PRÓLOGO


PRÓLOGO 

Um café, um amigo, uma prece, uma benção. Tudo o que esquenta o coração, alimenta a fé e fortalece a vida.” 



Igreja matriz de Jacutinga/MG.

Decidido a percorrer o Caminho da Prece pela sexta vez, me preparei física e espiritualmente para mais essa peregrinação, visto ser ela um tanto exigente na configuração altimétrica, mormente, em sua segunda etapa.

Seria, na verdade, um bom teste para a minha perene solitude e, primordialmente, para aferir meu condicionamento físico, principalmente, em face do calor abrasador que vivenciávamos no verão, em sua fase mór.

Eu estivera pela derradeira vez nesse roteiro em março de 2017, assim, com imensas saudades de tudo, retornei a Jacutinga/MG de supetão, numa terça-feira à tarde.

Como nas viagens anteriores, me hospedei no Hotel Gandhi, onde havia feito reserva.

Lá, por R$60,00, pude dispor de um excelente quarto individual, limpo e agradável.

Aproveitei a ocasião para ali mesmo adquirir minha credencial peregrina, passaporte obrigatório para aqueles que desejam receber seu Diploma no final do trajeto. 


Interior da igreja matriz de Jacutinga/MG.

Depois saí para passear pela tranquila localidade mineira.
 

Imagem de Nossa Senhora de Aparecida, existente no interior da igreja matriz de Jacutinga/MG.

Como cristão praticante, primeiramente, fui visitar, orar e fotografar a igreja matriz da cidade, cujo padroeiro é Santo Antônio.

Depois, dei um giro pela simpática urbe e, na sequência, fui em direção a um supermercado, onde adquiri produtos para meu lanche noturno e para a jornada do dia sequente. 


Com o peregrino Igor, do RS, na porta do Hotel 
Gandhi.

À tardezinha, já no local de pernoite, me encontrei com o peregrino Igor, do Rio Grande do Sul, que aportava ao hotel naquele momento e também iniciaria o Caminho da Prece na manhã seguinte.

Mais tarde, após um telefonema, fomos recepcionados pelo Polly, um dos fundadores e responsável pelo Caminho da Prece na cidade, em sua residência, onde ele nos congregou para uma prolífica e amistosa prosa. 


Na casa do Polly: pela ordem, Igor, Polly, eu, Marcelo e Ely Prado.

Quando ali chegamos, já encontramos o amigo Marcelo, um empresário da cidade e caminhante contumaz.

Momentos depois, aportaram ao local outros 3 jovens de Jacutinga: Rafael, Shallon e o Diego, também entusiastas e colaboradores voluntários do Caminho da Prece. 


A galera toda, agora acrescida pelo Rafael, Shallon e Diego.

Para fechar o evento, chegou o Ely Prado, caminheiro de longos percursos e cofundador desse Roteiro.

Enquanto ingeríamos um café supimpa e degustávamos um bom queijo mineiro, conversamos bastante sobre as novidades do Caminho que o Igor e eu iniciaríamos na manhã seguinte. 


Com o amigo Ely, caminheiro de longas distâncias...

Isto perdurou por mais de duas horas agradabilíssimas, porém, meus confrades trabalhariam no dia seguinte.

Dessa forma, me despedi de todos, enquanto seguia de carona com o Ely até o hotel onde havia me hospedado. 


Festejando com o carismático amigo Polly.

Como nas ocasiões pretéritas em que percorri o Caminho da Prece, quero deixar consignado aqui meus efusivos agradecimentos ao Polly, Ely e demais jacutinguenses, pelo calor da acolhida e por emanarem só vibrações positivas, que tanto une o universo peregrino do qual fazemos parte.