Home‎ > ‎Caminho de Santa Paulina‎ > ‎

4º dia: RANCHO QUEIMADO à ANGELINA - 15 quilômetros


4º dia: RANCHO QUEIMADO à ANGELINA - 15 quilômetros

Altimetria e distância a ser vencida nessa jornada, capturada pelo peregrino Perdiz no Google Earth.


À noite caiu uma bela pancada de chuva na região e, às 5 horas, quando me levantei, garoava abundantemente.


Um interessante mapa da região por onde transitávamos.

Porém, às 7 horas, quando descemos para tomar café, ela se reduzira a um fino chuvisco.

Ainda assim, além de proteger minha mochila, também utilizei uma capa descartável para me defender.


Partindo para a etapa do dia..

Saímos às 7 h 30 min, para percorrer um percurso de pequena extensão, e que anteriormente era feito pela rodovia SC-407, porém recentemente o Carminatti descobriu um atalho em terra que reduz o percurso pelo asfalto em quase 7 quilômetros.

Assim, acessamos uma rua que tem início nos fundos do prédio da Prefeitura Municipal de Rancho Queimado, viramos à direita num cruzamento e logo iniciou-se larga estrada de terra, em perene descenso.

Esse trecho também se mostrou belíssimo, fresco e extremamente arborizado.


A chuva cessou, sobrou a neblina, ótimo para caminhar.

A garoa logo cessou, deixando o clima enfarruscado e neblinoso, ideal para a caminhada.


Uma interessante obra de arte encontrada no caminho.

Para quem não conhecia o trajeto como eu, seria fácil se perder, pois logo encontramos uma bifurcação.

Pelo meu sentido de orientação, teria adentrado à direita e, mais adiante, dado com os “burros n'água”.


O Perdiz e o Carmo caminham tranquilamente à minha frente.

Mas sob a supervisão do nosso competente Guia, tomamos à esquerda e prosseguimos confiantes.


Paisagens fantásticas se revelam aos nossos olhares peregrinos.

O descenso prosseguiu imutável e, mais à frente, quando a estrada novamente se bifurcou, seguimos à direita e prosseguimos em bom ritmo.


Início da descida para um grande e fértil vale. Observem o verde do entorno.

Passamos depois a transitar por um fértil vale, onde encontramos inúmeras culturas de hortaliças como quiabo e berinjela.

Havia também extensos milharais e mandiocais.


Extensos milharais nos ladeiam nesse trecho.

Tudo ladeado por duas serras onde a vegetação nativa está integralmente preservada.


Estrada em descenso, com muito verde. O Perdiz caminha solitário à nossa frente.

O percurso prosseguiu agradável, e depois de 6,5 quilômetros saímos definitivamente no asfalto.


Chegada à rodovia. Angelina fica à esquerda.

O Carminatti e eu retornamos uns 300 metros para fotografar uma fantástica cachoeira, porém, o Perdiz, com dores nos pés, preferiu seguir adiante sozinho, com a promessa de nos aguardar no portal de acesso à Angelina.


Magnífica cachoeira que fui visitar com o Carmo.

No local onde se forma a graciosa cascata, foi edificado um mirante, de onde pudemos ter uma vista privilegiada de todo o magnífico entorno.

Após as fotos e uma pausa para hidratação, retornamos pelo mesmo roteiro, prosseguimos adiante até o portal de entrada da cidade, onde paramos novamente para fotografar.


Portal da cidade de Angelina, com o Carminatti à frente.

E logo adentramos em zona urbana, seguindo em direção à praça central da simpática e pequeníssima urbe.


Igreja matriz da Imaculada Conceição, em Angelina.

Ali fizemos uma parada estratégica para visitar o famoso Santuário Nossa Senhora de Angelina, situado em uma das regiões mais belas do Estado de Santa Catarina.


Entrada do Santuário Nossa Senhora de Angelina.

Nos fundos da Igreja da Imaculada Conceição, existe um pórtico que direciona o visitante à gruta de Nossa Senhora de Lourdes, e em seus primeiros passos apresenta a imagem de São Francisco, patrono da Ecologia.


São Francisco é homenageado logo na entrada.

Seguindo o caminho, uma subida em zigue-zague nos mostra os quadros da via-sacra.

Durante o percurso passamos por um verdadeiro Parque Ecológico com orquídeas, bromélias e árvores de diversas espécies.


O acesso a gruta é em contínuo ziguezague pela montanha, contemplando em cada patamar uma das 15 estações da Via Sacra.

Segundo li, uma grande quantidade de pássaros vive nesse local sagrado, o que propicia, juntamente com toda a flora, uma experiência de contato com a natureza.

O destaque ali fica por conta das águas cristalinas, que cortam as montanhas da cidade.

