguel, é um templo construído em relevante estilo gótico mudéjar.


Em primeiro plano, o famoso Rolo Jurisdicional.
População atual: 1.700 habitantes.


Placa explicativa.

Em Villalón de Campos eu pernoitei no Hostal Peña, cêntrico e de ótima qualidade.

Para almoçar, eu utilizei os serviços do Restaurante do próprio hostal, onde despendi 12 Euros por um delicioso “menú del dia”.

IMPRESSÃO PESSOAL: Durante o primeiro tramo da jornada, usufrui de um passeio agradável e sombreado junto ao Canal de Castilla, grande obra de engenharia do século XVII. Depois de transpô-lo por uma de suas eclusas, abandonei esse oásis verde e voltei a caminhar pelas austeras paisagens da meseta, em cujos campos dominam os tons verdes, dourados e ocres, segundo a estação do ano.

Em termos globais, foi outra etapa integralmente plana, onde desfrutei momentos de intenso silêncio e ermosidade. O clima nublado contribuiu para deixar tudo mais fácil, embora o trajeto entre Tamariz de Campos e Cuenca de Campos (8 quilômetros), tenha sido sobre piso asfáltico. A cidade de Villalón me surpreendeu, positivamente, pela sua beleza e monumentos bem cuidados. Por outro lado, havia um encontro de motociclistas sendo realizado na cidade, então, o barulho e o estouro dos escapamentos, fizeram de minha noite um caos total.