HISTÓRIA

HISTÓRIA 


"Antes que tudo existisse, que o mundo fosse formado, que os homens fossem criados, Cristo amou o mundo e criou os caminhos para que os cristãos os percorressem." (Thomás, Manjarin)


Perfil Altimétrico do Caminho Primitivo


O Caminho Primitivo se originou no ano 814, quando um ermitão de nome Pelayo se dirigiu à Teodomiro, o bispo de “Iria Flavia”, para informar de que um fato insólito se produzia nas terras de Compostela (Campo de Estrelas), atribuindo esse acontecimento místico à presença dos restos mortais do Apóstolo Tiago.

Este, então, viajou até Oviedo, onde se encontrava a capital do reino Àstur, e ali comunicou o fato ao rei Alfonso II, “El Casto”.



Admirado por esse prodígio e com intenção de render culto ao Apóstolo, o rei decidiu ir à Compostela, e no primeiro terço do século IX, mandou erigir um mausoléu, para acolher os restos mortais do Santo, com o objetivo de que fosse venerado pelos cristãos.

Assim, a atitude desse monarca foi decisiva para confirmar como pertencentes ao Apóstolo Santiago, “o Maior”, os restos encontrados em Compostela.

Foi ele também quem ordenou a construção da primeira igreja na nascente urbe e colaborou na organização do culto apostólico naquela região.

Ainda, concedeu doações, e incentivou o estabelecimento da primeira comunidade monástica destinada a atender as demandas do culto no altar do novel templo.

Como toda Península Ibérica, à exceção da zona Cantábrica, estava dominada na época pelos muçulmanos, a única via de acesso às terras Compostelanas era atravessar o reino Àstur, para depois, cruzar as montanhas localizadas onde hoje fica a Galícia.



Para tanto, utilizavam um caminho que seguramente seria muito próximo ao traçado que conhecemos atualmente como Caminho Primitivo, pois a orografia desse terreno sugere ser este o mais viável.

Portanto, como ele foi o primeiro de todos os caminhos que direcionavam à Santiago, com a finalidade de render culto ao Apóstolo, sua denominação como “Primevo” está de acordo com a realidade histórica.

Em séculos posteriores houve um avanço na conquista dos territórios de diferentes regiões espanholas, que se consolidaram com o assentamento e criação de outros reinos.

Assim, foram criados novos roteiros de peregrinação até a tumba do Santo.



Estabeleceu-se, então, a via mais importante de todas, que hoje conhecemos como o Caminho Francês, ao qual, posteriormente, se uniram outros ramais provindos dos mais diferentes pontos do país.

Durante muitos anos, e também na atualidade, um grande número de peregrinos se dirige à Oviedo, geralmente, a partir de León, para visitar a catedral de San Salvador, e conhecer suas numerosas relíquias, pois um antigo refrão dizia:

“Quem vai à Compostela e não ao Salvador, honra seu criado e deixa o Senhor”.    



Por tudo isso, o Caminho Primitivo sempre atraiu um expressivo número de "romeiros", pois, além deles percorrem o traçado inicial das peregrinações jacobeias, de imenso valor histórico, também podem usufruir de um roteiro ainda não massificado que transcorre por locais de belíssimas paisagens.

Além disso, podem desfrutar do contato com os residentes que, ao largo de toda a rota, demonstram constantemente sua hospitalidade e apreço para com os caminhantes.

Posto que, aqueles que a elegem como meta, o faz sabendo das comodidades existentes em outros caminhos mais transitados.

Aqui, as dificuldades são supridas com o espírito de fraternidade e colaboração, que dão conotação tão especial ao trato entre os peregrinos.


Guia Utilizado