Do alto da colina onde está localizada a gruta, a água jorra em abundância e corre célere em seu leito passando pelos fundos do Santuário.


A belíssima gruta de Nossa Senhora de Lourdes, localizada no topo da montanha, sob uma cristalina cascata.

O Santuário Nossa Senhora de Angelina é um Santuário Católico localizado na cidade de Angelina, na região Metropolitana da Grande Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Ele é composto pela Igreja Nossa Senhora da Imaculada Conceição e a Gruta dedicada à Nossa Senhora de Lourdes no alto da colina.

A Gruta foi iniciada em 1899 por Frei Zeno Wellbroehl, cumprindo uma promessa, feita em 1897, durante uma grave enfermidade e desenganado pelos médicos.

A Imagem de Nossa Senhora de Lourdes veio da Alemanha e foi benta em 1902, por D. José de Camargo Barros, Bispo de Curitiba.

A Gruta de Angelina foi um presente de Frei Zeno Wallbroehl OFM. Frei Zeno (1866-1925), missionário franciscano em suas andanças pelo sul do país, certa vez acometido de uma doença grave que o levou a beira da morte.

Com muita fé, bebia da água da gruta de Lourdes (França), que visitara. Fizera a promessa de construir uma gruta a Nossa Senhora se ela lhe devolvesse a saúde. Numa noite febril, viu, em sonho, um local muito lindo, apropriado para a uma bela gruta à Virgem Mãe de Deus.

Já com a saúde restabelecida, com ardor muito grande pôs-se a procura deste lugar nas cercanias de Angelina. Penetrou na mata virgem atrás da Igreja paroquial e, depois de árdua subida, Frei Zeno exclama entusiasmado: ‘É aqui! Este é o lugar que eu vi no sonho!’


Local de entrada para a gruta, com várias placas agradecendo graças e milagres alcançados.

A sua frente, entre paredes de rocha estendia-se um corredor largo e longo, terminando num paredão com 12 metros de altura por onde descia uma rumorosa cascata.

Agradecido pela cura e alimentado pela fé o sacerdote franciscano escreveu a Alemanha encomendando uma imagem da Imaculada Conceição igual a de Lourdes, com 1,95 metros.

Conta-se que a senhora sua mãe fez a doação.

Transportada para o Brasil logo após a virada do século XIX, desembarca no porto de Desterro de onde veio para Angelina, em carro de boi.


Local para acender velas, com banheiros ao lado.

A gruta localiza-se em meio a quedas d’águas e plantas nativas, o caminho até ela é um zigue-zague, todo lajotado, de 740 metros, com passagens da Via Sacra produzidas em gesso por um artesão na Alemanha, em 1900.

Na tarde de 15 de agosto de 1907, uma procissão com a imagem de Nossa Senhora de Lourdes subiu o morro, para ali proceder-se a benção da gruta, entronizando nela a bela imagem.

No dia 06 de fevereiro de 1988 o Arcebispo Metropolitano, Dom Afonso Niehus, instituiu a Igreja Matriz Nossa Senhora da Imaculada Conceição de Angelina e, em sua gruta anexa, como Santuário Nossa Senhora de Angelina”.

Fonte: http://santuarioangelina.com.br/


Oração milagrosa!

Depois da profícua e emocionante visita à Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, caminhamos mais três quilômetros até a Casa de Hospedagem Blumengartenhaus, onde havíamos feito reserva.


Entrada da Pousada das Irmãs Franciscanas de São José.

O nome traduzido (Casa Jardim das Flores) é de propriedade da Congregação das Irmãs Franciscanas de São José e teve sua origem e o início de sua atividade como hospedaria no dia 07 de dezembro de 1971, sendo que o complexo gerenciado 

pelas freiras inclui ainda um colégio estudantil, hospital e restaurante.

Ali, por R$90,00, estava incluso o almoço, sem contar que pude desfrutar de excelente acomodação individual.


Monumento existente na "Colina da Louvação".

O local é de excelsa beleza e após um pequeno descanso, fui visitar com o Caminatti a Colina da Louvação, que foi realizada para a comemoração dos 50 anos de presença das Irmãs Franciscanas de São José em Angelina.


Como a mensagem diz, o Santuário é um enclave de "Paz e Bem!"

É uma evocação ecológica ao Cântico do “Irmão Sol” composto por São Francisco de Assis, patrono da ecologia.


Imagem do Cristo Redentor.

No seu entorno encontram-se belíssimas paisagens, tais como: lagos, trilhas, flores, aves, etc. que vão preparando a alma do visitante que é recepcionado por uma enorme Imagem do Cristo Redentor que espera a todos, de braços abertos, no alto 

da Colina.

Passamos também defronte ao Portal do Milênio, um marco de Ação de Graças pelos 2000 anos do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Trata-se de uma imitação da Porta Santa do Vaticano que é aberta somente nos Jubileus do nascimento de Cristo e quer nos lembrar que Jesus Cristo é a Porta pela qual todos somos convidados a passar para encontrar a verdadeira liberdade de 

Filhos de Deus.


O Caminho da Misericórdia.

Transitamos ainda pelo Caminho da Misericórdia, uma sequência de cenas da vida de São Francisco de Assis e da história das Irmãs Franciscanas de São José, cinzeladas ao longo do muro em frente ao convento, pelo escultor Berto Santeiro e fundamentam a espiritualidade franciscana.


Monumento que homenageia os 100 anos das irmãs no Brasil (1897-1997).

Pudemos ainda visitar e fotografar a igreja existente dentro da propriedade, de excelsa beleza.


Interior da capela do convento.

Depois, ainda animados, retornamos ao centro da cidade para conhecer sua igreja matriz, cuja inauguração ocorreu em 23 de maio de 1948.

Na verdade, em 16 de setembro de 1946, a capela São Carlos Borromeu foi desmontada para dar lugar à nova igreja, que teria como primeira Padroeira Nossa Senhora da Imaculada Conceição, e São Carlos Borromeu como seu segundo Padroeiro.

A construção foi feita em tempo recorde de 18 meses, chefiada pelos pedreiros de Nova Trento: Francisco Cadorim, Domingos Daros e Guilherme Daros.


Praça principal de Angelina, com sua igreja matriz ao fundo.

O templo foi uma construção esplendorosa para a época: bem espaçoso, com duas torres de 35 metros de altura, vitrais belíssimos e pintura simples, mas que realçava as linhas da arquitetura.

Depois, seguimos até sua praça central para visita e breve descanso.


Praça principal de Angelina.

A história de Angelina começou em 1845, com a família Garcia, que fixou residência naquelas terras.

Inicialmente a colônia foi denominada Colônia Nacional, sendo reservada para nativos da região e descendentes de imigrantes açorianos da Villa de São José.

Em 1858 chegaram os primeiros imigrantes alemães, vindos das colônias vizinhas de Sacramento, Santa Isabel e São Pedro de Alcântara, que batizaram o lugar com o nome de Villa Mundéus (armadilha rudimentar de caça usada na época).

Além dos germânicos, a Villa também abrigou imigrantes oriundos de Luxemburgo, França, Bélgica, Holanda, Itália e Polônia, que ali chegaram em torno de 1862.


Praça principal de Angelina.

O encarregado de medir e demarcar os lotes da colônia e seu primeiro diretor foi o engenheiro agrimensor Carlos Othon Schlappal.

Em 1891 foi elevada a distrito de São José e recebeu o nome de Angelina, em homenagem ao então presidente do Conselho de Ministros do Rio de Janeiro, Ângelo Moniz da Silva Ferraz (Barão de Uruguaiana).

Tornou-se município em 23 de agosto de 1962, e sua população atual é de 5.300 habitantes.

Fonte: Wikipédia.com


Com a simpática Madre Walburga, a Superiora e Diretora do Convento e demais complexos.

À noite, optamos por fazer um singelo lanche no refeitório da pousada, depois nos recolhemos, pois o dia fora pleno de emoções.


Frase pintada na entrada do Santuário de Angelina: Tudo a ver!!

Por sinal, no final da tarde o sol voltou a reaparecer, avisando que teríamos céu aberto e forte calor no dia seguinte.

E como o café da manhã somente seria servido a partir das 7 h 30 min, resolvi não tomar o desjejum e sair bem cedo.


RESUMO TÉCNICO DESSA DATA, PRODUZIDO PELO PEREGRINO JOSÉ CARMINATTI

DIA 20-03-15 – RANCHO QUEIMADO - ANGELINA (14,6 KM)

O dia amanheceu com chuva fraca, mas logo se dissipou e tomamos um atalho por volta das 07:30 h que parte dos fundos da Prefeitura Municipal de Rancho Queimado até alcançarmos a Rodovia SC 108 no Km 6,5.

Tomamos a direita por uns 300 metros pela rodovia para visitar uma cachoeira.

Fizemos o retorno e no Km 12,0 chegamos a Angelina, onde visitamos a Gruta Nossa Senhora de Lourdes.

No Km 14,6, às 11:00 h alcançamos a Pousada na Congregação das Irmãs, onde almoçamos.

A Congregação das Irmãs é um grande complexo que inclui Colégio, Hospital, Restaurante e Pousada.

A Pousada (Fone 48. 32741180) possui várias opções de acomodações e possui restaurante anexo.

O dia começou com chuva fraca, mas terminou com tempo bom.